CULTURA / Segunda, 25 Janeiro 2021 08:54

Zezé Motta relança "Negritude", álbum clássico de 1979

Em “Negritude”, lançado pela gravadora Warner, Zezé Motta interpreta canções de Aldir Blanc, João Bosco, Wilson Moreira, Maria Bethânia, entre outros

Texto / Flávia Ribeiro | Edição / Lenne Ferreira | Imagem / Sofia Paschoal

Rainha das telas, telonas e dos palcos, Zezé Motta acaba de relançar o álbum “Negritude” em todas as plataformas digitais. Remasterizado, o dicso foi um dos três gravados pela artista de 1975 a 1979 e traz faixas como “Aí de Mim”, “Manhã Brasileira”, “Senhora Liberdade”, entre outras. A cantora e atriz comenta que, inicialmente, resistiu em gravar samba para não restringir a carreira musical a um estilo.

“Desde o começo, a Warner queria que eu gravasse samba. Mas eu não queria ser rotulada de sambista. Nada contra, mas eu queria ser livre para cantar vários gêneros. E era também uma atitude política por perceber que queriam me pregar esse rótulo pelo fato de eu ser negra. Eu estava numa fase de militância mais radical e criei essa resistência. Mas para o segundo LP da minha carreira, o Negritude, realmente me convenceram de que eu estava vendendo abaixo do esperado e que seria interessante tentar o caminho sugerido por eles. Aí já era uma questão de mercado, e naquela época eu não podia botar a militante à frente da artista e topei fazer um disco de sambas. Então, foi a vez da gravadora promover uma feijoada na casa do Sérgio Amaral para o pessoal do samba. Compareceram: Martinho da Vila, Monarco, Padeirinho, João Bosco, Manacéa, Wilson Moreira, Ney Lopes. Uma turma de bambas. E assim saiu o disco”, destaca.

Na década de 1980, ela lançou mais três trabalhos como cantora: “Dengo”, “Frágil força” e, com Paulo Moura, Djalma Correia e Jorge Degas, “Quarteto negro”. Além disso, representou o Brasil, a convite do Itamaraty, em Hannover (Alemanha), no Carnegie Hall de Nova York (EUA), França, Venezuela, México, Chile, Argentina, Angola e Portugal.“Já cantei com gente do melhor gabarito. Só pelo Projeto Pixinguinha, fiz dois shows maravilhosos. Um, dividindo o palco com Johnny Alf, outro com Marina e Luiz Melodia. Quando Marina e eu cantávamos Mania de Você (Meu bem / você me dá / água na boca), da Rita Lee, dávamos um selinho e o público vinha abaixo” comenta a artista.

Cantora, atriz, mãe de quatro filhos, ativista, Zezé acumula 14 discos, 35 novelas e mais de 55 filmes em mais de cinco décadas de carreira. As canções de Negritude podem ser conferidas aqui.

 Apoie jornalismo preto e livre!

 O funcionamento da nossa redação e a produção de conteúdos dependem do apoio de pessoas que acreditam no nosso trabalho. Boa parte da nossa renda é da arrecadação mensal de   financiamento coletivo e de outras ações com apoiadores. 

 Todo o dinheiro que entra é importante e nos ajuda a manter o pagamento da equipe e dos colaboradores em dia, a financiar os deslocamentos para as coberturas, a adquirir novos   equipamentos e a sonhar com projetos maiores para um trabalho cada vez melhor. 

 O resultado final é um jornalismo preto, livre e de qualidade.

 Acesse aqui e apoie a Alma Preta Jornalismo

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece. Se inscreva e receba nossas notícias toda semana.

VÍDEOS

feminismonegro.jpg
leituradosbuzios.jpg
culturasafricanasema.jpg
racismorecreativo.jpg