COTIDIANO / Sexta, 17 Setembro 2021 12:56

Vulcão nas Ilhas Canárias pode provocar tsunami no NE do Brasil? Entenda

Hipótese aponta que o tsunami poderia atingir o Nordeste do Brasil e gerou grande repercussão nos estados da região

Texto: Redação | Foto: Divulgação/Hello Cannary Islands

Introdução:

Hipótese aponta que o tsunami poderia atingir o Nordeste do Brasil e gerou grande repercussão nos estados da região

Texto: Redação | Foto: Divulgação/Hello Cannary Islands

Um vulcão localizado nas Ilhas Canárias, no litoral do continente africano, entrou em estado de alerta e tem causado preocupação já que foi levantada a possibilidade da erupção pode provocar um tsunami capaz de atingir a costa africana e toda a região Nordeste do Brasil. Segundo o Plano Especial de Proteção Civil e Atenção às Emergências de Risco Vulcânico das Ilhas Canárias (Pevolca), o vulcão Cumbre Vieja está adormecido há décadas e, recentemente, começou a manifestar elevados sinais de atividades sísmicas. Nesta sexta-feira (17), o governo das Canárias emitiu um boletim onde informa que não há dados que comprovem a hipótese da formação de um possível tsunami a partir de uma base científica.

O alerta é classificado em quatro níveis, sendo o vermelho como a notificação de emergência e o mais preocupante. De acordo com o governo das Canárias, a alteração na atividade sísmica tem aumentado desde o último sábado (11). Conforme o Metsul Meteorologia, na última terça (14), foram registrados mais de cem tremores de terra na região.

"A respeito das notícias veiculadas nos meios de comunicação sobre um possível vulcão no oeste do Cumbre Vieja e consequentemente a formação de um mega tsunami, este Comitê Científico quer enfatizar que não há dados que sustentem essa hipótese, e que carece de uma base científica comprovada", esclareceu.

O Comitê também completou dizendo que, nas últimas horas, foi registrada uma diminuição geral da atividade sísmica, embora ainda haja uma notável intensidade tanto em profundidades de 6 a 8 km, quanto na superfície. Por isso, o Comitê explica que a sismicidade pode ser temporária, por a necessidade de manter o alerta amarelo.

"A diminuição da sismicidade pode ser temporária e não implica necessariamente na interrupção da reativação vulcânica", ressalta o Comitê.

Especialistas apontam baixa probabilidade

Diante da repercussão do alerta e do possível impacto para a costa brasileira, especialistas da Rede Sismográfica Brasileira apontam que, mesmo com a probabilidade, o risco do tsunami atingir o Brasil é baixa. Segundo o professor do Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas (IAG/USP), Marcelo Assumpção, a teoria foi discutida há 20 anos atrás e os estudos apontaram baixa probabilidade.

“Esse assunto foi discutido na mídia uns 20 ou 30 anos atrás quando foi publicado um trabalho de geólogos americanos sobre a possibilidade de desabamento de uma parte da ilha provocar um tsunami no Brasil. Na época, a conclusão foi de que a probabilidade de que o deslizamento fosse suficientemente grande para provocar um tsunami perigoso era muito pequena", explicou o especialista.

Assumpção também explicou que para que o tsunami chegue no Brasil seria necessário que o vulcão derrubasse uma parte da ilha, provocando um deslizamento de grande proporção em direção ao mar.

A fala do especialista também foi contemplada pelo professor e coordenador do Laboratório Sismológico da UFRN, Aderson Nascimento. Ele explica que a atividade vulcânica é comum na região das Canárias a possibilidade do fenômeno ocorrer é muito baixa.

"A atividade vulcânica na região das Canárias é comum e é monitorada. Na região do Atlântico não existe sistema alerta porque o risco é baixíssimo", completa Aderson ressaltando a importância da Rede Sismográfica para monitorar esses eventos.

Você sabia que o Brasil já foi atingido por um tsunami?

Apesar da baixa probabilidade apontada por especialistas, o Brasil já foi atingido por um tsunami. O fenômeno aconteceu em novembro de 1755 quando todo o litoral do Nordeste brasileiro foi afetado pelo tsunami, provocado por um terremoto em Lisboa, capital de Portugal. O desastre destruiu casas e deixou duas pessoas desaparecidas.

 

 Apoie jornalismo preto e livre!

 O funcionamento da nossa redação e a produção de conteúdos dependem do apoio de pessoas que acreditam no nosso trabalho. Boa parte da nossa renda é da arrecadação mensal de   financiamento coletivo e de outras ações com apoiadores. 

 Todo o dinheiro que entra é importante e nos ajuda a manter o pagamento da equipe e dos colaboradores em dia, a financiar os deslocamentos para as coberturas, a adquirir novos   equipamentos e a sonhar com projetos maiores para um trabalho cada vez melhor. 

 O resultado final é um jornalismo preto, livre e de qualidade.

 Acesse aqui nosso Catarse

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece. Se inscreva e receba nossas notícias toda semana.

VÍDEOS