POLíTICA / Quarta, 22 Junho 2022 12:05

PL que penaliza militares por violência doméstica enfrenta obstáculos na Câmara

O relator do PL 3634/2019, deputado Subtenente Gonzaga declarou em seu parecer que a matéria cria duas normas conflitantes, pois o Código Penal Militar já prevê penas para crimes com mais de dois anos de reclusão

Texto: Thais Rodrigues I Edição: Elias Santana Malê I Imagem: Wilson Dias / Agência Brasil

PL sobre violência domestica praticada por militares encontra barreiras na Câmara
Introdução:

O relator do PL 3634/2019, deputado Subtenente Gonzaga declarou em seu parecer que a matéria cria duas normas conflitantes, pois o Código Penal Militar já prevê penas para crimes com mais de dois anos de reclusão

Autor:

Texto: Thais Rodrigues I Edição: Elias Santana Malê I Imagem: Wilson Dias / Agência Brasil

Projeto de Lei quer modificar o Código Penal para penalizar, com a perda de posto e patente, os oficiais das Forças Armadas que forem condenados por crime de violência doméstica e familiar. A proposta, de autoria do deputado Cássio Andrade (PSB-PA), está na Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ) sob relatoria do deputado Subtenente Gonzaga (PDT-MG). 

Além dos oficiais, os praças - militares de baixa patente - serão penalizados com a exclusão da corporação. A proposta está sujeita à apreciação conclusiva pelas comissões e não precisa passar pelo plenário para ser aprovada. Em sua comissão de temática, a de Relações Exteriores e de Defesa Nacional, o PL 3634/2019 recebeu um parecer favorável, além de uma complementação. 

O relator na CCJ, Subtenente Gonzaga, declarou em seu parecer que esta matéria estaria criando duas normas conflitantes. Segundo ele, a Constituição Federal e o Código Penal Militar “já preveem a aplicação da perda de patente ou exclusão das Forças Armadas do militar que for condenado pela prática de qualquer crime com pena superior a dois anos, o que, obviamente, engloba o de violência doméstica”. 

“Não há necessidade de nova normatização, uma vez que já está disciplinado em lei, pois, se assim fosse, estaríamos criando o que é definido como antinomia jurídica, que é a presença de duas normas conflitantes, válidas e emanadas de autoridade competente, sem que se possa dizer qual delas merecerá aplicação em determinado caso concreto”, ressalta o relator em seu voto.

No entanto, para os oficiais das Forças Armadas e Forças Auxiliares, a Constituição só garante a demissão, com a perda do posto ou graduação somente por decisão de tribunal competente, que é o Tribunal Militar. Na ausência de uma instância específica, o Tribunal de Justiça é o responsável, mas eles nunca terão uma condenação automática, mesmo que transitada em julgado.

Violência contra mulheres e legislação

De acordo com o art. 5º da Lei Maria da Penha (Lei nº 11.340/2006), violência doméstica e familiar contra a mulher é “qualquer ação ou omissão baseada no gênero que lhe cause morte, lesão, sofrimento físico, sexual ou psicológico e dano moral ou patrimonial”. 

No Brasil, essa é uma realidade muito presente. Em 2015, a Lei do Feminicídio (13.104/2015) foi um marco, classificando esse tipo de violẽncia como crime hediondo. 

Segundo estudo elaborado pelo IPEC – Inteligência em Pesquisa e Consultoria, 13,4 milhões de mulheres sofreram algum tipo de violência durante a pandemia. Nesse levantamento apurou-se que 6% das mulheres brasileiras relataram ter sofrido agressão física por parte de seu namorado, companheiro ou ex, o que equivale a 5,3 milhões de mulheres de 16 anos ou mais.

Essa vulnerabilidade se torna ainda mais acentuada quando verificamos que o percentual é maior entre mulheres de 35 e 44 anos (8%), pretas e pardas (7%) e com ensino fundamental (11%). Os números são compatíveis com o perfil das vítimas de feminicídio no país, que atinge majoritariamente mulheres entre 30 e 44 anos (41,4% das vítimas) e com baixa escolaridade, conforme dados do Fórum Brasileiro de Segurança Pública.

Condenação de militares

À violência doméstica, uma vez caracterizada crime militar por agressão, pode ser aplicada a Lei Maria da Penha. De acordo com a advogada Michele Merlin, hoje é possível a garantia de medida protetiva de urgência que obriga a suspensão da posse ou restrição do porte de armas. 

Ela ressalta ainda que é possível aplicar ainda a Lei 10.826/2003, segundo a qual sua arma da corporação ou particular deve ser recolhida com intuito de evitar um mal maior por parte do agressor. Há também a previsão do afastamento do lar, domicílio ou local de convivência se determinada pela  justiça, não cabendo Habeas Corpus.

O relatório do deputado Gonzaga, então, prevê que os crimes de violência doméstica e feminicídio sejam incorporados ao Código Penal Militar, assim como o que foi previsto na Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional (CREDN). Apesar de ser um projeto de competência da União, por se tratar das Forças Armadas, constitucionalmente ele pode, também, ser atribuído ao Congresso Nacional.

Leia também: Casa de acolhimento para mulheres vítimas de violência sofre despejo no Recife

 Apoie jornalismo preto e livre!

 O funcionamento da nossa redação e a produção de conteúdos dependem do apoio de pessoas que acreditam no nosso trabalho. Boa parte da nossa renda é da arrecadação mensal de   financiamento coletivo e de outras ações com apoiadores. 

 Todo o dinheiro que entra é importante e nos ajuda a manter o pagamento da equipe e dos colaboradores em dia, a financiar os deslocamentos para as coberturas, a adquirir novos   equipamentos e a sonhar com projetos maiores para um trabalho cada vez melhor. 

 O resultado final é um jornalismo preto, livre e de qualidade.

 Acesse aqui e apoie a Alma Preta Jornalismo

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece. Se inscreva e receba nossas notícias toda semana.

VÍDEOS

memorialdasbaianas.jpg
izabelasantos02.jpg
racismoambientaltv01.jpg
iluoba.jpg