CULTURA / Sexta, 03 Junho 2022 11:20

Identidade: barbeiros contam como a profissão tem ressignificado a cultura das favelas

As barbearias, antes um espaço liderado majoritariamente por homens mais velhos, cada vez mais tem atraído o público mais jovem, que busca por autonomia financeira e uma alternativa para o mercado formal de trabalho

 

Texto: Dindara Ribeiro | Edição: Nadine Nascimento | Foto: Willyam Nascimento

Imagem enquadra dois jovens negros em perfil com desenhos na lateral da cabeça
Introdução:

As barbearias, antes um espaço liderado majoritariamente por homens mais velhos, cada vez mais tem atraído o público mais jovem, que busca por autonomia financeira e uma alternativa para o mercado formal de trabalho

 

Autor:

Texto: Dindara Ribeiro | Edição: Nadine Nascimento | Foto: Willyam Nascimento

Do "bigodin finin" ao "cabelin na régua"*, os barbeiros oferecem variados estilos de cortes que fazem a cabeça dos jovens nas periferias, como o famoso “Loiro pivete” e o "Freestyle".

A estética, criada nas comunidades, ainda hoje é marginalizada mas tem sido ressignificada por barbeiros que veem na profissão uma oportunidade de valorizar e expandir a cultura da favela, como conta o barbeiro Yudi Frttz, do bairro de Pau da Lima, em Salvador.

"O que eu venho fazendo com o meu trabalho é tentar ressignificar isso. A gente tenta sempre usar esses cortes, essa estética que, de certa forma, faz parte da identidade da periferia e o que a gente faz é abraçar isso como nosso", explica Frttz.

Yudi Frttz tinha apenas cinco anos quando teve contato com a barbearia. Foi por meio do pai, Dhotta, que nutriu a paixão pela profissão e enxerga nesse espaço uma forma de salvaguardar uma relação ancestral, de afeto e cuidado entre as pessoas negras. "Compreendo a minha profissão como um trabalho de transformação e de afetividade", pontua o barbeiro.

yudi 2"Compreendo a minha profissão como um trabalho de transformação e de afetividade" | Foto: Foto: Willyam Nascimento

Considerada como uma das profissões mais antigas do mundo, ainda hoje os barbeiros são figuras de confiança e respeito. A eles é dada a confiança de mexer na cabeça, o que para as religiões de matriz africana representa a segurança de manusear o ponto de maior ligação espiritual do corpo.

Leia também: ‘O cabelo crespo faz parte da realeza dos homens negros‘, define barbeiro

Para Yudi, apesar da importância histórica e visibilidade que os barbeiros das comunidades têm conquistado, ainda há uma apropriação da estética dos jovens das periferias por espaços elitizados.

"Tem um esvaziamento do significado e é bem triste porque eles fazem as coisas de uma maneira que transformam aquilo em lucro, em algo "bonito" para eles, enquanto quando a gente usa somos criminalizados, marginalizados", ressalta.

Autonomia

As barbearias, que antes era um espaço liderado majoritariamente por homens mais velhos, cada vez mais tem atraído o público mais jovem, que busca por autonomia financeira e uma alternativa para além do mercado formal de trabalho.

Foi o que aconteceu com o barbeiro Alisson Jordan. Morador do bairro de Paripe, região do subúrbio de Salvador, ele se encontrou sem caminhos quando foi demitido do trabalho, em 2017.

Sem encontrar emprego, decidiu investir o dinheiro que tinha recebido do antigo trabalho em um curso profissionalizante para atuar como barbeiro. Além da independência financeira, Jordan conta que o interesse do público mais jovem pela barbearia também se dá pela busca de um cuidado com a beleza e faz parte de uma cultura criada nas comunidades.

"Foram as comunidades que trouxeram essa cultura de que você tem que estar 'alinhado'. Para onde você sai, você tem que estar 'alinhado', com o cabelo na 'régua', então isso fez com que muitos jovens tivessem interesse em conhecer a profissão e entrar no ramo", explica o barbeiro.

al jordan 2‘Foram as comunidades que trouxeram essa cultura de que você tem que estar 'alinhado', com o cabelo na 'régua' | Foto: Arquivo Pessoal

Para o proprietário do "Jordan Corts", a barbearia é um local de união e acolhimento entre as pessoas que vivem nas comunidades.

"Barbearia para mim é tudo. Levando em consideração o lado financeiro, é ela que me dá um certo conforto, uma comodidade, além de estar fazendo com que eu conquiste algumas coisas. Além disso, a barbearia representa a união, ela tem esse lado acolhedor, tanto de mim para os meus clientes como dos clientes para outros clientes", completa.

Já para o barbeiro Júnior Ferreira, também do subúrbio de Salvador, a profissão é uma aliada na transformação social da comunidade. No ramo há oito anos, Júnior decidiu criar um projeto social com objetivo de oferecer aulas gratuitas de barbearias para os jovens, o Instituto Júnior Ferreira.

Com um ano e meio, o projeto já formou 15 jovens barbeiros das comunidades de Salvador e oferece certificado válido em todo o Brasil, além de indicação de estágio.

jr ferreiraJúnior Ferreira | Foto: Instagram/@imperio.do.corte

Além de incentivar uma maior autonomia nas quebradas, Júnior completa que o projeto "vai além de ensinar a cortar um cabelo, é uma ação de mudar vidas", finaliza.

Leia também: Barbeiragem: muito mais entre as mãos do condutor e a arte na cabeça

*Em referência ao bordão criado pelo MC Kallebe, de 15 anos, que viralizou nas redes sociais em 2018 e ganhou sucesso nas letras de funk. O jovem morreu em 2020 após se afogar no rio Ururaí, em Campos dos Goytacazes, no Rio de Janeiro.

 Apoie jornalismo preto e livre!

 O funcionamento da nossa redação e a produção de conteúdos dependem do apoio de pessoas que acreditam no nosso trabalho. Boa parte da nossa renda é da arrecadação mensal de   financiamento coletivo e de outras ações com apoiadores. 

 Todo o dinheiro que entra é importante e nos ajuda a manter o pagamento da equipe e dos colaboradores em dia, a financiar os deslocamentos para as coberturas, a adquirir novos   equipamentos e a sonhar com projetos maiores para um trabalho cada vez melhor. 

 O resultado final é um jornalismo preto, livre e de qualidade.

 Acesse aqui e apoie a Alma Preta Jornalismo

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece. Se inscreva e receba nossas notícias toda semana.

VÍDEOS

memorialdasbaianas.jpg
izabelasantos02.jpg
racismoambientaltv01.jpg
iluoba.jpg