QUILOMBO / Quinta, 10 Junho 2021 17:30

Mortes em operações: capacitação antirracista para policiais não é a solução

A escritora e pesquisadora Carla Akotirene reflete sobre as práticas racistas das polícias militares como produto de uma estrutura maior da qual "o fardado não representa a si próprio, mas representa aquela instituição racista"

Texto: Carla Akotirene | Foto: Agência Brasil

Atuação violenta das polícias não será superada apenas com capacitações antirracistas
Introdução:

A escritora e pesquisadora Carla Akotirene reflete sobre as práticas racistas das polícias militares como produto de uma estrutura maior da qual "o fardado não representa a si próprio, mas representa aquela instituição racista"

Texto: Carla Akotirene | Foto: Agência Brasil

As mortes de Viviane Soares, 40 anos, Maria Célia Santana, 73, na Bahia, bem como da jovem Kathlen de Oliveira, 24 anos, grávida, que morreu após a bala perdida encontrá-la num suposto confronto do tráfico e policiais, no Rio de Janeiro, atestam que há, independentemente das governanças de esquerda ou conservadoras, afinidades genocidas estruturais empregadas pela Polícia Militar, como expediente duma política dos Estados Nações e do discurso de Guerra às Drogas.

Qual a solução? Dar capacitação antirracista pra os policiais com certeza que não é.

 

Na moral, resgatem as contribuições da obra Black Power, mais a conceituação de racismo institucional descrita por Carmichael e Hamilton, porque a finalidade neocolonial da instituição polícia valida a violência aberta, sistêmica e antinegros, visando o controle populacional, regulação da mão de obra inapta ao trabalho e uma necropolítica, em atenção aos que vão morrer e aos que serão encarcerados, conforme descreve Ângela Davis e Achille Mbembe.

Tomar a polícia como boa praça, dando aos servidores a responsabilidade do racismo individual, não passa de desculpa para transferência de recurso público ao Terceiro Setor engajado. Ademais, os preconceitos de fora têm tecnologias menos efetivas que o racismo e a discriminação correlata das instituições.

Os comandantes recebem capacitação antirracista?

A segurança pública não muda a lógica desumanizante pra realizar o Estado Democrático de Direito. Então, o conceito britânico de racismo institucional é puro engodo. Neste caso, é improvável dizermos do fracasso coletivo duma instituição em prover o atendimento adequado para determinados grupos por causa da cor, raça, origem, quando a matança, tortura e prisão, são expedientes exitosos. Aliado a isso, os policiais ganham por produtividade e, assim, geram flagrantes forjados.

A oralidade da favela não tem valor diante da escrita dos autos e notícias veiculadas, a não ser quando a ação é filmada. 

Não esperemos pedagogia de empoderamento negro para policiais, pois o fardado não representa a si próprio mas representa aquela instituição racista. À ele não cabe o argumento de que os próprios policiais negros violentam e discriminam. Quem dirige o Estado brasileiro é a alta patente branca.  Que façam seus cursos de antibranquitude e anticolonialismo.

Direito e Medicina são conhecimentos hegemônicos. São poderes instituídos em Saúde Pública e Segurança Pública, até já expliquei no meu livro Ó paí Prezada, fruto da dissertação de mestrado defendida em 2010.

O usuário de crack comete crime sem receber atenção em saúde. Já o racista não demora muito a conseguir laudo médico pra encobrir seus crimes, sejam racistas pobres ou policiais negros.

*Carla Akotirene é escritora e pesquisadora, mestre e doutoranda em Estudos de Gênero e Feminismos na UFBA (Universidade Federal da Bahia). Concentra estudos sobre encarceramento, sistemas filosóficos africanos e violência letal.

 Apoie jornalismo preto e livre!

 O funcionamento da nossa redação e a produção de conteúdos dependem do apoio de pessoas que acreditam no nosso trabalho. Boa parte da nossa renda é da arrecadação mensal de   financiamento coletivo e de outras ações com apoiadores. 

 Todo o dinheiro que entra é importante e nos ajuda a manter o pagamento da equipe e dos colaboradores em dia, a financiar os deslocamentos para as coberturas, a adquirir novos   equipamentos e a sonhar com projetos maiores para um trabalho cada vez melhor. 

 O resultado final é um jornalismo preto, livre e de qualidade.

 Acesse aqui nosso Catarse

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece. Se inscreva e receba nossas notícias toda semana.

VÍDEOS