CULTURA / Sexta, 02 Julho 2021 12:16

Websérie "Contando a História do Samba" homenageia personalidades de Pernambuco

O projeto documenta e ressalta as contribuições de nomes que fortalecerem a cultura popular local por meio do ritmo; idealizado e dirigido pela produtora cultural Gabriela Apolonio, a websérie estreou nesta semana com 11 episódios 

Texto: Victor Lacerda I Edição: Lenne Ferreira I Images: Divulgação/Nilton Pereira 

História de quem faz o samba acontecer em Pernambuco é tema de websérie
Introdução:

O projeto documenta e ressalta as contribuições de nomes que fortalecerem a cultura popular local por meio do ritmo; idealizado e dirigido pela produtora cultural Gabriela Apolonio, a websérie estreou nesta semana com 11 episódios 

Texto: Victor Lacerda I Edição: Lenne Ferreira I Images: Divulgação/Nilton Pereira 

“Aqui, o samba é diferente. Só quem conhece o frevo e nossas cambindas sabe como é”, é o que aponta a pesquisadora e produtora cultural pernambucana Gabriela Apolonio. Com história de vida entrelaçada com o samba - ritmo historicamente formado por artistas negros  -, a idealizadora do projeto “Contando a História do Samba”, lançado nesta semana, visa documentar e refletir sobre as contribuições de personalidades da cultura popular local ao ritmo em uma websérie. 

Inicialmente, 11 episódios, com tempo de duração de  episódios de 5 a 8 minutos, fazem um passeio entre escolas de samba, territórios marcados pelo ritmo, grupos e as lideranças que os compõem. Influenciado pelos passos dados no Rio de Janeiro, no projeto, é resguardado a contribuição de personalidades do estado com as mandingas e a malemolência do passista, do capoeirista, do maracatuzeiro e do coquista, figuras presentes no cenário da Zona da Mata e Região Metropolitana do Recife. 

Nomes de prestígio da mesa de samba autoral, como Paulo Perdigão, Dona Selma, Souza da  Galeria do Ritmo, Marise Félix do Gigante do Samba e Dona Lali da Rebeldes do Samba protagonizam o projeto. A contribuição à arte também é lembrada com a participação dos principais carnavalescos da região, entres eles “Xuxa”, Danda e Fabiano Silva. 

“A proposta é costurar a história do samba em Pernambuco na busca do reconhecimento desta expressão artístico cultural e musical como cultura do nosso território. O estudo que findou no projeto foi em cima da tentativa de entender a retórica do discurso patrimonial da elite intelectual, que não inclui o samba sendo pertencente à nossa identidade. Trago o projeto para firmar, que, sim, é uma expressão cultural que faz parte da nossa história. Aqui, o samba sempre foi reconhecido como ‘ritmo de negro’ e isso também é muito importante”, afirma a idealizadora em conversa com a Alma Preta Jornalismo

oie bdo3Thnc4VhG

Leia também: Do flow da poesia para o Rap: Bell Puã estreia na música com "Dale”

Relação com samba pernambucano vem de berço

Resultado de cinco anos de pesquisa, realizados entre os anos de 2017 e 2020, o mapeamento ainda revela a relação da idealizadora com o ritmo desde a infância. Nascida e criada em Brasília Teimosa, comunidade localizada na Zona Sul do Recife, a pesquisadora é de família de chorões e músicos. O tio-avô integrava um dos principais grupos de choro da capital pernambucana, [INSERIR], e na rua onde viveu a infância e a adolescência a trilha sonora era o ensaio da Escola de Samba Fura Couro. 

Em 2006, a produtora transformou a paixão pela música em trabalho. Atuante em produção cultural e, posteriormente, com formação concluída enquanto musicista, trabalhou em diversos cenários de cultura relacionados com o samba. Entre eles, fez parte da equipe do cantor, compositor, sambista e produtor pernambucano Jorge Riba. O sambista, que é nascido na quadra da agremiação Gigante do Samba, fundada na comunidade da Bomba do Hemetério, Zona Norte do Recife, é um dos nomes que impulsionou a contribuição local ao ritmo. 

“Depois dessa relação enquanto trabalho, começo entender as tramas, as relações, as tensões entre o samba e política pública, a marginalização, os territórios que aconteciam e acontecem as rodas, e de como esses espaços não eram bem vistos pelas gestões municipais e estaduais a respeito da cultura e isso me incomodava muito. Por isso, comecei a estudar mais e me aprofundar sobre os recortes que abarcavam nossa relação com o ritmo e valorizar as contribuições das lideranças locais”, conta Gabriela.  

A produtora complementa que estes entendimentos também trouxeram a preocupação sobre mudar o olhar propagado pelos intelectuais da elite pernambucana que pensa a valorização do samba no estado como uma ameaça à cultura. “Além da falta de registros e documentação, o que já é difícil para o reconhecimento enquanto ritmo que forma a identidade cultural do nosso povo, muitos estudiosos visavam o samba como sendo uma manifestação que vem de fora e que chegou aqui ocupando um espaço inerente ao frevo, como antagonista. Isso me preocupou e me abriu os olhos para pensar em formas de transformar esse olhar”, relata. 

oie PrcCJWacPIeN

Contribuições com a websérie

A produtora cultural afirma à Alma Preta Jornalismo que tem duas expectativas com a chegada do projeto de forma gratuita e digital. “A primeira expectativa é do samba ser reconhecido como patrimônio cultural do estado. A segunda é de tentar levar para a sociedade pernambucana um material bonito e de qualidade e que conte a história do povo negro para que isso seja documentado. Importante que todos eles que fazem a história acontecer tenham o registro e que tenham este espaço como vitrine das suas versões sobre a construção do ritmo aqui”, finaliza.

Para os próximos meses, uma cartilha e um vídeo documentário com os extras do material mapeado serão lançados.  Para a produtora, mesmo sem a segurança de um incentivo financeiro, o projeto deve continuar com publicações de novos conteúdos em um cronograma de, no mínimo, uma vez por mês.

“Contando a História do Samba” é fruto do incentivo da Lei de Incentivo à Cultura Aldir Blanc, viabilizado pela Secretaria de Cultura de Pernambuco (SECULT-PE). Para assistir aos episódios lançados, acesse o link

Leia também: Influência africana em Cuba é tema de mostra virtual

 Apoie jornalismo preto e livre!

 O funcionamento da nossa redação e a produção de conteúdos dependem do apoio de pessoas que acreditam no nosso trabalho. Boa parte da nossa renda é da arrecadação mensal de   financiamento coletivo e de outras ações com apoiadores. 

 Todo o dinheiro que entra é importante e nos ajuda a manter o pagamento da equipe e dos colaboradores em dia, a financiar os deslocamentos para as coberturas, a adquirir novos   equipamentos e a sonhar com projetos maiores para um trabalho cada vez melhor. 

 O resultado final é um jornalismo preto, livre e de qualidade.

 Acesse aqui nosso Catarse

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece. Se inscreva e receba nossas notícias toda semana.

VÍDEOS

boletim40.jpg
boogienaipe.jpg
ileaiyeemsalvador.jpg
juventudeeracismo.jpg