POLíTICA / Sexta, 20 Mai 2022 14:43

Deputados e povos tradicionais criam PL que prevê reparação pela escravização

Marco Legal dos Povos e Comunidades Tradicionais de Matriz Africana (PL 1279/2022) foi assinado por 20 deputados e deputadas federais e altera o Estatuto da Igualdade Racial e o da Cidade a fim de garantir mais direitos

Texto: Thaís Rodrigues I Edição: Nadine Nascimento I Imagem: Rafael Barroso / Câmara dos Deputados

A imagem mostra povos tradicionais de matriz africana que estavavm na Câmara dos Deputados para lançamento do PL
Introdução:

Marco Legal dos Povos e Comunidades Tradicionais de Matriz Africana (PL 1279/2022) foi assinado por 20 deputados e deputadas federais e altera o Estatuto da Igualdade Racial e o da Cidade a fim de garantir mais direitos

Autor:

Texto: Thaís Rodrigues I Edição: Nadine Nascimento I Imagem: Rafael Barroso / Câmara dos Deputados

Povos de matriz africana do Brasil, juntamente com 20 deputados federais, protocolaram o Marco Legal dos Povos e Comunidades Tradicionais de Matriz Africana (PL 1279/2022). Em suas 20 páginas, o PL exige que o Estado estabeleça políticas públicas e adote ações afirmativas para a sobrevivência e manutenção da cultura dessa população. 

A matéria reconhece a contribuição dos povos de matriz africana na construção do Brasil, prevê a valorização da ancestralidade que estabelece vínculos com o continente africano e impõe que o poder público faça a reparação pelo crime contra a humanidade que foi a escravização. “Pelas violações de direitos civis, sociais, políticos, culturais e econômicos dela decorrentes [do processo de escravização] cometidas pelo Estado Brasileiro, por pessoas físicas e por instituições da sociedade”, expressa o texto.

Protocolado no dia 17 de maio, o PL complementa legislação que garante direitos individuais e coletivos à comunidade negra brasileira e que combate a discriminação racial e a intolerância religiosa. Ele exige que o Estado elabore um Plano Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais. Além de capacitar os servidores públicos, defensores, agentes do direito e da segurança pública na defesa dos direitos dessa população. 

Segundo o matéria, os poderes devem realizar campanhas de valorização da ancestralidade africana, garantir segurança e soberania alimentar de cada povo. Também versa sobre combate à intolerância e endossa a necessidade de uma saúde pública e que comporte as diversidades.  

Regina Nogueira, conhecida como Kota Mulanji afirma que este é um marco que deveria ter sido feito em 14 de maio de 1888, um dia após a chamada proclamação da abolição inconclusa. “As pessoas escravizadas vieram de um continente, tem os seus costumes, suas tradições, sua ancestralidade e agora nós o reparamos, não o libertamos, nós o reparamos com o reconhecimento enquanto gente. Esse reconhecimento demorou 134 para acontecer e nós ainda temos que disputar, aqui na Câmara, a sua aprovação”, ressaltou a coordenadora nacional do Fórum Nacionail de Segurança Alimentar e Nutricional dos Povos Tradicionais de Matriz Africana (Fonsanpotma). 

Já Daniel Kibuko, integrante do movimento de Povos Tradicionais de Matriz Africana do Distrito Federal (DF) disse que este PL é muito mais que denúncia contra o racismo religioso, é um passo fundamental na luta pelo reconhecimento enquanto povos tradicionais.

“Muito além da simples defesa por uma liberdade de culto, reivindicamos do Estado brasileiro que nos reconheça na complexidade e integralidade daquilo que somos de fato: herdeiros e continuadores das tradições das nossas matrizes africanas. Povos na sua acepção completa: portadores de línguas próprias, cultura alimentar, formas específicas de organização e reprodução social. Não tenho dúvidas que esse é um debate fundamental na luta por superação do racismo estrutural”, exclamou o coordenador do núcleo de Combate ao Racismo do PT, no DF. 

Leia mais: Senado Federal pressiona Câmara para votar pautas antirracistas

 Apoie jornalismo preto e livre!

 O funcionamento da nossa redação e a produção de conteúdos dependem do apoio de pessoas que acreditam no nosso trabalho. Boa parte da nossa renda é da arrecadação mensal de   financiamento coletivo e de outras ações com apoiadores. 

 Todo o dinheiro que entra é importante e nos ajuda a manter o pagamento da equipe e dos colaboradores em dia, a financiar os deslocamentos para as coberturas, a adquirir novos   equipamentos e a sonhar com projetos maiores para um trabalho cada vez melhor. 

 O resultado final é um jornalismo preto, livre e de qualidade.

 Acesse aqui e apoie a Alma Preta Jornalismo

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece. Se inscreva e receba nossas notícias toda semana.

VÍDEOS

rashidfala.jpg
insdefesa.jpg
devassashow.jpg
manifestantesmarchamnacn.jpg