POLíTICA / Quinta, 28 Julho 2022 14:53

Francia Márquez debate presença de mulheres negras na política: "Queremos ser muitas"

O evento, que contou com a presença da vice-presidenta da Colômbia, aconteceu no centro do Rio de Janeiro, nesta quarta-feira (27), e contou com parlamentares e pré-candidatas às eleições de 2022, no dia em que Marielle Franco completaria 43 anos de vida

Texto: Jheniffer Ribeiro | Edição: Elias Santana Malê | Imagem: Mayara Donaria

Imagem mostra Francia Márquez, vice-presidenta da Colômbia, em encontro com parlamentares, pré-candidatas e lideranças negras.
Introdução:

O evento, que contou com a presença da vice-presidenta da Colômbia, aconteceu no centro do Rio de Janeiro, nesta quarta-feira (27), e contou com parlamentares e pré-candidatas às eleições de 2022, no dia em que Marielle Franco completaria 43 anos de vida

Autor:

Texto: Jheniffer Ribeiro | Edição: Elias Santana Malê | Imagem: Mayara Donaria

Após encontro com Lula em São Paulo, nesta quarta-feira (27), a vice-presidenta da Colômbia, Francia Márquez, se reuniu no Rio de Janeiro com um grupo de parlamentares e pré-candidatas ao legislativo nas eleições deste ano. O encontro aconteceu pela manhã e foi parte de sua agenda oficial em visita ao Brasil. Na ocasião, foram pautados o potencial de transformação que mulheres negras podem realizar através da política, as semelhanças existentes entre Brasil e Colômbia no âmbito social, além de estratégias para as eleições brasileiras.

Ao lado da vice-presidenta, estiveram na mesa as deputadas federais Benedita da Silva (PT-RJ), Talíria Petrone (PSOL-RJ), Áurea Carolina (PSOL-MG), Vivi Reis (PSOL-PA), as pré-candidatas Lucilene Kalunga (PSB-GO) e Vilma Reis (PT-BA), que estão concorrendo na esfera estadual e federal, respectivamente, além de Anielle Franco, irmã da vereadora Marielle Franco, morta em 2018. O encontro foi organizado conjuntamente pelo Instituto Marielle Franco, Instituto Ibirapitanga, Mulheres Negras Decidem, Instituto Alziras, Instituto Peregum e Rede de Mulheres Negras de Pernambuco e teve a presença da ativista e intelectual Sueli Carneiro.

Em sua primeira fala, Francia Márquez destacou a baixa representação das mulheres negras na política e afirmou que somente com mais mulheres negras eleitas é possível construir mudanças efetivas de transformação social. “Não é possível que em uma região com 200 milhões de afrodescendentes, somente 2 mulheres, em tantos anos, chegaram à vice-presidência. Não é possível que na América Latina eu seja a segunda e na Colômbia, a primeira. Temos que passar essa página, queremos ser muitas e somente assim podemos avançar nas mudanças sociais necessárias”

Leia mais: Para cada prefeita negra, foram eleitos 15 homens brancos, aponta relatório

A deputada federal e também candidata à reeleição, Talíria Petrone (PSOL-RJ), destacou em sua fala a importância da eleição de Francia Márquez para as mulheres negras latino-americanas, sobretudo aquelas que estão ocupando a política institucional. “Nós não vamos mais permitir que nenhum muro seja levantado. Nós vamos ocupar todos os espaços porque nós temos um projeto de Brasil”, disse.

Para Ana Cleia Kika, que participa da sua primeira disputa para o cargo de deputada estadual pelo PT no estado do Tocantins, a influência que a vitória da ativista colombiana tem em sua candidatura é muito potente. Ela afirma que “é poderoso ver uma mulher como a Francia eleita vice-presidenta da Colômbia porque entendo que as nossas histórias se cruzam. No Brasil, há milhares de mulheres negras com a história parecida com a dela, então, quando eu vejo que ela está ocupando esse lugar eu sinto que eu posso também.”

A pré-candidata também pontuou a importância de iniciativas de fortalecimento de candidaturas de lideranças negras, como o “Estamos Prontas'', projeto do Instituto Marielle Franco e Mulheres Negras Decidem em que participa desde o início do ano.

Parlamentares, pré-candidatas e lideranças negras se encontraram com a vice-presidenta colombiana, Francia MárquezAna Cleia Kika (a terceira da dir. p/ esq.), uma das lideranças do projeto Estamos Prontas, presente no encontro com Francia Márquez no Rio de Janeiro. | Crédito: Luna Costa

Foram discutidos também como as mulheres negras podem contribuir para o fortalecimento democrático e estratégias de impulsionamento de suas candidaturas políticas. Esse debate foi pautado através dos acúmulos e experiências construídos durante as eleições colombianas que recentemente elegeram Francia à vice-presidência e Gustavo Petro à presidência do país. As parlamentares também abordaram a confiança nos processos eleitorais na América Latina e violência política, já que o evento aconteceu no dia em que Marielle Franco completaria 43 anos de vida.

Leia mais: "Nós incomodamos": o legado de Marielle para as mulheres negras na política

Vilma Reis conversou com a reportagem da Alma Preta Jornalismo após o evento e apontou que os principais acúmulos do encontro são a afirmação e convicção de que não seja mais possível construir qualquer tipo de governo sem a presença das mulheres negras e suas radicais imaginações políticas.

“Enquanto Francia Marquez falava, todas nós ficamos arrepiadas naquela sala, porque sabemos que ela estava falando sobre uma revolução que está acontecendo nesse continente que só se realiza com a força e potência das mulheres negras. Quem pensar que é possível governar o Brasil, Colômbia ou qualquer outro país nesse continente sem contar com a nossa presença e o nosso feito político está absolutamente enganado. Hoje, mais um vez, firmamos esse pacto”, afirmou a socióloga.

Vilma Reis, socióloga e pré-candidata a deputada federal na Bahia, ao lado de Francia Márquez vice-presidente da Colômbia.Vilma Reis, socióloga e pré-candidata a deputada federal na Bahia, ao lado de Francia Márquez, vice-presidente da Colômbia. | Créditos: Luna Costa

Na parte da tarde, Francia seguiu com uma agenda com organizações de direitos humanos antes de se despedir da cidade do Rio de Janeiro.

Leia também: O governo da dignidade chegou à Colômbia

 Apoie jornalismo preto e livre!

 O funcionamento da nossa redação e a produção de conteúdos dependem do apoio de pessoas que acreditam no nosso trabalho. Boa parte da nossa renda é da arrecadação mensal de   financiamento coletivo e de outras ações com apoiadores. 

 Todo o dinheiro que entra é importante e nos ajuda a manter o pagamento da equipe e dos colaboradores em dia, a financiar os deslocamentos para as coberturas, a adquirir novos   equipamentos e a sonhar com projetos maiores para um trabalho cada vez melhor. 

 O resultado final é um jornalismo preto, livre e de qualidade.

 Acesse aqui e apoie a Alma Preta Jornalismo

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece. Se inscreva e receba nossas notícias toda semana.

VÍDEOS

camisa69anos.jpg
resindencialcambridge.jpg
rapamazonia.jpg
casoborbagato.jpg