CULTURA / Quarta, 13 Abril 2022 16:32

Rio de Janeiro vai mapear roteiros turísticos de cultura negra

Iniciativa voltada a circuitos de base comunitária também vai oferecer atividades de profissionalização a instituições participantes

Texto: Redação | Foto: Marcelo Piu/Prefeitura do Rio de Janeiro

Imagem mostra Cais do Valongo, no Rio de Janeiro.
Introdução:

Iniciativa voltada a circuitos de base comunitária também vai oferecer atividades de profissionalização a instituições participantes

Autor:

Texto: Redação | Foto: Marcelo Piu/Prefeitura do Rio de Janeiro

A Prefeitura do Rio de Janeiro publicou neste mês um decreto que estabelece a criação de uma iniciativa para reunir circuitos turísticos relacionados à cultura negra e oferecer atividades profissionalizantes a guias comunitários.

Os roteiros, que serão compilados pela Rede Afro-Carioca de Turismo - Rio: a Pequena África Brasileira, deverão ter base comunitária e incluir terreiros, pontos de gastronomia negra, quilombos, rodas de samba, grupos e centros de capoeira, funk, maracatu e outras danças afro-brasileiras

Também poderão fazer parte blocos carnavalescos, escolas de samba, rodas de rima e projetos ligados às artes visuais, cinema, teatro, literatura e favelas.

“O Rio é uma cidade que vive, pulsa e exala sua negritude. A cultura negra é um dos principais elementos formadores da identidade carioca, e diversas instituições da sociedade civil a têm resguardado por meio de projetos de turismo comunitário. Queremos mostrar que a cidade vai muito além do eixo centro-zona sul: nossos subúrbios, nossas vielas também são turísticos”, destaca Jorge Freire, coordenador executivo de Promoção da Igualdade Racial.

Além de identificar, mapear e divulgar os circuitos turísticos, a gestão municipal também promete oferecer atividades de profissionalização para os guias comunitários que atuam nas instituições membros da Rede.

O objetivo da ação é estimular a geração de renda e instrumentalizar a população que atua com o turismo comunitário.

“A Rede permite valorizar e divulgar ao carioca e ao visitante todos os nossos pontos conectados à herança africana. Isso descentraliza nosso turismo e gera emprego e renda no subúrbio. Além disso, os locais irão se fortalecer mutuamente e nossa secretaria irá apoiar com capacitação aqueles que recebem os turistas em cada espaço”, ressalta o secretário municipal de Turismo Antônio Mariano.

Desde o início do mês, a prefeitura realiza um cadastro de iniciativas interessadas em fazer parte da rede. Cerca de 50 instituições já foram cadastradas.

Leia também:  Mercado Casarão recria experiência africana de desenvolvimento coletivo

 Apoie jornalismo preto e livre!

 O funcionamento da nossa redação e a produção de conteúdos dependem do apoio de pessoas que acreditam no nosso trabalho. Boa parte da nossa renda é da arrecadação mensal de   financiamento coletivo e de outras ações com apoiadores. 

 Todo o dinheiro que entra é importante e nos ajuda a manter o pagamento da equipe e dos colaboradores em dia, a financiar os deslocamentos para as coberturas, a adquirir novos   equipamentos e a sonhar com projetos maiores para um trabalho cada vez melhor. 

 O resultado final é um jornalismo preto, livre e de qualidade.

 Acesse aqui e apoie a Alma Preta Jornalismo

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece. Se inscreva e receba nossas notícias toda semana.

VÍDEOS

melly.jpg
cafe.jpg
entrevistalazaroramos.jpg
lucaskinte.jpg