CULTURA / Sexta, 13 Agosto 2021 14:33

Abaixo-assinado defende veto da lei de combate à arte urbana em BH

Em manifesto, artistas urbanos e coletivos defendem diálogo coletivo ao invés de medidas punitivistas; carta assinada por mais de 100 artistas, coletivos, e movimentos culturais

Texto: Dindara Ribeiro | Edição: Lenne Ferreira | Foto: Divulgação/Agência Brasil

Arte Urbana
Introdução:

Em manifesto, artistas urbanos e coletivos defendem diálogo coletivo ao invés de medidas punitivistas; carta assinada por mais de 100 artistas, coletivos, e movimentos culturais

Texto: Dindara Ribeiro | Edição: Lenne Ferreira | Foto: Divulgação/Agência Brasil

A aprovação do Projeto de Lei (PL) 230/2017, que criminaliza a pichação, causou revolta a artistas e coletivos que defendem e produzem a arte urbana em Belo Horizonte. O texto do PL, de autoria do vereador Henrique Braga (PSDB), defende o reconhecimento do grafite como expressão cultural e institui sanções para artistas de pichação, incluindo multas que variam de R$ 5 mil a R$ 20 mil.

Durante a votação, realizada no dia 13 de julho, apoiadores do projeto classificaram a pichação como vandalismo e que infringe "leis ambientais, de conservação de patrimônio público e do direito de propriedade". Já opositores defenderam que a pichação possui valor estético próprio e faz parte da cultura periférica, historicamente excluída.

Uma carta, assinada por mais 100 artistas, coletivos, e movimentos culturais, critica a aprovação do PL pela Câmara de Belo Horizonte e aponta que o texto promove uma distinção que não existe entre o grafite e a pichação, ambas consideradas como arte urbana. O manifesto também diz que o projeto é redundante já que existe uma lei federal (nº 12.408) que institui penas para o ato de pichação, demonstrando assim que apenas a lei não impede a prática. Para eles, o projeto também reforça a criminalização dos artistas que dela faz parte, sendo a maioria de jovens negros.

"A pixação, embora muito pouco compreendida pela população em geral, é uma prática cultural cuja origem em nada diverge da do graffiti, celebrado de maneira errônea no PL como antídoto para a primeira. Este equívoco, expresso por parlamentares pouco interessados em uma discussão aprofundada sobre o tema, acaba por reforçar o encarceramento em massa das juventudes periféricas - tema que foi objeto de lei recente que instituiu o 20 de Junho como Dia Municipal de Luta Contra o Encarceramento da Juventude Negra. É justamente desta juventude que estamos falando, e que se encontra, mais uma vez, criminalizada", cita o texto.

O abaixo-assinado, que já conta com mais três mil assinaturas, pontua que o projeto não promove um diálogo com os artistas, além de ser punitivista.

"O lugar da pixação, embora polêmico, é de um sutil equilíbrio entre a arte e a transgressão, e é uma infelicidade constatar que o PL que se dedica sobre o tema na capital encaminhe-o para o campo penal, se distanciando de soluções construtivas e baseadas no diálogo".

Nas redes sociais, movimentos contrários à aprovação do projeto levantaram a hashtag #VETAKALILPL230 e #PL230não, que pede o veto integral do projeto pelo prefeito de BH, Alexandre Kalil.

O Circuito Urbano de Arte (CURA), que também assina o manifesto, considera o PL como uma "perseguição racista" e que faz parte do racismo institucional que torna os jovens negros periféricos como alvos.

"Sabemos que os pichadores são em sua maioria jovens periféricos, e prendê-los é uma das muitas faces do racismo institucional. É preciso descolonizar a mente e a estética das cidades e ampliar o debate sobre o pixo", diz em uma publicação.

Na carta de manifestação, os artistas urbanos finalizam propondo outras formas de discutir a arte urbana por meio de um diálogo coletivo.

"Não viemos advogar a liberação ou a autorização desta prática. Defendemos porém que o caminho não é de um acúmulo de punições, mas de diálogo, integração, respeito e cuidado social", completa a carta.

Leia também: 

São Paulo ganha painel de grafite em homenagem a Dondi White, lenda da cultura hip-hop

Projeto homenageia centenário de Barbosa com arte urbana

 Apoie jornalismo preto e livre!

 O funcionamento da nossa redação e a produção de conteúdos dependem do apoio de pessoas que acreditam no nosso trabalho. Boa parte da nossa renda é da arrecadação mensal de   financiamento coletivo e de outras ações com apoiadores. 

 Todo o dinheiro que entra é importante e nos ajuda a manter o pagamento da equipe e dos colaboradores em dia, a financiar os deslocamentos para as coberturas, a adquirir novos   equipamentos e a sonhar com projetos maiores para um trabalho cada vez melhor. 

 O resultado final é um jornalismo preto, livre e de qualidade.

 Acesse aqui e apoie a Alma Preta Jornalismo

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece. Se inscreva e receba nossas notícias toda semana.

VÍDEOS

camisa69anos.jpg
resindencialcambridge.jpg
rapamazonia.jpg
casoborbagato.jpg