CULTURA / Quarta, 12 Agosto 2020 17:24

Cinco artistas negros que lançaram músicas, clipes e álbuns durante a pandemia

Cantores e grupos negros usam período de isolamento social para produzir e lançar novos trabalhos artísticos

Texto: Guilherme Soares Dias | Edição: Nataly Simões | Imagem: Divulgação/Ayaní

Novos clipes, músicas e álbuns têm sido lançados por artistas negros durante o período de isolamento social imposto pela pandemia da Covid-19, o novo coronavírus. Bandas e cantores independentes aproveitaram  o tempo maior,  distantes dos shows presenciais e de outros trabalhos, dos shows e outros trabalhos para produzir novos conteúdos e marcar esse período único na história recente do Brasil.

1 - Ayaní

A cantora de Barcarena, no Pará, é também compositora e faz a direção artística e produção executiva da própria carreira. Nesse período de quarentena, ela lançou a segunda música de trabalho, chamada “40 dias”. O single traz também o primeiro videoclipe da artista, gravado em casa e com várias participações especiais, que respeitaram o distanciamento social. A paraense aposta no pop reggae com letra romântica e a música está disponível em todas as plataformas digitais. Confira o clipe: 

2 - Conde Favela Sexteto

Formado em 2009, o sexteto tem o intuito resgatar temas de jazz e sambajazz além de fazer exploração instrumental. Entre as inspirações, estão movimentos que trouxeram inovações dentro do gênero: freejazz, bebop e hardbop. O grupo desenvolve os próprios temas e composições. Os integrantes são do ABC Paulista e têm diferentes formações e orientações musicais – do samba à música erudita, do som áspero ao espiritual. O sexteto participa ativamente do Circuito de Improvisação Livre, combos de improvisação livre com músicos de diversas regiões do mundo, uma busca de conexão com experimentalismo e novas sonoridades.

Em 2020, o Conde Favela lançou o primeiro álbum “Temas para tempos de guerra”, registro inédito com novos e antigos temas. O sexteto é composto por Alex Dias (baixo acústico), Diego Estevam (Guitarra), Edson Ikê (trompete), Harlem Nasccimento (sax tenor), Mabu Reis (trombone) e Rafael Cab (bateria). Confira: 

3 - Tássia Reis

A canção “Me diga” foi lançada no dia 21 de julho pela cantora Tássia Reis. O clipe traz o registro de diversas imagens da carreira da artista, incluindo backstages e momentos íntimos ao longo de sua trajetória no Brasil e no exterior. “A minha idéia foi juntar essas memórias e deixá-las gravadas definitivamente na minha história, em forma de clipe. Estamos vivendo momentos difíceis, e olhar para trás e ver tudo que construí, além de me fortalecer, me faz lembrar o quão sou capaz e que também ainda há muito a ser feito”, conta Tássia.

A canção fala do processo de identificar os próprios medos, auto sabotagem e espiritualidade, ao passo que as pessoas amadurecem e aprendem a discernir o que as faz bem e o que as faz mal. “Também está relacionada à instabilidade que é viver nos tempos atuais e os desejos de realizar os nossos sonhos”, acrescenta a contra. Confira o clipe:

4 - Fabriccio

Em 12 de junho, o cantor e compositor capixaba Fabriccio lançou “Inbox”, canção que traz novos caminhos possíveis para o afeto. Com leveza e um refrão afetuoso, Fabriccio aposta no poder do afeto para superar os tempos difíceis que vivemos. O clipe traz casais da vida real e foi gravado, remotamente, via celular pelos participantes. A direção é de Mailson Soares e tem idealização e produção geral de Zeferina Produções. Veja:

5 - Baco Exu do Blues

O rapper baiano Baco Exu do Blues é conhecido por seus clipes e rimas certeiras. Em “Mate todos eles”, o cantor mostra sua genialidade em conseguir compor um álbum todo logo no início da pandemia e lançou o clipe da música que tem entre seus versos “fala bem me divulga, fala mal me divulga”. As imagens em preto e branco são mais amadoras e menos emblemáticas do que as de “Blues man”, mas mantem a qualidade do trabalho visual. Assista:

 Apoie jornalismo preto e livre!

 O funcionamento da nossa redação e a produção de conteúdos dependem do apoio de pessoas que acreditam no nosso trabalho. Boa parte da nossa renda é da arrecadação mensal de   financiamento coletivo e de outras ações com apoiadores. 

 Todo o dinheiro que entra é importante e nos ajuda a manter o pagamento da equipe e dos colaboradores em dia, a financiar os deslocamentos para as coberturas, a adquirir novos   equipamentos e a sonhar com projetos maiores para um trabalho cada vez melhor. 

 O resultado final é um jornalismo preto, livre e de qualidade.

 Acesse aqui e apoie a Alma Preta Jornalismo

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece. Se inscreva e receba nossas notícias toda semana.

VÍDEOS

camisa69anos.jpg
resindencialcambridge.jpg
rapamazonia.jpg
casoborbagato.jpg