COTIDIANO / Sábado, 19 Junho 2021 19:43

Veja como foram as manifestações contra Bolsonaro nas capitais brasileiras

Ativistas, lideranças políticas de oposição ao governo e artistas participaram dos atos registrados em pelo menos 23 capitais

Texto: Redação | Imagem: Yago Rodrigues

Mulher negra de perfil, com um adesivo na máscara escrito FORA BOLSONARO
Introdução:

Ativistas, lideranças políticas de oposição ao governo e artistas participaram dos atos registrados em pelo menos 23 capitais

Texto: Redação | Imagem: Yago Rodrigues

Protestos contra o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) foram registrados em pelo menos 23 capitais brasileiras neste sábado (19). Entre elas, São Paulo, Rio de Janeiro, Recife e Salvador, onde a Alma Preta Jornalismo realizou transmissões ao vivo nas redes sociais.

“É um ato nacional, que acontece no Brasil inteiro e unifica muitos setores políticos e sociais em torno da revolta com Bolsonaro, por isso é uma bandeira que une tanta gente”, destacou o deputado federal Orlando Silva (PCdoB-SP), que participou da manifestação na Avenida Paulista, em São Paulo.

Na capital paulista, a manifestação começou por volta das 16h e reuniu milhares de pessoas em nove quarteirões da avenida mais conhecida da cidade, com a participação inclusive de movimentos sociais como a Coalizão Negra por Direitos. Os manifestantes seguiram em direção à Rua da Consolação e Praça Roosevelt, sempre de forma pacífica.

Leia também: Ato na Avenida Paulista destaca responsabilidade de Bolsonaro pelos 500 mil mortos na pandemia

No Rio de Janeiro, o ato ocupou a maior parte da Avenida Presidente Vargas, a via mais larga do centro da cidade. A massa de manifestantes chegou a se estender entre a Central do Brasil e a Candelária, com pontos de dispersão. O ato teve início às 10h00 no monumento a Zumbi dos Palmares, e terminou na Candelária, no cruzamento com a Avenida Rio Branco, onde a manifestação chegou às 13h00.

Diversos movimentos sociais, entre eles o Movimento Negro Unificado (MNU), marcaram presença. Havia faixas em homenagem a jovens negros mortos, como Kathlen Romeu e também o garoto João Pedro Mattos Pinto. Apesar da dificuldade com o distanciamento, a reportagem não viu nenhum manifestante sem máscara. Houve também distribuição gratuita de máscaras PFF2 em meio ao protesto.

No Recife, uma multidão marchou em fila indiana em uma das principais avenidas da capital pernambucana, a Conde da Boa Vista, área essencialmente comercial da cidade. A concentração de pessoas iniciou pouco antes das 9h da manhã e contou com o trabalho voluntário na organização. Assim que saiu da Praça do Derby, ponto de partida do ato, houve um pequeno tumulto no trânsito e algumas motos tentaram passar entre a multidão. Um bloqueio corporal formado por voluntários ajudou a conter.

Leia também:Ativistas lotam o centro da capital pernambucana para pedir Fora Bolsonaro

Já na capital baiana, o protesto, convocado por movimentos sociais, partidos de oposição ao governo, sindicalistas, grupos estudantis e representantes de grupos indígenas, se concentrou na Avenida Presidente Vargas, região central de Salvador. Os manifestantes foram em direção à Ladeira da Barra, no Corredor da Vitória.

A escritora e rapper Preta Rara mora em São Paulo, mas participou do ato em Salvador. A artista reforçou a importância da mobilização da sociedade. “Apoio todas as pessoas que vieram ao ato, mesmo com medo. As pessoas que ficam em casa eu também respeito. Nós estamos em um ato de sobrevivência, uma vez que vamos atravessar as 500 mil vidas perdidas por conta do descaso desse governo”, reiterou.

Outras 19 capitais e o Distrito Federal também registraram manifestações contra o governo Bolsonaro ao longo do dia. Segundo Orlando Silva, os protestos contra Bolsonaro na data em que o país se aproxima das 500 mil vidas perdidas na pandemia, que já dura mais de um ano, são uma forma de pressionar os parlamentares pelo processo de impeachment. “Nós não vamos ter impeachment se não tivermos deputados apoiando”, explicou o parlamentar.

 Apoie jornalismo preto e livre!

 O funcionamento da nossa redação e a produção de conteúdos dependem do apoio de pessoas que acreditam no nosso trabalho. Boa parte da nossa renda é da arrecadação mensal de   financiamento coletivo e de outras ações com apoiadores. 

 Todo o dinheiro que entra é importante e nos ajuda a manter o pagamento da equipe e dos colaboradores em dia, a financiar os deslocamentos para as coberturas, a adquirir novos   equipamentos e a sonhar com projetos maiores para um trabalho cada vez melhor. 

 O resultado final é um jornalismo preto, livre e de qualidade.

 Acesse aqui e apoie a Alma Preta Jornalismo

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece. Se inscreva e receba nossas notícias toda semana.

VÍDEOS

memorialdasbaianas.jpg
izabelasantos02.jpg
racismoambientaltv01.jpg
iluoba.jpg