sábado, 8 de maio de 2021 QUILOMBO /

Racismo recreativo: uma viagem forçada aos traumas e feridas da infância

Nesta viagem forçada ao passado, feridas são reabertas acompanhadas de uma turbulência de sentimentos e revisitamos traumas relacionados aos nossos traços negros

Texto: Ariel Freitas | Imagem: Rodnae Productions/Pexels

Racismo recreativo: uma viagem forçada aos traumas e feridas da infância
Introdução:

Nesta viagem forçada ao passado, feridas são reabertas acompanhadas de uma turbulência de sentimentos e revisitamos traumas relacionados aos nossos traços negros

Texto: Ariel Freitas | Imagem: Rodnae Productions/Pexels

Grande parte dos negros brasileiros cresceu em meio a uma geração de práticas racistas diárias que funcionavam como normas bem-vindas na sociedade, atuando como mecanismos de defesa a direitos e acessos de uma determinada etnia. Esses episódios de preconceitos acionam gatilhos que nos levam direto para a infância.

Nesta viagem forçada ao passado, feridas são reabertas acompanhas de uma turbulência de sentimentos e revisitamos traumas relacionados a nossa aparência e características negras, pois é nesse período da vida que agressões raciais em tom de brincadeiras conectavam traços negros com situações e objetos que realocam as nossas qualidades e perfis em situação de “descartável” ou de algo visto como “mal cuidado”, que necessitaria de produtos e tratamento para melhorar a condição.

 

Engana-se quem acredita que esse racismo recreativo não possui uma má intenção por trás. Dentro da psicologia e também nos debates de sociólogos que estudam o tema, esses traumas adentram profundamente o quadro psicológico do ser humano ainda em formação - já que é nessa fase que ele compreende como funciona a sociedade e os valores de “certo” e “errado”.

A fim de evitar comentários e motivos de piadas, muitos de nós crescemos sem conhecer nossas características naturais, como o cabelo, e optamos pela negação de outras (cor da pele e atributos mais negróides). Essa estratégia de sobrevivência de negar a si causa rupturas com a identidade negra que favorece a tática de dominação e opressão indicados por Wilson Barbosa Nascimento, no livro “Cultura Negra e Dominação” (2002).

Mesmo no auge dos meus 25 anos, ainda enxergo o peso desses episódios no meu cotidiano. Tenho certeza que do sul ao norte do país toda criança negra enfrentou piadas racistas de colegas e professores nas salas de aula, ações que transformaram o desejo de aprendizado e de destaque no ensino na vontade de passar despercebido ou de assumir um local que o defendia dos direcionamentos do racismo.

Eu, um homem negro retinto, entendi que precisava raspar o meu cabelo com frequência, pois ele chamava muita atenção por onde passava. Também desenvolvi a estratégia de não mostrar muito o sorriso em público porque meus dentes separados - Diastema, uma característica mais comum em pessoas pretas - atraía comentários e situações indesejadas.

O choro, desespero e tremura corporal quando somos vítimas dessa prática racista revelam que as feridas e traumas ainda estão ali, e como funciona de forma desleal a cartilha “não foi a minha intenção ofender” utilizada por quem inflige essas dores nos corpos negros.

Todos esses acontecimentos contribuíram com a minha negação de imagem. Lembro como se fosse ontem quando uma companheira elogiou as minhas características e eu discordei dela, ironizando que apenas me achava atraente pois estava relacionando-se comigo, com a frase: “pessoas apaixonadas distorcem o que veem”.

Como sociedade, precisamos rever a classificação desse racismo recreativo como entretenimento ou brincadeiras de um ciclo social, pois a ideia de categorizá-los dessa maneira reforça a dificuldade de tirar da invisibilidade as pautas raciais e também aumenta o engajamento e audiências nas redes sociais das pessoas que compartilham esses ideais racistas por lá.

Ariel Freitas é jornalista, escritor, ativista e músico.

Leia também:

Racismo provoca tensão, alterações fisiológicas e danos na saúde mental

Sofrer racismo provoca uma dor ancestral que nos une, recrudesce e fortalece

Apoie jornalismo preto e livre!

O funcionamento da nossa redação e a produção de conteúdos dependem do apoio de pessoas que acreditam no nosso trabalho. Boa parte da nossa renda é da arrecadação mensal de financiamento coletivo e de outras ações com apoiadores. 

Todo o dinheiro que entra é importante e nos ajuda a manter o pagamento da equipe e dos colaboradores em dia, a financiar os deslocamentos para as coberturas, a adquirir novos  equipamentos e a sonhar com projetos maiores para um trabalho cada vez melhor. 

O resultado final é um jornalismo preto, livre e de qualidade.

Acesse aqui nosso Catarse

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece. Se inscreva e receba nossas notícias toda semana.

 

VÍDEOS