POLíTICA / Quarta, 25 Mai 2022 18:11

Quem é a drag queen negra pré-candidata a deputada federal na capital do Brasil?

Ruth Venceremos, umas das líderes do coletivo Distrito Drag, fala sobre a sua origem no MST até chegar a pré-candidatura ao parlamento federal

Texto: Thais Rodrigues | Edição: Nadine Nascimento | Imagem: André Gagliardo

A foto mostra Ruth Venceremos, pré-candidata a deputada federal e drag queen
Introdução:

Ruth Venceremos, umas das líderes do coletivo Distrito Drag, fala sobre a sua origem no MST até chegar a pré-candidatura ao parlamento federal

Autor:

Texto: Thais Rodrigues | Edição: Nadine Nascimento | Imagem: André Gagliardo

A figura negra, bem maquiada, colorida e elegante que atravessa os corredores da Câmara dos Deputados é Ruth Venceremos, a drag queen que está “ousando ser” pré-candidata a deputada federal na capital do país. Além de ser uma militante pelas causas da comunidade LGBTQIA+, Ruth faz parte do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) desde os 13 anos de idade. De acordo com ela, o fato de ser candidata é apenas mais uma etapa de uma vida inteira de lutas. 

Enquanto participava do ato da Coalizão Negra por Direitos, quando protocolaram no STF a petição contra o genocídio da população negra na véspera do 13 de maio, ela conversou com a Alma Preta Jornalismo. Ruth compartilhou que tem como principal referência no parlamento a deputada Benedita da Silva (PT-RJ) que, segundo ela é uma das “maiores figuras políticas que luta pelo povo negro, pela democracia e pelos mais pobres”. Caso ela venha a ser eleita, afirma que enfrentar o racismo será uma das principais pautas, além de fazer o debate sobre respeito à diversidade, reforma agrária, alimentação saudável e a defesa da cultura.

“A drag já é um papel político, pois se montar e sair pela rua, sobretudo quando se é uma bicha preta, que transita em Brasília, é desafiador e é afrontoso. Brasília, ao mesmo tempo que tenta nos abraçar, nos acolher, ela nos expulsa. A cidade expulsa esses corpos que são periféricos, dessidentes e negros”, reitera a artista.

ERIVANRUTH

Erivan Hilário, que dá vida à Ruth Venceremos é precursor do movimento LGBTQIA+ dentro do MST. Foto: André Gagliardo

Luta pela terra e pela orientação sexual

O rapaz nordestino que dá voz à Ruth é Erivan Hilário, de 38 anos. Nascido em Pernambuco, ele enfrentou tanto o racismo quanto o preconceito de ser LGBT desde muito cedo. Segundo Ruth, aos 10 anos de idade o menino precisou começar a trabalhar para poder colocar comida na mesa e ajudar em casa. 

“Eu ganhei consciência de classe e de raça quando, infelizmente, precisei fazer trabalhos domésticos para poder sobreviver. Então, percebi que a maioria das pessoas ao meu redor não tinham quase nada”, lembrou a pré-candidata.

Com uma família grande, os 11 irmãos e a mãe foram “mais uma vítima da fome dentre tantas outras famílias negras desse país”. Quando ele tinha 13, mudaram-se para um dos acampamentos do MST na região de Santa Maria da Boa Vista (PE). Lá também iniciou a militância LGBT junto aos colegas que vivenciavam o preconceito por sua orientação sexual dentro do movimento. 

Foi em uma das escolas do assentamento que Ruth concluiu o ensino fundamental. Ela afirma que, na época, as pessoas, para tratá-la de uma forma pejorativa, chamavam de Vera Verão, uma personagem de televisão vivida pelo ator Jorge Lafond .

“Mesmo que os meus detratores me chamavam assim para me diminuir, eu me reconhecia na Vera Verão com essa potência de ser quem se é, de ser uma bicha preta que afronta os padrões e as normas que tentam nos impor”, reconhece. 

No final da década de 1990 e início dos anos 2000, surgiram as primeiras ações da comunidade LGBT dentro do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra, mas apenas em 2018 fundou-se o coletivo LGBT Sem-Terra, do qual ela é uma das fundadoras.

A arte e a política

A personagem, Ruth Venceremos surgiu com um bloco de carnaval chamado Bloco das Montadas, que em 2020 contou com mais de 60 mil pessoas. Com o sucesso, também foi criado o coletivo Distrito Drag, que forma artistas e dá suporte profissional e político. “Fui atuar realmente na arte drag, como um processo de reencontro com a criança, preta, LGBT que eu fui”.

“Eu alinhei a minha luta de combate às opressões com a dimensão da arte. Vi na arte drag uma oportunidade de debater temas como o racismo, a LGBTfobia, as questões dos direitos humanos. Isso são coisas que o Erivan desmontado talvez não tenha a mesma potência, embora possa ter o mesmo conhecimento e os mesmos ideais”, afirma.

Ruth é pedagoga, formada pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). A luta por representatividade enquanto pré-candidata vem de um anseio de uma população marginalizada e desumanizada.

“Pensar que a gente pode ter no parlamento, pela primeira vez na história, uma drag queen deputada federal, só me faz ter a certeza que o nosso mandato precisa refletir os anseios de quem vem comigo: o povo negro, LGBTQIA+, os Sem Terra, todas as pessoas mais vulneráveis da nossa sociedade”, ressalta

Leia mais: PL que prevê pensão para mãe de Moïse Kabagambe tramita na Câmara

 Apoie jornalismo preto e livre!

 O funcionamento da nossa redação e a produção de conteúdos dependem do apoio de pessoas que acreditam no nosso trabalho. Boa parte da nossa renda é da arrecadação mensal de   financiamento coletivo e de outras ações com apoiadores. 

 Todo o dinheiro que entra é importante e nos ajuda a manter o pagamento da equipe e dos colaboradores em dia, a financiar os deslocamentos para as coberturas, a adquirir novos   equipamentos e a sonhar com projetos maiores para um trabalho cada vez melhor. 

 O resultado final é um jornalismo preto, livre e de qualidade.

 Acesse aqui e apoie a Alma Preta Jornalismo

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece. Se inscreva e receba nossas notícias toda semana.

VÍDEOS

rashidfala.jpg
insdefesa.jpg
devassashow.jpg
manifestantesmarchamnacn.jpg