CULTURA / Segunda, 29 Março 2021 12:59

Artistas negros e independentes lutam para se manter em evidência na pandemia

Eles representam a cultura periférica, buscam outras funções e tentam ser criativos para sobreviver em mais de um ano desde o início da crise provocada pela Covid-19

Texto: Caroline Nunes | Edição: Nataly Simões | Imagem: Divulgação

Artistas negros e independentes lutam para se manter em evidência na pandemia
Introdução:

Eles representam a cultura periférica, buscam outras funções e tentam ser criativos para sobreviver em mais de um ano desde o início da crise provocada pela Covid-19

Texto: Caroline Nunes | Edição: Nataly Simões | Imagem: Divulgação

Artistas independentes, de movimentos como o Hip Hop e Slam, não recebem apoio financeiro, o que os obriga a se desdobrarem em outras funções, já que a divulgação do trabalho deles depende do público e da rua. Evitando aglomerações por conta da pandemia e sem auxílio emergencial, os compositores tentam não deixar a arte morrer mesmo um ano após o início da crise sanitária.

Segundo a cantora Bia Ferreira, os efeitos da Covid-19 impactaram diretamente os movimentos artísticos, principalmente nas condições de acesso ao trabalho. Ela explica que existem artistas que puderam se reinventar nesse período, trabalhando de maneira online com transmissões de shows online, mas lembra que os das periferias nem sempre possuem equipamentos necessários para apresentações nesse formato.

“As lives feitas durante a pandemia precisam de uma estrutura mínima, que não é oferecida ao artista independente. O acesso é mais limitado. Isso tudo diminui a autoestima desse artista, que teve que diminuir o número de shows e precisa se virar para saber como vai pagar as contas, como vai comer”, conta.

A rapper Jup do Bairro acredita que a falta de apoio para esses artistas interfere diretamente na disseminação da cultura periférica. “Desde 2018 vivemos uma guerra cultural instaurada, cortes diretos na cultura, a demissão de profissionais da arte. Isso se reflete diretamente na produção marginal, periférica e de rua. As manifestações culturais na periferia desde então vêm diminuindo com a falta de apoio de instituições que agem nos guetos, explica.

Artistas negros e independentes lutam para se manter em evidência na pandemia

Jup do Bairro é uma das recentes revelações da música negra e brasileira. Foto: Divulgação

A arte de “se virar”

Para o cantor e produtor Walker Santos, vulgo Duawalzk, a crise provocada pela pandemia exige muita atenção para que o movimento Hip Hop não seja esquecido e também para evitar a disseminação do coronavírus.

“Batalhas de Hip Hop pequenas, que não têm tanto prestígio, acabam sendo prejudicadas, principalmente pela falta de recursos. O que é algo ruim, pois estimula que aconteçam batalhas clandestinas. Os artistas precisam disso para se movimentar e às vezes acabam por ser irresponsáveis”, considera.

Sem apoio financeiro, o sustento de vários artistas na pandemia tem dependido de um emprego formal ou de “bicos”. “Venda de água, bala, a gente se vira. Muitos artistas do meio tiveram que se adaptar nesse ano para ganhar dinheiro até para poder investir na própria arte e sobreviver”, relata o produtor.

Artistas negros e independentes lutam para se manter em evidência na pandemia

O cantor e produtor Walker Santos, vulgo Duawalzk. Foto: Divulgação

Esse também é o caso de Ingrid Marques, ou Ingridis, como é conhecida. Cantora e participante do “Slam do Prego”, em Guarulhos (SP), a artista trabalha em eventos infantis e investiu em um brechó para poder pagar as contas.

“Não recebo apoio nenhum para continuar fazendo arte. Faço tudo de maneira totalmente independente. Artista, né? [risos]. A classe artística no Brasil sempre passa por isso: supervalorização e depois o esquecimento. É um ciclo que sempre se repete”, afirma.

Artistas negros e independentes lutam para se manter em evidência na pandemia

Ingrid Marques, vulgo Ingridis. Foto: Slam do Prego

Jup acrescenta que a bandeira da representatividade negra, levantada por algumas marcas, é seletiva e não abraça todos os artistas. “A representação é uma das maiores armadilhas desse sistema. Ela faz a gente achar que de fato ‘os pretos estão no topo’, mas na verdade, se existe topo, existe base. Quem tem lives patrocinadas por grandes marcas ou instituições?”, questiona.

Criatividade na crise

A pandemia expôs ainda a desigualdade entre os artistas independentes e aqueles que têm mais visibilidade na mídia, ao mesmo tempo que serviu para potencializar a criatividade. É o que considera Bia Ferreira. “A gente tem que arrumar espaço e pensar em formas de sobreviver”, descreve.

Para ela, a crise mostra ainda a resistência dos artistas e de outros profissionais da classe artística, como produtores e auxiliares de backstage. “Todo mundo que vive de arte está passando por dificuldades financeiras e tendo que se descobrir em outros setores para garantir o ganha pão”, pondera.

Apesar do agravamento da pandemia nesses primeiros meses de 2021, Jup também acredita na reinvenção dos artistas independentes. “Nem tudo são flores, tampouco espinhos. O corpo marginal possui um chip de alta tecnologia de adaptação ao tempo-presente, mas é preciso se pensar em novas estratégias”, finaliza.

Leia também:

Artistas negras falam sobre caminhada e resistência no Hip Hop

 Apoie jornalismo preto e livre!

 O funcionamento da nossa redação e a produção de conteúdos dependem do apoio de pessoas que acreditam no nosso trabalho. Boa parte da nossa renda é da arrecadação mensal de   financiamento coletivo e de outras ações com apoiadores. 

 Todo o dinheiro que entra é importante e nos ajuda a manter o pagamento da equipe e dos colaboradores em dia, a financiar os deslocamentos para as coberturas, a adquirir novos   equipamentos e a sonhar com projetos maiores para um trabalho cada vez melhor. 

 O resultado final é um jornalismo preto, livre e de qualidade.

 Acesse aqui nosso Catarse

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece. Se inscreva e receba nossas notícias toda semana.

VÍDEOS

juventudeeracismo.jpg
boletim39.jpg
ccsp.jpg
umanobetofreitas.jpg