O escritor cubano radicado na Bahia é referência internacional em assuntos relacionados à raça e identidade.

CARLOS MOORE

Raça e revolução cubana
aos olhos de

FOTO:  ARQUIVO PESSOAL POR:  GIOVANNE RAMOS
Foto:  arquivo pessoal

Filho de pais jamaicanos, Carlos Moore nasceu em 1942 e viveu em Cuba até os 15 anos, quando se mudou para os Estados Unidos.

Foto:  arquivo pessoal

Nos EUA, conheceu a escritora e poetisa Maya Angelou, com quem construiu sua base intelectual e aprendeu sobre justiça racial.

"Estou há muito tempo lutando pela causa negra. Eu tenho 72 anos. Estou lutando por essa causa desde que eu tinha 18 anos. E eu estou vivendo em um exílio.”

Vídeo:  tv correio nagô
Foto:  arquivo pessoal

Ao retornar para Cuba, Carlos se juntou ao movimento revolucionário liderado por Fidel Castro, mas discordava do racismo enraizado no novo regime político cubano.

Foto:  arquivo pessoal

Foi preso duas vezes, a primeira ao denunciar o racismo da revolução de Fidel, e a segunda por abordar o assunto com o líder em público.

Foto:  arquivo pessoal

Se sentindo ameaçado pelo regime comunista cubano, se refugiou na embaixada da Guiné, fugiu para o Egito e depois para a França.

“Eu vivi 34 anos sempre sob ataques do regime cubano. Por causa da denúncia que eu tinha feito do racismo sob a revolução.”

Vídeo:  estação cultura | tve
foto:  arquivo pessoal

Ao longo da vida morou nos Estados Unidos, França, Nigéria, Egito, Senegal, Martinica, Trinidad e Tobago e Guadalupe.

foto:  arquivo pessoal

Carlos tem 79 anos, é Doutor em Etnologia e Ciências Humanas, referência em assuntos raciais e escritor.

Entre suas obras, as principais são a biografia do artista Fela Kuti, a autobiografia ‘Pichón’ e obras que abordam o marxismo e as relações raciais.