QUILOMBO / Segunda, 06 Abril 2020 17:04

Violência doméstica e isolamento social

Em artigo, a socióloga e mestra em Ciências Humanas e Sociais, e professora da Faculdade Zumbi dos Palmares, Najara Costa fala sobre a urgência de transformar a naturalização da violência contra a mulher em meio à pandemia

Texto Najara Costa | Imagem / Reprodução

A campanha pelo isolamento social estabelecida em decorrência da pandemia em escala mundial causada pelo Covid 19, trouxe, a reboque, uma latente fragilidade qual grande parcela das mulheres estão submetidas: a violência doméstica. É isso mesmo! Experienciar mais tempo ao lado do parceiro pode significar para muitas um sério risco de vida.

As já gritantes estatísticas que traduzem a misoginia estabelecidas no Mapa da Violência refletem o quanto o espaço familiar pode não ser um ambiente seguro, especialmente para mulheres negras. Nesse sentido, muitos outros casos de agressões, e até mesmo feminicídios, passam a ser notificados e alertados no atual contexto pela ONU e/ou outras tantas organizações políticas e sociais, vide o necessário confinamento recomendado pela organização mundial da saúde (OMS).

Jair Bolsonaro, em uma das suas muitas atitudes irresponsáveis, chegou a declarar que os casos de violência doméstica no Brasil aumentaram pela falta de comida na casa das pessoas, em razão de muitos estarem em quarentena e impossibilitados de trabalhar.

Neste ponto, além de se eximir de responsabilidades que o competem, tais como o direcionamento de ações políticas em prol de medidas emergenciais em um contexto de crise, a fala do presidente orienta dois grandes equívocos, sendo o de que a fome geraria a violência contra a mulher, acrescido de que o isolamento social deveria acabar, já que “o Brasil não pode parar”.

Não nos caberá aqui grandes justificativas acerca da necessária quarentena, medida cientificamente recomendada neste momento para a preservação de vidas e capaz, inclusive, de evitar um caos no Sistema Único de Saúde (SUS). De outro modo, a relativização da agressão sobre as mulheres é não só lamentável como desprezível, especialmente quando proferida pela principal autoridade do poder executivo.

Promover novas estratégias de sociabilidade a partir de redes de apoio e conscientização será um grande passo rumo a efetiva emancipação feminina, outrossim, o amparo do Estado a partir do reconhecimento das vulnerabilidades que permeiam irrestritas violências é fundamental.

Nesse sentido, é urgente a compreensão e alternância de um cenário que impõe a naturalização das violações dos direitos das mulheres, onde prerrogativas básicas rumo à equidade não são asseguradas.

Najara Costa é socióloga, mestra em Ciências Humanas e Sociais e professora da Faculdade Zumbi dos Palmares.

 Apoie jornalismo preto e livre!

 O funcionamento da nossa redação e a produção de conteúdos dependem do apoio de pessoas que acreditam no nosso trabalho. Boa parte da nossa renda é da arrecadação mensal de   financiamento coletivo e de outras ações com apoiadores. 

 Todo o dinheiro que entra é importante e nos ajuda a manter o pagamento da equipe e dos colaboradores em dia, a financiar os deslocamentos para as coberturas, a adquirir novos   equipamentos e a sonhar com projetos maiores para um trabalho cada vez melhor. 

 O resultado final é um jornalismo preto, livre e de qualidade.

 Acesse aqui e apoie a Alma Preta Jornalismo

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece. Se inscreva e receba nossas notícias toda semana.

VÍDEOS

rashidfala.jpg
insdefesa.jpg
devassashow.jpg
manifestantesmarchamnacn.jpg