CULTURA / Segunda, 01 Fevereiro 2021 14:12

Circuito une mulheres percussionistas negras e indígenas

Inscrições podem ser realizadas gratuitamente até o dia 8 de fevereiro; as selecionadas terão oficinas de ritmos percussivos afro-brasileiros e xamânicos, cantigas e expressões corporais

Texto: Flávia Ribeiro | Edição: Nataly Simões | Imagem: Angelo Rosário

 

O Primeiro Circuito Tamboreira Percussiva está com inscrições abertas até o dia 8 de fevereiro. Mulheres negras e indígenas do Nordeste e de outras regiões do Brasil podem se inscrever gratuitamente para o evento, que tem o objetivo de fortalecer a rede entre mulheres percussionistas, apropriadoras dos tambores, e mostrar o instrumento como expressão de força e poder.

Idealizado por Loiá Fernandes, percussionista, produtora audiovisual, arte educadora e atriz, o circuito será realizado entre os dias 3 e 7 de março. As selecionadas participarão de oficinas como maracá e cânticos indígenas; atabaque com ritmos e cânticos umbandistas; ritmos nordestinos com o pandeiro; ritmo enquanto produção de sentidos, dentre outras.

O único critério para seleção é, primeiramente, a indicação racial, ou seja, ser mulher negra ou indígena. A avaliação racial será por meio da fotografia anexada ao formulário de inscrições. Além disso, serão levadas em consideração as condições de vulnerabilidade que inviabilizam o acesso à arte e à cultura.

Devido a pandemia de Covid-19, o novo coronavírus, a programação será realizada em formato virtual, em plataformas online (Zoom, Youtube e Instagram). Cada oficina contará com o número médio de 20 participantes.

“O Circuito nasce de uma perspectiva unificadora e intercultural, baseado na pluriversalidade, considerando a necessidade de fomentar a atuação das mulheres no segmento de instrumentação percussiva, tendo como princípio fundamental as raízes culturais dos tambores africanos e dos povos originários”, comenta a idealizadora.

O projeto tem apoio financeiro do Governo do Estado da Bahia através da Secretaria de Cultura e da Fundação Cultural do Estado da Bahia (Programa Aldir Blanc Bahia) via Lei Aldir Blanc, direcionada pela Secretaria Especial da Cultural do Ministério do Turismo, do governo federal.

 Apoie jornalismo preto e livre!

 O funcionamento da nossa redação e a produção de conteúdos dependem do apoio de pessoas que acreditam no nosso trabalho. Boa parte da nossa renda é da arrecadação mensal de   financiamento coletivo e de outras ações com apoiadores. 

 Todo o dinheiro que entra é importante e nos ajuda a manter o pagamento da equipe e dos colaboradores em dia, a financiar os deslocamentos para as coberturas, a adquirir novos   equipamentos e a sonhar com projetos maiores para um trabalho cada vez melhor. 

 O resultado final é um jornalismo preto, livre e de qualidade.

 Acesse aqui nosso Catarse

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece. Se inscreva e receba nossas notícias toda semana.

VÍDEOS