CULTURA / Sexta, 12 Novembro 2021 21:11

Rapper Samora N’zinga lança álbum com músicas sobre a crise ambiental

"O rap, conhecido pela presença de pautas sociais em suas obras, não tem dado a devida atenção para essa questão”, afirma  N’zinga; ‘Amor e Fim do Mundo’ tem 10 faixas com letras que refletem sobre amor, ancestralidade e sustentabilidade;

Texto: Letícia Fialho | Edição: Nadine Nascimento | Imagem: Divulgação

 

Foto do rapper Samora N'zinga
Introdução:

"O rap, conhecido pela presença de pautas sociais em suas obras, não tem dado a devida atenção para essa questão”, afirma  N’zinga; ‘Amor e Fim do Mundo’ tem 10 faixas com letras que refletem sobre amor, ancestralidade e sustentabilidade;

Texto: Letícia Fialho | Edição: Nadine Nascimento | Imagem: Divulgação

 

Em seu terceiro álbum, Samora N’zinga brinca com os contrastes estéticos e conceituais por meio de letras que falam ao mesmo tempo sobre amores e distopias no Brasil de 2021. O álbum, que propõe uma reflexão sobre a crise ambiental, política, sanitária e econômica, foi lançado no Dia Mundial do Hip Hop, em 12 de novembro. 

Samora possui formação em Ciências Socioambientais: “O maior conflito que a gente vive hoje, a grande questão da nossa geração, é justamente o meio ambiente, e isso parece que está sendo negligenciado pelas artes. E o rap, conhecido pela presença de pautas sociais em suas obras, não tem dado a devida atenção para essa questão”, ressalta. 

Musicalmente, Samora N’zinga dá continuidade à sua jornada de retorno às raízes musicais do afro trap com uma proposta que mistura o afrobeat com o Trap das ruas de Belo Horizonte.

“O álbum inteiro foi construído em cima de uma narrativa. A música ‘Chuva’ fala muito sobre a crise climática e barragens de rejeitos. E dialoga com a minha vivência em um município minerador. Vejo minhas memórias de infância potencialmente sendo destruídas por lama de minério. A faixa carrega melancolia e um grito pra gente não perder a esperança”, reflete N’zinga. 

O rapper, além de falar sobre a destruição ambiental, reflete sobre outros valores, como os das comunidades de terreiros de candomblé, umbanda para a preservação do meio ambiente. A primeira faixa do álbum chamada ‘Uma flecha’ fala sobre a sabedoria dos povos tradicionais, indígenas e quilombolas. 

Ainda serão lançados os videoclipes das músicas 'Mago das Ruas' e 'Tô Suave' nos dias 19 e 26 de novembro, respectivamente. 

Em 'Mago das Ruas', o personagem, incorporado por Samora N’zinga, vive em um local longe da cidade e, quando chega nela, se depara com pessoas depressivas, viciadas em celulares e doentes com a pandemia. Já o videoclipe de 'Tô Suave', assume o papel de futuro alternativo da narrativa anterior, na qual o indivíduo, ao mesmo tempo em que se liberta das questões outrora citadas, percebe que após a transformação desse ambiente, o mundo jamais será o mesmo. A inspiração para essa faixa e vídeo vieram da sua infância em Itabirito.

“Eu fui criado em um município minerador, que tem  ao mesmo tempo muitas belezas, que tem muita destruição também, e esse clipe fala muito disso, desse contraste. A música é como a conclusão do conflito”, afirma. 

Carreira 

Em 2011, Samora inicia sua trajetória como Rapper. Como MC de Batalhas recebeu mais de 100 títulos, dentre eles: Campeão do Duelo de MC’s (Belo Horizonte, MG), Batalha do Ded (Natal, RN), Batalha da Concha Acústica (Campinas, SP), Roda do Santa Cruz (São Paulo Capital) e outras. 

Em 2016, lançou seu primeiro disco, Primeiro Plano, e no mesmo ano fez parte do grupo Rumo Certo MC 's. Além de fazer alguns shows por todo território nacional, lançou o livro 'Viva em Versos' pelo Rumo Certo MC 's, em 2017. Ano que fez turnê em Moçambique e lançou um videoclipe que recebe o nome de 'País' e soma mais de 70 mil visualizações no Youtube. 

E depois de retornar do continente africano, em 2019, lançou seu segundo disco, 'D.A.A.T', com participação de rappers como Djonga e apresentações no Mineirão, Virada Cultural de BH, Duelo de MC 's Nacional, YBY Festival e Azedinho. Com a chegada da pandemia, participou do quadro #VaiSerRimando com Emicida, no Twitch do Lab Fantasma. Participou ainda de vários shows online como o Música Mundo Conecta, Festival Hip House, e Arte com Respiro, do Itaú Cultural, e lançou dois clipes: o 'Tudo que vivemos' e 'Revigora'. 

Leia também: 'É uma luta de quase 20 anos': Bahia terá sede exclusiva do Hip-Hop

 Apoie jornalismo preto e livre!

 O funcionamento da nossa redação e a produção de conteúdos dependem do apoio de pessoas que acreditam no nosso trabalho. Boa parte da nossa renda é da arrecadação mensal de   financiamento coletivo e de outras ações com apoiadores. 

 Todo o dinheiro que entra é importante e nos ajuda a manter o pagamento da equipe e dos colaboradores em dia, a financiar os deslocamentos para as coberturas, a adquirir novos   equipamentos e a sonhar com projetos maiores para um trabalho cada vez melhor. 

 O resultado final é um jornalismo preto, livre e de qualidade.

 Acesse aqui e apoie a Alma Preta Jornalismo

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece. Se inscreva e receba nossas notícias toda semana.

VÍDEOS

melly.jpg
cafe.jpg
entrevistalazaroramos.jpg
lucaskinte.jpg