CULTURA / Sábado, 11 Dezembro 2021 06:00

'Caminhada Olinda Negra' revela a história afrodescendente da cidade

Roteiro de reconhecimento dos patrimônios imateriais da cidade é fruto da parceria entre a plataforma Guia Negro e a Associação Recreativa e Carnavalesca Afoxé Alafin Oyó

Texto: Victor Lacerda I Edição:  Nataly Simões | Imagem: Divulgação

Imagem mostra grupo de pessoas em uma rua de Olinda.
Introdução:

Roteiro de reconhecimento dos patrimônios imateriais da cidade é fruto da parceria entre a plataforma Guia Negro e a Associação Recreativa e Carnavalesca Afoxé Alafin Oyó

Autor:

Texto: Victor Lacerda I Edição:  Nataly Simões | Imagem: Divulgação

Dar voz à narrativa negra - estruturalmente apagada pela história - é um processo que também precisa ser feito no turismo. A "Caminhada Olinda Negra" é uma iniciativa que revela a história afrodescendente nas ladeiras do Sítio Histórico a partir de um roteiro de reconhecimento dos patrimônios imateriais da cidade.

A caminhada é resultado de uma parceria entre a plataforma Guia Negro e a Associação Recreativa e Carnavalesca Afoxé Alafin Oyó com o objetivo de mostrar a relevância do povo negro em manifestações culturais como frevo, blocos, maracatus e afoxés, que fazem da cidade um Patrimônio Histórico e Cultural da Humanidade.

O roteiro traz protagonismo às personalidades e expressões culturais da maior importância para a construção da pluralidade cultural de Olinda e de Pernambuco, que passam despercebidos pela maioria que circula pelas ladeiras. 

“A ideia da caminhada é dar protagonismo à negritude, ressaltar a história de personagens negros, de lugares importantes, da história, do presente da população negra. É um roteiro que tem a presença do agogô, que vai abrindo os caminhos do roteiro e contando as histórias, bastante musical, como é a cidade de Olinda”, conta o jornalista Guilherme Soares, fundador do Guia Negro. 

A turismóloga e responsável técnica do projeto, Camila Góes explica que a ação também se destaca pelo papel relevante na retomada econômica do município e do Estado, sobretudo por movimentar a economia criativa e pela capacidade de gerar emprego e renda, dessa forma, incentivando e valorizando a cadeia produtiva da cidade, especialmente os empreendedores negros. 

“Para além do turismo, a caminhada beneficia igualmente a comunidade, trazendo senso de preservação e orgulho. A ação promove, direta e indiretamente, a inclusão social, diversifica a economia regional e melhora as condições de vida das famílias envolvidas”, pontua. 

Atualmente, o projeto conta com seis condutores dos roteiros. De acordo com o coordenador de afroturismo do Afoxé Alafín Oyó, Bernardo Sena, a ideia é que mais jovens e adultos negros possam ter formação sobre o turismo negro local. 

“O objetivo é servir de suporter para a população negra, gerando oportunidade, emprego e renda àqueles que estão em contato com a nossa entidade”, pontua o gestor. 

Os organizadores esperam que novos roteiros sobre novos temas e narrativas sejam implementados na cidade. Para isso, novas datas serão fechadas para o público interessado. Mais informações sobre este cronograma estão disponíveis na página oficial do projeto

Leia também: Vereadores de Olinda aprovam o 'Dia Municipal da Favela'

 Apoie jornalismo preto e livre!

 O funcionamento da nossa redação e a produção de conteúdos dependem do apoio de pessoas que acreditam no nosso trabalho. Boa parte da nossa renda é da arrecadação mensal de   financiamento coletivo e de outras ações com apoiadores. 

 Todo o dinheiro que entra é importante e nos ajuda a manter o pagamento da equipe e dos colaboradores em dia, a financiar os deslocamentos para as coberturas, a adquirir novos   equipamentos e a sonhar com projetos maiores para um trabalho cada vez melhor. 

 O resultado final é um jornalismo preto, livre e de qualidade.

 Acesse aqui e apoie a Alma Preta Jornalismo

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece. Se inscreva e receba nossas notícias toda semana.

VÍDEOS

melly.jpg
cafe.jpg
entrevistalazaroramos.jpg
lucaskinte.jpg