POLíTICA / Segunda, 23 Mai 2022 15:59

PL que prevê pensão para mãe de Moïse Kabagambe tramita na Câmara

Inicia nesta segunda-feira (23) o prazo para parlamentares proporem emendas ao projeto, que está na Comissão de Seguridade Social e Família; a relatora é a deputada Jandira Feghali (PCdoB- RJ)

Texto: Thais Rodrigues | Edição: Nadine Nascimento | Imagem: Tomaz Silva / Agência Brasil

A imagem mostra a senhora Ivone, mãe me Moïse Kabagambe
Introdução:

Inicia nesta segunda-feira (23) o prazo para parlamentares proporem emendas ao projeto, que está na Comissão de Seguridade Social e Família; a relatora é a deputada Jandira Feghali (PCdoB- RJ)

Autor:

Texto: Thais Rodrigues | Edição: Nadine Nascimento | Imagem: Tomaz Silva / Agência Brasil

O Projeto de Lei (PL 161/2022) que concede pensão especial à Ivone Lotsove Lololav, mãe de Moïse Kagabambe - refugiado congolês torturado e morto em um quiosque do Rio de Janeiro (RJ) - continua em tramitação na Câmara dos Deputados. A proposta, assinada por 41 deputados federais, está na fase de apresentação de emendas na Comissão de Seguridade Social e Família (CSSF) a partir desta segunda-feira (23). 

Neste momento, a matéria, apresentada no dia 7 de fevereiro, será reavaliada pelos parlamentares e poderá sofrer diversas modificações com a incorporação de emendas. A previsão é que ela fique na CSSF por cinco sessões e o parecer final fica a cargo da relatora Jandira Feghali. Depois, o PL pode passar pelas Comissões de Finanças e Tributação e, por fim, deverá ir para a Comissão de Constituição e Justiça, antes de ir a plenário. Existe ainda a possibilidade do texto ter uma apreciação conclusiva pelas comissões e não necessitar do aval de toda Casa. 

Pelo texto, a pensão especial que ganhará a senhora Ivone LoloLay é mensal e vitalícia, “em valor atual equivalente ao limite máximo do salário de benefício do Regime Geral de Previdência Social”. Em janeiro, o teto dos benefícios pagos pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) passou a ser de R$ 7.087,22. 

"A omissão estatal em proteger a vida de uma pessoa preta, periférica e refugiada é patente neste caso e, a nosso ver, nenhuma reparação à família será suficiente, contudo, entendemos ser fundamental que o Estado brasileiro se responsabilize por auxiliar a mãe do jovem assassinado em garantir seu sustento, visto que esta era a maior preocupação da vítima", justificam os parlamentares no documento que acompanha o projeto.

Segundo os deputados, conceder a pensão à mãe é uma forma de o Estado brasileiro reconhecer que falhou no combate ao racismo e à xenofobia e na proteção à vida de Moïse Mugenyi Kabagambe. 

A pensão não pode ser transferida aos herdeiros da beneficiária, e sofrerá reajustes com os “mesmos índices e critérios estabelecidos para os benefícios” da Previdência Social. Segundo a matéria, a verba ficará a cargo do programa orçamentário Indenizações e Pensões Especiais de Responsabilidade da União.

Relembre o caso

Moïse foi morto no quiosque onde trabalhava, Tropicália, na noite do dia 24 de fevereiro, após cobrar R$ 200 do seu pagamento que estava atrasado. O caso só ganhou repercussão dias depois, quando a comunidade congolesa do Rio decidiu fazer um protesto em frente ao estabelecimento.

Moïse foi agredido por quatro homens durante 15 minutos e recebeu golpes com um bastão de madeira. Além das pancadas, os agressores o asfixiram e amarraram suas mãos e braços com cordas. 

De acordo com a Comunidade Congolesa do Rio de Janeiro, o estado tem cerca de 4 mil congoleses. Pelo menos 60% são refugiados. Moïse Kabamgabe e os quatro irmãos vieram para o Brasil em 2011 para fugir da fome e da guerra na região. A mãe, que mora em Madureira, só chegou em 2014 e sem o pai, que desapareceu nos confrontos locais.

A prefeitura e a administração da Orla, no Rio de Janeiro, tentaram, como medida reparadora, dar a concessão à família dos quiosques Tropicália e Biruta, onde o jovem trabalhava. No entanto, eles não aceitaram por medo de perseguição. 

Leia mais: Deputados e povos tradicionais criam PL que prevê reparação pela escravização

 Apoie jornalismo preto e livre!

 O funcionamento da nossa redação e a produção de conteúdos dependem do apoio de pessoas que acreditam no nosso trabalho. Boa parte da nossa renda é da arrecadação mensal de   financiamento coletivo e de outras ações com apoiadores. 

 Todo o dinheiro que entra é importante e nos ajuda a manter o pagamento da equipe e dos colaboradores em dia, a financiar os deslocamentos para as coberturas, a adquirir novos   equipamentos e a sonhar com projetos maiores para um trabalho cada vez melhor. 

 O resultado final é um jornalismo preto, livre e de qualidade.

 Acesse aqui e apoie a Alma Preta Jornalismo

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece. Se inscreva e receba nossas notícias toda semana.

VÍDEOS

camisa69anos.jpg
resindencialcambridge.jpg
rapamazonia.jpg
casoborbagato.jpg