A mulher negra, esquecida pela história, fez parte da libertação de Moçambique dos domínios portugueses

a luta de

josina machel

Foto: Reprodução da internet por: caroline nunes

Em Moçambique, assim como em outros países da África colonizados por Portugal, as mulheres tiveram efetiva participação na luta pela liberdade de seus povos. Uma das lideranças de destaque, ausente nos registros oficiais, foi Josina Abiathar Muthemba Machel

Foto: Reprodução/pixabay

Nascida em 1945, Josina teve a oportunidade de se dedicar aos estudos, algo raro às mulheres moçambicanas da época. Em Maputo, iniciou sua vida política ao se tornar membro da Frente de Libertação de Moçambique (FRELIMO), partido à frente da luta pela libertação nacional.

Foto: Reprodução/Moçambique History

Ela tentou fugir de Moçambique para se juntar à luta articulada pela Frente duas vezes. Na primeira, foi capturada no Zimbábue e enviada à prisão. Na segunda, conseguiu alcançar o acampamento da Frente, na Tanzânia, onde foi uma das 25 mulheres que receberam treinamento militar.

Foto: Reprodução/Moçambique History

Liderança do setor feminino de treinamento militar e educação política, Josina auxiliou na construção de creches, escolas e hospitais durante a guerra contra os portugueses. A heroína lutou ainda pela participação das mulheres nas políticas de libertação.

Foto: REPRODUÇÃO/Facebook
Yassin Amuji

Sua morte ocorreu de forma precoce, aos 26 anos, decorrente de complicações no fígado. Moçambique conquistou a independência sonhada por Josina quatro anos depois, em 1975.

Foto: Reprodução/Acervo USP

Em homenagem à sua luta, a data de sua morte, 7 de abril, é considerada o Dia Nacional da Mulher no país moçambicano.

Foto: Reprodução/Folha de Maputo

Na década de 1980, uma rua foi batizada com o nome de Josina Machel no bairro de Bangu, na cidade brasileira do Rio de Janeiro.

COLAGEM: I'SIS ALMEIDA

Em Maputo, a principal escola secundária, o Liceu Salazar, foi renomeada Escola Secundária Josina Machel.

Reprodução/Escola Secundária Josina Machel

Em 1977, o antigo hospital Maria Pia em Luanda, Angola, foi também rebatizado com o nome de Josina Machel, embora os dois nomes sejam usados ao letreiro que identifica o edifício.

Foto: Reprodução/Wikipedia

Até hoje, Josina é lembrada como símbolo de força feminina que almeja a liberdade.

Foto: Reprodução/Wikipedia

TEXTOS
Caroline Nunes
Nataly Simões

IMAGENS
Pixabay
Moçambique History
Facebook Yassin Amuji
Folha de Maputo
Wikipédia

DESIGN
I'sis Almeida

CONHEÇA MAIS
HISTÓRIAS PRETAS

BLACKSTORIES