QUILOMBO / Segunda, 22 Março 2021 10:22

Desemprego, o fantasma que apavora os jovens

As estatísticas confirmam a realidade crua que a juventude desalentada encara no dia a dia. E não há festa nem baile - se permitidos fossem - que nos acalente

Texto: Dani Monteiro | Imagem: Nelson Almeida

Na pandemia, desemprego atinge mais os jovens
Introdução:

As estatísticas confirmam a realidade crua que a juventude desalentada encara no dia a dia. E não há festa nem baile - se permitidos fossem - que nos acalente

Texto: Dani Monteiro | Imagem: Nelson Almeida

A pandemia ameaça criar uma geração perdida de jovens: o desemprego já atinge 29,8% dessa parcela significativa da população brasileira, segundo os dados do IBGE sobre 2020. No ano em que o coronavírus nos encurralou, nós amargamos a maior taxa anual desde os distantes 2012. Está claro que a ameaça da covid-19 ampliou o drama, mas tem coisa muito errada nessa fita. Quando podemos ser criativos, produtivos e participativos, as oportunidades minguam e as portas se fecham. Não há recém-chegado que resista a tamanha indiferença por parte de quem deveria ofertar amparo e políticas de proteção efetivas. Precisamos falar sobre responsabilidades. E não se trata mais dos nossos pais.

As estatísticas confirmam a realidade crua que a juventude desalentada encara no dia a dia. E não há festa nem baile - se permitidos fossem - que nos acalente. Se falta trabalho, independentemente de gênero, na distribuição por cor, a cota de ocupação reservada aos pretos é ainda menor: 17,2%, acima da média nacional. Não é coincidência que esse vasto grupo que parte do país teima em ignorar esteja exatamente mais presente nas faixas de pobreza e extrema pobreza. Menos coincidência ainda é que esse vasto grupo seja exatamente o que habita grotões, favelas e periferias com maior frequência.

 

Em 2019, presidi a Comissão Especial da Juventude na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro. A tarefa era mapear as reais condições em que vivem os jovens fluminenses, conhecer as suas estratégias de formação e sobrevivência, descobrir dificuldades e iniciativas, ajudar a estabelecer conexões entre quem está à margem com as instituições que podem promover alguma mudança. Nas conversas que se desenrolaram pelo território fluminense, descobri sonhos de quem nasceu sem privilégios, formação e trabalho eram os principais entre todos.

Agora, a pandemia em escalada de casos e mortes deixa essa parcela da população em espera precária e sem perspectiva de ocupação que garanta um sustento digno: jovens artistas, jovens com curso técnico, jovens universitários, jovens com diploma, jovens sem curso algum, jovens sem profissão. Todos paralisados pelo descontrole de quem deveria nos dar o exemplo de como enfrentar crises, fornecer as ferramentas para superar a pior crise. De novo, não estou falando dos nossos pais.

O Plano Nacional de Educação (PNE) tem como meta levar 33% dos jovens de 18 a 24 anos ao ensino superior até 2024. Os jovens brancos ja chegaram lá, enquanto apenas 18% dos jovens negros ocupem uma vaga em universidade. Não à toa, além da formação escassa e da falta de ocupação, ou em consequência delas, o medo e o estresse assombram quem tem entre 18 e 30 anos, os últimos na fila da vacina contra a Covid-19, única esperança nesse pandemônio em que pretos e pardos são as maiores vítimas. A fila não anda, as doses não chegam, o governo não dá qualquer satisfação.

O que será que será se o desamparo às juventudes não saltar aos olhos de quem precisa enxergar? Vamos mesmo correr o risco de perdê-las? Desalento também mata. O peso na consciência depois, acreditem os que tirarem o pé nesse momento de maior necessidade de mãos dadas por alternativas, não paga. Que venha o exemplo de que é mesmo possível cumprir a meta de amadurecer sem perder a ternura.

Dani Monteiro é deputada estadual do Rio de Janeiro pelo PSOL e é presidente da Comissão de Direitos Humanos e Cidadania da Alerj.

Leia mais:

Mesmo em cargos formais, negros devem ser os mais atingidos pelo desemprego na crise do Covid-19

Mulheres são mais afetadas na pandemia com desemprego e acúmulo de tarefas

Com desemprego em alta, doações durante a pandemia não dão conta do recado

 Apoie jornalismo preto e livre!

 O funcionamento da nossa redação e a produção de conteúdos dependem do apoio de pessoas que acreditam no nosso trabalho. Boa parte da nossa renda é da arrecadação mensal de   financiamento coletivo e de outras ações com apoiadores. 

 Todo o dinheiro que entra é importante e nos ajuda a manter o pagamento da equipe e dos colaboradores em dia, a financiar os deslocamentos para as coberturas, a adquirir novos   equipamentos e a sonhar com projetos maiores para um trabalho cada vez melhor. 

 O resultado final é um jornalismo preto, livre e de qualidade.

 Acesse aqui nosso Catarse

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece. Se inscreva e receba nossas notícias toda semana.

VÍDEOS