CULTURA / Quinta, 21 Julho 2022 13:38

Bekoo Das Pretas: movimento busca divertir e capacitar pessoas negras

Além dos eventos que também lançam artistas na cena musical, as ações da iniciativa englobam um bloco de carnaval de rua em Vitória (ES) e capacitações profissionais para a área de produção cultural, transformação digital e criatividade

Texto: Fernanda Rosário | Edição: Elias Santana Malê | Imagem: Arquivo/Bekoo Das Pretas

Imagem de uma das festas do Bekoo Das Pretas. Um homem dança no meio de uma roda de pessoas.
Introdução:

Além dos eventos que também lançam artistas na cena musical, as ações da iniciativa englobam um bloco de carnaval de rua em Vitória (ES) e capacitações profissionais para a área de produção cultural, transformação digital e criatividade

Autor:

Texto: Fernanda Rosário | Edição: Elias Santana Malê | Imagem: Arquivo/Bekoo Das Pretas

“O Bekoo Das Pretas surge da minha necessidade de estar em lugares de acesso, qualidade e acompanhada do meus. É dessa necessidade de ter a música que eu acho boa, vestida com o look que eu acho lindo, com o cabelo estilizado da forma que eu gosto, tomando a cerveja gelada, o drink colorido, sendo bem recebida, acolhida e não fazer isso sozinha”, explica a advogada Priscila Gama, CEO da iniciativa.

Foi com a finalidade de promover eventos musicais sem julgamentos e focados em propiciar a melhor experiência para as pessoas negras que o movimento idealizado pela advogada começou em 2016, no estado do Espírito Santo. Priscila conta que surgiu um questionamento no início da criação do projeto sobre o que seria importante as pessoas sentirem e sobre os direitos que são negados às pessoas negras no Brasil.

“Primeiro reduzem a humanidade da gente, depois reduzem nosso direito às normalidades, ou seja, ao sonho, aos desejos, à pluralidade, ao ir e vir, ao mudar de ideia, ao viver a vida e aproveitar as oportunidades. Com isso, reduzem a nossa autoestima, o que mina as nossas possibilidades e os nossos sonhos”, explica Priscila.

Priscila GamaPriscila Gama | Crédito: Arquivo/Bekoo Das Pretas

“Então o que queria sentir com o Bekoo? Como é que eu queria sair de lá? E eu queria sair de lá exaustivamente revigorada. Havia um querer me reconhecer no outro, querer estar com o outro e me sentir potencializada. Era um querer dançar vestida bonita do jeito que eu acho e com o reconhecimento dos nossos signos e dos nossos padrões”, ressalta a idealizadora da iniciativa, também CEO do Das Pretas, laboratório de inovação e tecnologia social, 100% afrocentrado e fundado em 2015.

Além de um movimento, é um sentimento

A empreendedora Priscila Gama relata que a construção do Bekoo Das Pretas acontece para ele se tornar um hub de atividades e de ações focadas no fortalecimento negro.

Dentro do movimento, além dos eventos que também lançam artistas na cena musical, há também um bloco de carnaval de rua em Vitória (ES) e capacitações de produção cultural, transformação digital, processos de criatividade e também dedicados à criação e a aceleração de negócios de arte e cultura periférica, subsidiando o conhecimento técnico e o intercâmbio com pessoas da periferia que articulam.

Bekoo no CarnavalBekoo no Carnaval | Crédito: Arquivo/Bekoo Das Pretas

“As pessoas tem uma ideia de criatividade como se fosse uma coisa milagrosa e, na verdade, tem método para isso. Então a gente traz esse diálogo. Eu acho que, se eu pudesse resumir o tipo de formações que a gente faz, são pontes de acesso para o conhecimento. Porque a gente não pode criativizar ou sonhar sobre o que a gente não conhece”, destaca a empreendedora.

“Estou nos Estados Unidos também articulando a criação de um fundo de investimento para esse fomento a negócios pretos de cultura e arte, prioritariamente para mulheres e população LGBT negras. Tem o BKDP Festival, dentro desse guarda chuva que é o movimento Bekoo também”, conta Priscila Gama, que adianta que, no pacote de projetos futuros do movimento, vem muitas outras ações, como mais articulações audiovisuais além da websérie sobre o Bekoo Das Pretas disponibilizada no Youtube.

A CEO da iniciativa também conta que, apesar dos eventos do Bekoo serem frequentados normalmente por pessoas de 20 a 35 anos, há um público bastante diversificado que curte as festas.

Bekoo das Pretas 2O evento recebe pessoas de diversas faixas etárias | Crédito: Arquivo/Bekoo Das Pretas

“Uma coisa que eu sempre escutei foi que o Bekoo é um sentimento. Tenho muito orgulho de falar que a gente mudou muito a cena da cultura do estado do Espírito Santo. É sempre muito difícil, porque você tem poucas mulheres negras como referência nesse lugar de gerir grandes coisas na produção cultural nesse nosso país. Então eu não conseguia prever o que ia acontecer, mas eu aceitei cada nova edição [da iniciativa] como um desafio”, finaliza Priscila Gama.

Em setembro, ocorre o BKDP Festival. Para mais informações, acompanhe as redes sociais do movimento.

Leia também: Instituto Omolará: organização fortalece mulheres negras em diversas áreas

 Apoie jornalismo preto e livre!

 O funcionamento da nossa redação e a produção de conteúdos dependem do apoio de pessoas que acreditam no nosso trabalho. Boa parte da nossa renda é da arrecadação mensal de   financiamento coletivo e de outras ações com apoiadores. 

 Todo o dinheiro que entra é importante e nos ajuda a manter o pagamento da equipe e dos colaboradores em dia, a financiar os deslocamentos para as coberturas, a adquirir novos   equipamentos e a sonhar com projetos maiores para um trabalho cada vez melhor. 

 O resultado final é um jornalismo preto, livre e de qualidade.

 Acesse aqui e apoie a Alma Preta Jornalismo

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece. Se inscreva e receba nossas notícias toda semana.

VÍDEOS

novageracaoskate.jpg
temclimapraisso8.jpg
flagrapmbahia.jpg
anasanches7.jpg