O ritmo popular no Estado de Pernambuco é reconhecidamente patrimônio imaterial do Brasil.

Você conhece
o Frevo?

ilustração: Dora LIA gOMES  POR:  Giovanne ramos

O frevo surgiu em Recife entre o final do século 19 e início do século 20, dentro do contexto em que a cidade vivia um processo de modernização por meio da industrialização e da urbanização.

Reprodução/ Fervendo na Caldeira

Outros dois fatores sociais e políticos que contribuíram para tal mudança foram a Abolição da Escravidão (1888) e a Proclamação da República (1889), que impulsionaram a criação sócio-cultural do frevo.

Crédito: François-Auguste Biard

O termo frevo vem de 'ferver', mostrando que a alegria do povo durante a festa é uma ebulição. A palavra foi utilizada pela primeira vez no Jornal Pequeno, em 1907, na edição de 9 de fevereiro.

Reprodução/ Museu da Língua Portuguesa

Entre o período de ascensão do frevo, os capoeiristas acompanhavam clubes e troças, protegendo as orquestras ou atacando as agremiações rivais. O frevo emerge como uma arte irmã da capoeira.

intervenção: @dillasete
intervençao: dora lia gomes

É consenso entre historiadores brasileiros que o passo do frevo foi influenciado pelo gingado da capoeira, utilizando vários elementos da expressão cultural e de luta afro-brasileira.

Crédito: Lula Cardo Ayres

Enquanto sonoridade, o frevo sofreu influência de ritmos como modinha, quadrilha, dobrado, polca, maxixe, valsa e tango. Muitos, inclusive, acreditam que a distinção entre a música e a dança é necessária

Reprodução

O Frevo nº1, 'Vassourinhas', foi escrito por uma mulher negra e doméstica, Joana Batista Ramos, junto com Matias da Rocha. A música é considerada um dos hinos do carnaval pernambucano.

Reprodução / Museu Brasil

Existem diferentes tipos de frevo, entre eles o musical já citado. Os outros são o ‘Frevo de Rua’, ‘Frevo de Bloco’, e o ‘Frevo Canção’, todos originados da criatividade do povo pernambucano.

Reprodução 

O Frevo de Rua é inteiramente instrumental, ausente de letra de música e tocado por orquestras nas ladeiras e ruas. Entre os outros, foi o primeiro a surgir e é considerado o mais efervescente de todos.

Reprodução 

Já o Frevo de Bloco, ao contrário do de rua, que é executado por instrumentos de percussão e metais, é executado por orquestra de pau e corda. Tem um ritmo mais lento e letras saudosistas.

Reprodução 

O Frevo Canção possui letras e é cantado. Pode ser chamado também de marcha-canção, pela sua semelhança com as marchinhas. Ao contrário do frevo de bloco, suas letras tratam do contexto atual.

Reprodução/ Sesc

Um dos símbolos do frevo é a sombrinha. No início, a sua função era proteger do sol e até mesmo ser usada como arma em caso de conflitos. Com o passar do tempo, se tornou colorida e referência da expressão cultural.

ilustração: @Dillasete

TEXTOS
Giovanne Ramos


IMAGENS
 Fervendo na Caldeira
François-Auguste Biard
Museu da Língua Portuguesa
Lula Cardo Ayres
 

DESIGN
Dora Lia Gomes

CONHEÇA MAIS
HISTÓRIAS PRETAS

BLACKSTORIES