Vídeo: ‘Não é só um ato, é um momento de resistência’

Na cobertura audiovisual do ato “Vidas Negras Importam”, no domingo (7), em São Paulo e no Rio de Janeiro, o Alma Preta ouviu as motivações das pessoas que foram às ruas; veja os vídeos

Texto: Nataly Simões | Imagem: Pedro Borges

 

Ao todo, aproximadamente 15 mil pessoas participaram do ato “Vidas Negras Importam” nas duas maiores capitais do país, São Paulo e Rio de Janeiro. As manifestações, que também foram registradas em outras cidades brasileiras, representam a ampliação das discussões acerca das questões raciais.

Com faixas e cartazes, os manifestantes pediram por mudanças sociais e pelo fim do genocídio negro. “Nos últimos tempos, tem se intensificado o número de mortes de jovens e crianças pretas nas periferias de todo o Brasil, haja vista os dois meninos chamados ‘João’ no Rio de Janeiro e que foram mortos brutalmente pela polícia, além das mortes que são ocultadas e não chegam aos ouvidos do movimento social negro. Então, neste momento, não é só um ato. É um momento de resistência”, explica um dos manifestantes [veja entrevista mais a abaixo].

A violência policial, mesmo diante da pandemia da Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus, estava entre as principais motivações das pessoas que foram às ruas. “Ao mesmo tempo em que estávamos freando a política de morte nas periferias porque o auxílio emergencial estava atrasado e porque o nosso povo nunca pode deixar de trabalhar para fazer isolamento, aumentou a repressão policial. Aqui em São Paulo, no primeiro trimestre, uma pessoa negra morreu a cada 16h por causa da repressão da polícia”, afirma Simone Nascimento, integrante do Movimento Negro Unificado (MNU).

Confira o vídeo da cobertura do Alma Preta em São Paulo:

Confira o vídeo da cobertura do Alma Preta no Rio de Janeiro:

Apoie jornalismo preto e livre!

O funcionamento da nossa redação e a produção de conteúdos dependem do apoio de pessoas que acreditam no nosso trabalho. Boa parte da nossa renda é da arrecadação mensal de financiamento coletivo e de outras ações com apoiadores. 

Todo o dinheiro que entra é importante e nos ajuda a manter o pagamento da equipe e dos colaboradores em dia, a financiar os deslocamentos para as coberturas, a adquirir novos  equipamentos e a sonhar com projetos maiores para um trabalho cada vez melhor. 

O resultado final é um jornalismo preto, livre e de qualidade.

Acesse aqui nosso Catarse

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece. Se inscreva e receba nossas notícias toda semana.

 

VÍDEOS