QUILOMBO / Sexta, 20 Novembro 2020 10:46

No dia da Consciência Negra, a carne mais barata do Carrefour é a negra

Às vésperas deste 20 de novembro, dois seguranças brancos espancaram um homem negro, indefeso, até a morte dentro de uma unidade da rede de supermercados em Porto Alegre

Texto: Roberta Camargo, Juca Guimarães e Nataly Simões | Imagem: Reuters

Neste 20 de novembro, Dia da Consciência Negra, as notícias que gostaríamos de dar são apenas as que reforçam a potencialidade da comunidade negra, mas como ser negro no Brasil é sinônimo de não ter um dia de paz nos deparamos ainda na madrugada sobre o assassinato brutal de João Alberto Silveira, de 40 anos, espacado até a morte por dois homens brancos, um segurança da rede de supermercados Carrefour e um policial militar.

As imagens divulgadas nas redes sociais mostram quando João é atacado pelos dois homens e recebe uma série de socos no rosto. Imobilizada e tentando manter o equilíbrio, a vítima é atingida por chutes nas costas, braços, pernas e mais socos. Enquanto uma mulher de blusa branca e crachá grava a cena em um aparelho celular a poucos passos de distância.

Ela se movimenta ao redor deles para melhorar o ângulo de captação das imagens. Só então, timidamente, ela esboça um gesto de apartar a agressão, mas retrai o movimento segundos depois. João continua espancado e morreu no local.

Essa não é a primeira vez que pessoas negras são vítimas de racismo dentro de supermercados. Aliás, ser perseguido como se a sua pele representasse um perigo é algo comum à maioria de nós. O Carrefour, também, parece ter a desumanidade como uma política interna. Há poucos meses, o corpo de um funcionário que morreu de mal súbito durante o expediente foi coberto com guarda-sóis verdes enquanto o supermercado permaneceu aberto.

Desta vez, a brutalidade aconteceu no bairro Passo D’Areia, em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul. Os dois criminosos foram presos em flagrante e devem responder por homicídio qualificado. Segundo o Código Penal, se trata do ato de matar uma pessoa em circunstâncias que não ampliem a magnitude desse ato extremo. A Brigada Militar afirma que o crime aconteceu depois de uma confusão entre a vítima, indefesa, e um funcionário da loja, que acionou os seguranças.

WhatsApp Image 2020 11 20 at 10.34.35

Foto: Lauro Alves/Agência RBS

A gestão de crise do Carrefour correu para emitir uma nota onde diz que “nenhum tipo de violência e intolerância é admissível” e que “adotará medidas para responsabilizar os envolvidos no ato criminoso”. Mais uma vez a empresa não reconhece que sua política de segurança é racista e desumanizadora.

Vivemos um momento em que as empresas têm dado mais atenção para a questão racial até para melhorar a própria imagem. O próprio Carrefour havia anunciado o lançamento de um manifesto pela diversidade, com um material que seria fixado nas lojas e em centros de distribuição da rede sobre a inclusão de pessoas de diferentes raças, identidades de gênero, orientações sexuais e crenças.

São programas e mais programas para incentivar a diversidade entre os profissionais. E a segurança de quem mantém os lucros dessas empresas cada vez maior, que são os clientes? O comunicado só reforça que a carne mais barata do Carrefour é a carne negra.

Esse é mais um 20 de novembro em que precisamos buscar forças para seguir em frente em uma sociedade onde nossa cor de pele nos faz alvos, onde somos sete a cada dez vítimas de homicídios, oito a cada dez mortos em intervenções policiais. Meu maior desejo é um dia poder falar apenas sobre a potencialidade e resistência dos nossos ancestrais que nos trouxeram até aqui, por João Alberto e tantos outros que não mais poderão.

 Apoie jornalismo preto e livre!

 O funcionamento da nossa redação e a produção de conteúdos dependem do apoio de pessoas que acreditam no nosso trabalho. Boa parte da nossa renda é da arrecadação mensal de   financiamento coletivo e de outras ações com apoiadores. 

 Todo o dinheiro que entra é importante e nos ajuda a manter o pagamento da equipe e dos colaboradores em dia, a financiar os deslocamentos para as coberturas, a adquirir novos   equipamentos e a sonhar com projetos maiores para um trabalho cada vez melhor. 

 O resultado final é um jornalismo preto, livre e de qualidade.

 Acesse aqui nosso Catarse

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece. Se inscreva e receba nossas notícias toda semana.

VÍDEOS

ccsp.jpg
umanobetofreitas.jpg
boletiim38.jpg
racismoemeioambientecop26.jpg