CULTURA / Segunda, 15 Março 2021 13:31

Samba de Dandara materializa ancestralidade e protagonismo feminino em primeiro álbum autoral

Após quatro singles lançados no decorrer de 2020, roda composta por mulheres apresenta ao público primeiro disco em kits compostos por produtos personalizados

Texto: Redação | Imagem: Daniel Oliveira

samba
Introdução:

Após quatro singles lançados no decorrer de 2020, roda composta por mulheres apresenta ao público primeiro disco em kits compostos por produtos personalizados

Texto: Redação | Imagem: Daniel Oliveira

Após oito anos de trajetória por espaços cativos do samba paulista, o Samba de Dandara, roda composta apenas por mulheres, lança seu primeiro álbum autoral, homônimo. Disponível em pré-venda, o álbum reúne 14 faixas inéditas, que contemplam canções autorais e de compositoras contemporâneas da cena de São Paulo, além de contar com participações especiais de nomes como Fabiana Cozza e Raquel Tobias.

Em seu primeiro trabalho, a banda materializa a identidade que resume sua fundação em um projeto pautado na ancestralidade e no protagonismo feminino. Além disso, discute sobre os espaços ocupados pelas mulheres na sociedade de modo geral e, especificamente, no samba. Com letras marcadas pela luta sociopolítica feminina e pela valorização das tradições negras brasileiras, o trabalho explora diferentes linguagens e vertentes do samba, como ijexás, samba de roda, samba rural e partido alto.

A tradução desses conceitos em imagem foi realizada pelo designer gráfico e ilustrador Elifas Andreato, que assina a arte da capa, e por sua filha, a artista visual Laura Andreato, responsável pelo projeto gráfico.

"O samba, símbolo de resistência da cultura negra, é historicamente protagonizado por homens, sendo reservados às mulheres o canto, o coro ou a dança", comenta Maíra da Rosa, vocalista do grupo. "Além de resgatar a história de mulheres que nos antecederam, buscamos abrir novos caminhos, fortalecer o repertório de nossas integrantes, além de construir com este trabalho um instrumento de enaltecimento do samba paulista, de luta política por direitos sociais e da mulher e de valorização das manifestações culturais e rítmicas de origem africana", complementa.

Participaram do processo de gravação do disco mais de trinta mulheres entre cantoras, arranjadoras, compositoras, instrumentistas e equipe de produção.

Conceito

Com a oração "A Força da Mulemba", da cantora Maria Helena, embaixatriz do samba paulistano, abre-se o disco cujo repertório pode ser dividido entre o mundo material (ou Ayê, em iorubá) e o mundo espiritual (ou Orum). "Quilombo" (Jacke Severina e Maíra da Rosa), terceira faixa do disco, resgata e homenageia a força dos quilombos e abre espaço para canções que afirmam o lugar da mulher na música e no samba; "Samba à Toa" (Maíra da Rosa) homenageia as mulheres que têm o samba como ofício; "Para Amélia e Emília" (Maira Ranzeiro) faz referência a sambas que se consagraram na história, porém com letras que subjugam as mulheres; "Pé de Moça" (Maíra da Rosa, Mariana Rhormens e Felipe Matheus) destaca a aliança entre as mulheres.

A faixa seguinte, o samba rural "Estrela Negra" (Laís Oliveira, Karina Adorno e Renato Dias) homenageia Dona Anicide Toledo, matriarca do batuque de umbigada. Também têm mulheres como personagens principais as faixas "Menina Guerreira" (Maíra da Rosa, Mariana Rhormens e Felipe Matheus), uma homenagem às mães, e "Pranto de Carnaval" (Aninha Batucada, Lucas Laganaro e Renato Dias), um causo bem-humorado de carnaval. Completam a primeira parte do disco "Canta", de Carol Nascimento, e "Estação Crise", de Laurinha Guimarães.

O samba enredo "Entre o Ayê e o Orum" (Maíra da Rosa) marca a segunda etapa do álbum, resgatando as influências religiosas e ancestrais do grupo, complementado por "Artimanhas" (Raquel Tobias) e "Xaxado pra Iansã" (Mariana Rhormens e Alisson Lima). Para fechar o disco, a faixa bônus "Dandaras, Filhas de Akotirenes" (Maíra da Rosa e Mariana Rhormens) é uma saudação aos quilombos urbanos e ao carnaval paulista que reivindica o direito de ocupar a rua, trazendo como convidadas as mulheres do Bloco Afro Ilú Oba De Min e da baixista Ana Karina Sebastião.

Samba

Foto: Nathalie Portela

Participações

Com produção executiva de Amanda Lima, quem assina a direção musical é o violonista Samuel da Silva, que coordenou a flautista Angela Coltri e o percussionista Júlio César na elaboração dos arranjos de sopro e percussão, respectivamente. Entre as cantoras convidadas para participar do disco estão Maria Helena Embaixatriz em "A Força da Mulemba", Fabiana Cozza em "Quilombo" e Raquel Tobias em "Artimanhas". Amanda Lima, Aninha Batucada, Camila Trindade, Jana Cunha, Karina Oliveira, Paulinha Sanches, Railídia, Raquel Tobias e Roberta Oliveira, parceiras da banda, foram responsáveis pelos coros.

O disco recebeu ainda participações das percussionistas Ligia Fiocco, Monalisa Madalena, Roberta Kelly e Xeina Barros, além da clarinetista Laura Santos, da violonista Fernanda Araújo, da cavaquinista e banjoísta Kelly Adolpho, da cavaquinista Camila Silva e da sanfoneira Cimara Fróis. Angela Coltri, que participou da criação dos arranjos de flautas, também fez parte das gravações, assim como Samuel da Silva, no violão sete cordas.

Entre março e abril, interessados em ter contato com o álbum na íntegra, em primeira mão, poderão adquirir kits promocionais a partir das redes sociais do grupo. Além do CD, os primeiros ouvintes levam ecobags, camisetas e outros produtos desenvolvidos a partir da identidade visual do disco pela ilustradora e designer Nathalie Portela.

Os kits são limitados e fazem parte da estratégia da banda para aproximar o público do projeto e suprir a impossibilidade de apresentar as canções presencialmente. Após a pré-venda, o disco "Samba de Dandara" será disponibilizado em todas as plataformas digitais a partir de 7 de maio de 2021. Mais informações sobre o pré-lançamento estão disponíveis no Instagram da banda.

 Apoie jornalismo preto e livre!

 O funcionamento da nossa redação e a produção de conteúdos dependem do apoio de pessoas que acreditam no nosso trabalho. Boa parte da nossa renda é da arrecadação mensal de   financiamento coletivo e de outras ações com apoiadores. 

 Todo o dinheiro que entra é importante e nos ajuda a manter o pagamento da equipe e dos colaboradores em dia, a financiar os deslocamentos para as coberturas, a adquirir novos   equipamentos e a sonhar com projetos maiores para um trabalho cada vez melhor. 

 O resultado final é um jornalismo preto, livre e de qualidade.

 Acesse aqui nosso Catarse

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece. Se inscreva e receba nossas notícias toda semana.

VÍDEOS

juventudeeracismo.jpg
boletim39.jpg
ccsp.jpg
umanobetofreitas.jpg