POLíTICA / Quarta, 01 Dezembro 2021 10:35

Câmara aprova projeto que aumenta o rigor contra crimes de injúria racial no Brasil

PL é de 2015 e determina que a injúria racial em local público é um fator agravante; a lei em vigor tem pena máxima de três anos, proposta dos legisladores aumenta para dois a cinco anos

Texto: Redação I Imagem: Câmara dos Deputados

tia eron deputada federal
Introdução:

PL é de 2015 e determina que a injúria racial em local público é um fator agravante; a lei em vigor tem pena máxima de três anos, proposta dos legisladores aumenta para dois a cinco anos

Texto: Redação I Imagem: Câmara dos Deputados

Após seis anos de tramitação, a Câmara dos Deputados aprovou o projeto de lei que amplia a pena e trata com mais rigor os casos de injúria racial. Para virar lei, definitivamente, a proposta ainda precisa passar pelo Senado. Além disso, a mudança na tipificação da injúria racial irá precisar do aval do presidente da República, que pode vetar a alteração.

O crime de racismo, com pena maior, é caracterizado quando alguém ou uma empresa faz um ataque contra uma etnia, uma raça, etc. Já a injúria racial é quando a agressão ou a ofensa é direcionada a uma pessoa e, neste caso, a pena é menor.

A proposta do projeto de lei 1749/15, da deputada Tia Eron (Republicanos-BA) e do ex-deputado Bebeto (na época do PSB), protocolado em maio de 2015, é que os casos de injúria racial que acontecem em locais públicos devem ter uma pena maior: de dois a cinco anos. A injúria racial, sem a tipificação do local onde aconteceu, tem pena de um a três anos.

O texto aprovado na noite desta terça-feira (30), encerrando o Mês da Consciência Negra, é um substitutivo apresentado pelo deputado Antonio Brito (PSD-BA), que ressalta que o enquadramento depende depende do uso de elementos referentes a raça, cor, etnia, religião ou procedência nacional.

O projeto não altera o Código Penal, que irá continuar com os artigos que diferenciam a injúria racial e o racismo, porém, muda a lei 7.716/89, a lei do preconceito racial, também conhecida como Lei Caó, em homenagem ao congressista Carlos Alberto Caó de Oliveira, militante negro e ex-deputado federal pelo Rio de Janeiro.

A deputada baiana Tia Eron comentou a aprovação da proposta. “A injúria racial, quando praticada em locais públicos ou privados abertos ao público, atinge a honra de toda uma coletividade de pessoas que compartilham a mesma cor, raça ou etnia, atentando contra os princípios básicos de civilidade. Não há uma pessoa desta coletividade que não se sinta atingida”.

Comissão

Em sessão solene, também nesta terça-feira, foi apresentado o relatório com as propostas de mudanças na legislação para a promoção de ações antirracistas no Brasil. O relator da comissão é o advogado Silvio Almeida.

Entre as políticas propostas, estão a renovação do período de validade das cotas nas universidades, cuja vigência se encerra em 2022, a implementação de mecanismos de avaliação perene das políticas de combate ao racismo, a criação de um protocolo de promoção da igualdade a ser cumprido por todos os órgãos da administração pública brasileira e o aumento dos recursos orçamentários para a política de combate ao racismo institucional.

A comissão é formada por 20 juristas negros e foi instalada em janeiro, a partir de sugestão do deputado Orlando Silva (PCdoB-SP), que, em comissão externa, acompanhou a investigação da morte de João Alberto Silveira Freitas, assassinado por seguranças em uma loja do supermercado Carrefour, em Porto Alegre (RS), no dia 19 de novembro de 2020.

 Apoie jornalismo preto e livre!

 O funcionamento da nossa redação e a produção de conteúdos dependem do apoio de pessoas que acreditam no nosso trabalho. Boa parte da nossa renda é da arrecadação mensal de   financiamento coletivo e de outras ações com apoiadores. 

 Todo o dinheiro que entra é importante e nos ajuda a manter o pagamento da equipe e dos colaboradores em dia, a financiar os deslocamentos para as coberturas, a adquirir novos   equipamentos e a sonhar com projetos maiores para um trabalho cada vez melhor. 

 O resultado final é um jornalismo preto, livre e de qualidade.

 Acesse aqui e apoie a Alma Preta Jornalismo

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece. Se inscreva e receba nossas notícias toda semana.

VÍDEOS

rashidfala.jpg
insdefesa.jpg
devassashow.jpg
manifestantesmarchamnacn.jpg