CULTURA / Segunda, 17 Abril 2017 12:12

Lançamento da Websérie "Quando Zumbi Chegar" acontece no CineOlido

“Quando Zumbi Chegar” reúne lideranças quilombolas e indígena em ciclo de debates sobre o direito à terra, ativismo e identidades. Filmagens aconteceram durante as celebrações do dia 20 de Novembro de 2014.

Texto / Maitê Freitas
Imagem / Divulgação

No dia 18 de Abril, terça-feira, acontece o lançamento da Websérie "Quando Zumbi Chegar". O evento é realizado pelo Centro de Pesquisa e Formação do SESC-SP, autor do curso "Quando Zumbi chegar: entre experiências quilombolas e movimentos sociais de hoje". A exibição antecede um ciclo de diálogos que foca nas relações históricas dos quilombos com as cidades e o direito de existir das populações negras e indígenas: seja nas cidades, seja nos quilombos.

Ao lado de pesquisadores e lideranças sociais (quilombolas e indígenas), o ciclo reúne ativistas de outras localidades, expandindo a reflexão e as relações do direito à terra e a existência dos povos quilombolas, indígenas seja no meio rural, seja no meio urbano.

banner textos assinaturas

Dividido em três eixos temáticos, no dia 18 de abril, o encontro refletirá sobre como a criação de heróis e mitos contribuem às lutas do movimentos sociais e à construção das identidades e da memória da população negra, com a participação do historiador e babalorixá Célio Rodrigues, da pesquisadora Rute Costa e mediação do pesquisador Salloma Salomão.

No dia 25 de abril, a filósofa Djamila Ribeiro media o encontro que abordará a presença feminina nas formações dos quilombos, ao lado da ativista paulistana Joice Berth e da ativista pernambucana Lourdinha Silva.

Encerrando o encontro, no dia 2 de maio, as relações da demarcação de terra com a gentrificação nas cidades serão debatidas na mesa composta pelo geografo Alex Ratts e as lideranças Jerá Poty Miri (Aldeia Tenondé Porã - SP) e Carmen Silva do Movimento Sem-Teto do Centro.

A programação faz parte do lançamento da websérie "Quando Zumbi Chegar", realizado na Serra da Barriga e no Quilombo do Muquém (AL), em 2014, coordenada pela jornalista Maitê Freitas em parceria com os fotógrafos Fernando Solidade, Leonardo Galina e Rogério Pixote, e a atriz Daniela Evelise.

No mesmo dia da abertura do ciclo, no dia 18 de abril, às 19h30 acontece o lançamento e exibição completa da primeira temporada da websérie, no Cine Olido, com entrada gratuita e a presença da equipe produtora da série.

Programação completa

18/04. Quando Zumbi Chegar: o mito, a história e a consciência política na formação racial brasileira

Quem foi Zumbi? Este encontro tem como objetivo refletir sobre como a criação de heróis e mitos contribuem às lutas dos movimentos negros e a construção de identidade da população negra na sociedade brasileira.

Com Pai Célio e Rute Costa. Mediação: Salloma Salomão.

25/04. De Dandara à Beatriz Nascimento: o pensamento feminista na formação dos quilombos

A história oficial apagou dos livros a presença das mulheres na formação e na liderança de Palmares. Este encontro tem como foco explicitar como os quilombos refletem uma organização feminista e matriarcal.

Com Joice Berth e Lourdinha Silva . Mediação: Djamila Ribeiro.

02/05. Quilombagem: as relações da demarcação de terra com a gentrificação nas cidades

Este diálogo proporá uma reflexão sobre as relações do processo de demarcação de terra quilombolas e indígenas, a luta por terra e a preservação do direito à moradia e à existência.

Com Jerá Poty Miri e Carmem Silva: Mediação: Alex Ratts .

*A cada encontro será exibido um episódio da série com apresentação de Maitê
Freitas .

As inscrições pela internet podem ser realizadas até um dia antes do início da atividade. Após esse período, caso ainda haja vagas, é possível se inscrever pessoalmente em todas as unidades. Após o início da atividade não é possível realizar inscrição.

Serviço Centro de Pesquisa e Formação

 

 Apoie jornalismo preto e livre!

 O funcionamento da nossa redação e a produção de conteúdos dependem do apoio de pessoas que acreditam no nosso trabalho. Boa parte da nossa renda é da arrecadação mensal de   financiamento coletivo e de outras ações com apoiadores. 

 Todo o dinheiro que entra é importante e nos ajuda a manter o pagamento da equipe e dos colaboradores em dia, a financiar os deslocamentos para as coberturas, a adquirir novos   equipamentos e a sonhar com projetos maiores para um trabalho cada vez melhor. 

 O resultado final é um jornalismo preto, livre e de qualidade.

 Acesse aqui nosso Catarse

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece. Se inscreva e receba nossas notícias toda semana.

VÍDEOS

ileaiyeemsalvador.jpg
juventudeeracismo.jpg
boletim39.jpg
ccsp.jpg