POLíTICA / Quinta, 08 Julho 2021 10:44

Líder estudantil é o mais jovem vereador negro da Câmara de Natal

Pedro Lucas Gorki é ex-presidente da União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (UBES) e assume o posto com apenas 20 anos; com 1.250 votos, o ativista ocupará a cadeira por ser o 1º suplente pelo PCdoB na capital

Texto: Victor Lacerda I Edição: Lenne Ferreira I Imagem: Divulgação

Líder estudantil é o mais jovem vereador negro da Câmara de Natal
Introdução:

Pedro Lucas Gorki é ex-presidente da União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (UBES) e assume o posto com apenas 20 anos; com 1.250 votos, o ativista ocupará a cadeira por ser o 1º suplente pelo PCdoB na capital

Texto: Victor Lacerda I Edição: Lenne Ferreira I Imagem: Divulgação

A capital potiguar, nesta semana, receberá o mandato popular mais jovem da história da Câmara de Vereadores. Como primeiro suplente do Partido Comunista do Brasil (PCdoB), o líder estudantil negro Pedro Lucas Gorki ocupará uma cadeira na casa com apenas 20 anos. Ex-presidente da União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (UBES), sua entrada foi possibilitada pela nomeação da vereadora Júlia Arruda como Secretária de Estado das Mulheres, da Juventude, da Igualdade Racial e dos Direitos Humanos.

Gorki assumirá o posto após estreia na corrida eleitoral para parlamentar do município em 2020. Com 1.250 votos nas últimas eleições, suas propostas para a cidade estão voltadas às necessidades da população jovem de periferia, o combate ao racismo nas demais esferas e à luta por uma educação pública, gratuita e de qualidade. 

O atual dirigente nacional da União da Juventude Socialista (UJS) e presidente da organização em Natal, afirma que a sua entrada na câmara simboliza um momento de ascensão das pautas sociais que ele defende ao longo de sua ainda curta trajetória. “Ser um jovem negro vereador, na cidade que é a segunda mais perigosa do Brasil para jovens como eu, é resistir e contrariar a lei do silêncio que, há anos, nos é imposta”, declara em conversa com a Alma Preta Jornalismo. 

Leia também: Vereadora negra de Natal propõe vacina de professores em meio à pressão contra volta às aulas

Questionado sobre possíveis retaliações ou discriminações a serem sofridas frente a um processo de ataques a representantes políticos de comunidades com menos representatividade no âmbito político, o mais novo parlamentar conta com uma entrada com cautela. “Mesmo antes de assumir, nosso mandato já está incomodando a elite e a fração racista e preconceituosa de Natal. Num momento como esse, de tanta polarização e tanto ódio no país, todo cuidado é pouco. Entretanto, eu me apego ao povo, às pessoas, à militância, aos movimentos. A luta popular é o avesso da solidão, e isso me deixa seguro”, finaliza. 

Enquanto líder estudantil, Gorki também foi tesoureiro da União Estadual dos Estudantes do Rio Grande do Norte (UEE/RN) e gestor da União Municipal dos Estudantes Secundaristas (UMES-RN), que celebrou a vitória, em nota veiculada nas redes sociais. “Não resta dúvidas de que Gorki desempenhará na Câmara de Natal um importantíssimo e fundamental papel na defesa da educação de qualidade. Ele será mais um porta-voz da nossa luta junto a outros vereadores e vereadoras que acreditam que é possível viver em uma cidade melhor e mais igualitária”, afirma a organização. 

A líder da Bancada de Oposição e integrante da Marcha Mundial das Mulheres, a vereadora Brisa Bracchi (PT), celebrou a chegada do ativista à câmara. “Eu tive o prazer de compartilhar diversos momentos na UBES e estivermos juntos no maior congresso de estudantes secundaristas da América Latina, o CONUBES. Sem dúvidas, construímos diversas lutas aqui em Natal e em outros lugares. Pedro Gorki é um companheiro da luta da juventude, da pauta educacional e dos direitos humanos. Eu o recebo com muita felicidade e tenho certeza que dentro do legislativo municipal  vamos construir com muita responsabilidade, diálogo e produtividade uma agenda legislativa à altura das lutas que construímos nessa caminhada conjunta”, declarou em conversa com a Alma Preta Jornalismo.

Histórico de ativismo 

Em 2019, o jovem ativista protagonizou a  articulação de campanhas a favor dos estudantes do país, como a “Tira A Mão Do Meu IF”, quando milhares estudantes foram às ruas e pediram por extinção aos cortes que ameaçavam o funcionamento das Universidades e Institutos Federais. Sua atuação seguiu no embate das posturas com a educação do Governo Bolsonaro e do Ministério da Educação. 

Já em 2020, sua atuação junto à classe estudantil ainda lhe rendeu a indicação como um dos 20 jovens de destaque para a próxima década para a Revista Veja, o único potiguar e ativista do movimento. 

Atualmente, é estudante do curso de pedagogia na Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), onde coordena o Centro Acadêmico de Pedagogia Paulo Freire. 

Leia também: Olinda aprova Estatuto de Igualdade Étnico Racial

 Apoie jornalismo preto e livre!

 O funcionamento da nossa redação e a produção de conteúdos dependem do apoio de pessoas que acreditam no nosso trabalho. Boa parte da nossa renda é da arrecadação mensal de   financiamento coletivo e de outras ações com apoiadores. 

 Todo o dinheiro que entra é importante e nos ajuda a manter o pagamento da equipe e dos colaboradores em dia, a financiar os deslocamentos para as coberturas, a adquirir novos   equipamentos e a sonhar com projetos maiores para um trabalho cada vez melhor. 

 O resultado final é um jornalismo preto, livre e de qualidade.

 Acesse aqui nosso Catarse

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece. Se inscreva e receba nossas notícias toda semana.

VÍDEOS