COTIDIANO / Quinta, 01 Julho 2021 14:17

Vítima da Covid-19, fotógrafo Januário Garcia deixa legado para o movimento negro

Mineiro de Belo Horizonte, o profissional morreu aos 77 anos e foi responsável por décadas pelo registro da realidade negra, além de capas de discos de artistas como Leci Brandão e Tim Maia

Texto: Redação | Imagem: Reprodução

O fotógrafo e militante Januário Garcia
Introdução:

Mineiro de Belo Horizonte, o profissional morreu aos 77 anos e foi responsável por décadas pelo registro da realidade negra, além de capas de discos de artistas como Leci Brandão e Tim Maia

Texto: Redação | Imagem: Reprodução

O militante e fotógrafo Januário Garcia morreu vítima da Covid-19 na quarta-feira (30). Negro e mineiro, ele tinha 77 anos e em mais de 50 manteve um importante trabalho de documentação da realidade da população negra.

Ativista do movimento negro, é de autoria de Januário os premiados livros “25 anos do Movimento Negro” e “Diásporas Áfricanas na América do Sul”. As fotos do profissional também estamparam capas de álbuns de grandes artistas negros e não negros. Entre eles, Tim Maia (O Descobridor dos Sete Mares” e “Tim Maia Disc Club”), Leci Brandão (“Atitude”, “Dignidade” e “Coisas do Meu Pessoal”), Chico Buarque (“Chico Buarque” e “Perfil”), Fafá de Belém (“Água” e “Crença”), Tom Jobim (“Urubu”, “Tom e Edu”, e “Tom Jobim e Convidados”) e Raul Seixas (“Há Dez Mil Anos Atrás” e “Mata Virgem”).

Ao longo de sua trajetória, Januário Garcia também realizou exposições internacionais, em países como Nigéria, Senegal, México, Alemanha, Bélgica e Estados Unidos. Nas redes sociais, amigos e personalidades lamentaram sua morte.

“Com muita tristeza, recebemos a notícia da morte desse grande amigo, Januário Garcia, por COVID-19. Januário foi muito importante na minha vida, além de fazer 4 capas de LPs, também propunha os títulos dos discos e dava opiniões sobre o repertório.”, escreveu a sambista e deputada estadual Leci Brandão (PCdoB-SP), no Twitter.

“Muita tristeza! Acabamos de perder para a Covid-19 uma referência na luta antirracista, uma inspiração para minha geração. Januário Garcia, o Janu, fotografou nossa história por décadas. Obrigada por tudo!”, lembrou a jornalista Luciana Barreto, âncora da CNN Brasil.

“Simplesmente devastado com a notícia do falecimento do Januário Garcia, um dos maiores da sua geração de fotógrafos, pai do meu grande amigo Uirá. Que ele seja saudado no seu retorno para o orum, que Yemanjá conforte seus descendentes.”, pontuou o também fotógrafo Orlando Calheiros.

Confira também: Mortes no samba: Covid-19 atinge cultura afro-brasileira

 Apoie jornalismo preto e livre!

 O funcionamento da nossa redação e a produção de conteúdos dependem do apoio de pessoas que acreditam no nosso trabalho. Boa parte da nossa renda é da arrecadação mensal de   financiamento coletivo e de outras ações com apoiadores. 

 Todo o dinheiro que entra é importante e nos ajuda a manter o pagamento da equipe e dos colaboradores em dia, a financiar os deslocamentos para as coberturas, a adquirir novos   equipamentos e a sonhar com projetos maiores para um trabalho cada vez melhor. 

 O resultado final é um jornalismo preto, livre e de qualidade.

 Acesse aqui e apoie a Alma Preta Jornalismo

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece. Se inscreva e receba nossas notícias toda semana.

VÍDEOS

feminismonegro.jpg
leituradosbuzios.jpg
culturasafricanasema.jpg
racismorecreativo.jpg