As marcas deixadas pela pandemia nas crianças durante sua primeira infância

 pandemia
AS CRIANÇAS AFETADAS PELA
por: giovanne ramos
ilustração: vinícius de araujo FOTOGRAFIA: RENAN BENEDITO

Uma das primeiras medidas tomadas pelos governos estaduais e municipais com a chegada da pandemia da Covid-19 foi o fechamento de escolas, que a longo prazo deixou marcas, principalmente nas crianças.

A escola possui papel central durante a primeira infância. É no ambiente escolar que as crianças são estimuladas a desenvolver  seu comportamento educacional e de sociabilidade.

Um estudo realizado pela Fundação Maria Cecília Souto Vidigal apontou que 27% das crianças de 0-3 anos apresentaram regressão no comportamento, voltando a ter comportamentos de quando eram menores.

Segundo os responsáveis pela pesquisa, ao retornar para a escola as crianças choram mais do que antes da pandemia, voltaram a ficar molhadas por não pedirem para ir ao banheiro e se tornaram introspectivas, falando menos.

A pandemia também desencadeou outras situações que influenciaram negativamente outras esferas da vida da criança, como as que se tornaram órfãs no período.

Leandro Recarte, professor de uma escola em São Paulo.

“Na minha turma tem crianças que perderam familiares durante a pandemia. É um processo complicado porque nos vemos no papel de suprir o que eles perderam nesse período”

Outro estudo da Fundação Maria Cecilia Souto Vidigal relatou que a pandemia aumentou as desigualdades sociais e as crianças foram as mais afetadas em aspectos como as condições alimentares.

Foto:  arquivo pessoal

Para muitas crianças vulnerabilizadas, a escola acaba por ser a fonte principal de alimento - que é uma necessidade essencial da primeira infância -, que aliada a crise financeira, despertava fome.

Para suprir essa carência, a lei de atendimento da alimentação escolar autorizou, durante o período de suspensão de aulas, a distribuição de alimentos para pais e alunos da educação básica.

O processo de retomada das aulas encontrou também no caminho algumas dificuldades. A adaptação das crianças ao ambiente escolar e os protocolos de segurança e higienização foram alguns dos desafios.

Adriana Tenório, psicopedagoga

“Alguns desses impactos gerados para volta às aulas se manifestam em uma parcela dos alunos que retornaram com maior nível de irritabilidade, medo e até sintomas mais sérios, como transtorno do sono e ansiedade.”

Este material foi baseado na série de conteúdos resultantes da parceria entre a Alma Preta Jornalismo e a Fundação Maria Cecilia Souto Vidigal.