CULTURA / Sexta, 08 Abril 2022 17:11

Artistas negros criam primeira dupla musical de libras do Brasil

Bruno Oliveira e Lucas Brito ganharam cada vez mais fãs a partir de covers de hits e lançaram também primeiro single autoral

Texto: Nataly Simões | Edição: Nadine Nascimento | Imagem: Divulgação

Bruno Oliveira e Lucas Brito são dois homens negros. Eles seguram microfones nas mãos.
Introdução:

Bruno Oliveira e Lucas Brito ganharam cada vez mais fãs a partir de covers de hits e lançaram também primeiro single autoral

Autor:

Texto: Nataly Simões | Edição: Nadine Nascimento | Imagem: Divulgação

O Brasil possui mais de 10,7 milhões de pessoas com deficiência auditiva, segundo um levantamento do Instituto Locomotiva e da Semana da Acessibilidade Surda. A fim de promover a igualdade por meio da cultura, os amigos Bruno Oliveira e Lucas Brito, de Campinas, interior de São Paulo, criaram a primeira dupla musical de libras do país, a Duelibras.

Eles contam que a ideia surgiu após um depoimento de uma amiga e professora sobre a exclusão de um aluno com deficiência auditiva em um acampamento. Bruno e Lucas perceberam a importância de oferecer igualdade em diversos momentos da vida e viram na música a possibilidade de escrever um novo capítulo na vida dessa parcela da população.

“Queremos proporcionar para milhares de brasileiros a oportunidade de se sentirem representados”, comenta Bruno.

A música sempre esteve presente na vida de ambos, que inicialmente tocaram juntos, em sociedade, uma empresa de preparação vocal. Com alguns anos de atuação, o negócio passou a se tornar cada vez mais renomado devido à produção de artistas como Ludmilla, Gloria Groove, Sorocaba, Paula Mattos, Dennis DJ e Orochi.

Ganhando cada vez mais relevância, a dupla se tornou conhecida nas redes sociais também por covers de sucessos como “Malvadão”, hit de Xamã.

Lucas Brito e Bruno Oliveira formam a dupla Duelibras. | Foto: DivulgaçãoLucas Brito e Bruno Oliveira formam a dupla Duelibras. | Foto: Divulgação

Com o Duelibras, a dupla lançou em março sua primeira música autoral: “Pode Bagunçar”, que chega com uma pegada afrobeat misturada com o pop. O single acompanha um clipe gravado em Joá, no Rio de Janeiro.

“É o nosso primeiro trabalho autoral, onde o conceito foi poder fazer música para ouvintes e, através do clipe, mostrar um pouco sobre a comunidade surda, trazendo uma música atual”, diz a dupla.

Os próximos passos da dupla é lançar um feat e trazer mais novidades para o público ao longo de todo o ano. “A cada dia aprendemos mais sobre a comunidade surda e vamos mudando o conceito sobre a vida e sobre o som. Iremos dar nossa vida para eles (surdos) terem arte e entretenimento”, adiantam os artistas.

Leia também: Medida Provisória: “Para que as pessoas se fortaleçam a partir do reconhecimento de suas potências”, diz Lázaro Ramos

 Apoie jornalismo preto e livre!

 O funcionamento da nossa redação e a produção de conteúdos dependem do apoio de pessoas que acreditam no nosso trabalho. Boa parte da nossa renda é da arrecadação mensal de   financiamento coletivo e de outras ações com apoiadores. 

 Todo o dinheiro que entra é importante e nos ajuda a manter o pagamento da equipe e dos colaboradores em dia, a financiar os deslocamentos para as coberturas, a adquirir novos   equipamentos e a sonhar com projetos maiores para um trabalho cada vez melhor. 

 O resultado final é um jornalismo preto, livre e de qualidade.

 Acesse aqui e apoie a Alma Preta Jornalismo

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece. Se inscreva e receba nossas notícias toda semana.

VÍDEOS

novageracaoskate.jpg
temclimapraisso8.jpg
flagrapmbahia.jpg
anasanches7.jpg