COTIDIANO / Quarta, 22 Setembro 2021 12:07

Vai-Vai deixará sua sede no Bixiga após 50 anos

Por conta das obras da linha 6 do metrô, a escola de samba fez um acordo com construtora e vai ganhar uma nova sede no mesmo bairro 

Texto: Letícia Fialho | Edição: Nadine Nascimento | Imagem: Divulgação 

 

Ensaio na quadra do Vai-Vai
Introdução:

Por conta das obras da linha 6 do metrô, a escola de samba fez um acordo com construtora e vai ganhar uma nova sede no mesmo bairro 

Texto: Letícia Fialho | Edição: Nadine Nascimento | Imagem: Divulgação 

 

A escola de samba Vai-Vai, que representa um marco de resistência negra no tradicional bairro do Bixiga - região central de São Paulo - anunciou nesta terça-feira (21) que deixará a sede na qual a agremiação, que completou 91 anos, está há mais de 50 anos. 

“O samba não levanta mais poeira. Asfalto hoje cobriu nosso chão”, foi com o trecho do hino de exaltação da Vai-Vai, de Geraldo Filme, que o presidente da  Clarício Aparecido Gonçalves falou sobre a mudança. O anúncio foi feito pela diretoria da escola em uma transmissão ao vivo. Segundo a Vai-Vai, houve um acordo com a empresa Acciona, concessionária responsável pela construção da linha 6-laranja do metrô, que no lugar da quadra construirá a estação Praça 14 Bis. 

“A empresa fez uma oferta de ficar com o local e está nos entregando um terreno e uma quadra a ser construída. Então, é uma quadra com uma posse provisória, por um local de propriedade da escola. Ou seja, é um bem que será do Vai-Vai e não sai mais”, conta o presidente Clarício Aparecido Gonçalves. 

De acordo com o líder da escola de samba, a decisão não foi fácil e a comunidade passa por um momento doloroso, devido a ligação afetiva com a sede localizada entre as ruas São Vicente e Lourenço Granato: “Todos nós temos uma ligação emocional muito grande com esse espaço, que temos aqui. Só eu estou há 40 anos. O Vai-Vai tem isso, nossa escola é paixão e emoção. E a gente tem que entender que o Vai-Vai está no nosso coração. Então, o momento da razão chegou. Mas a comunidade precisa preservar essa emoção e levá-la para a nova casa”, diz. 

A nova sede ficará na rua Almirante Marques Leão, que fica nas proximidades da atual. Durante a transmissão foi apresentada uma maquete em 3D do projeto de construção da nova quadra da “Escola do Povo”. Segundo os diretores, o terreno pertence a um membro da Vai-Vai, que venderá a área para a Acciona. A construtora erguerá uma sede ampla e moderna, incluindo isolamento acústico do prédio a fim de evitar a poluição sonora no entorno. 

“O Vai-Vai é uma grande comunidade. E essa força que nós temos vem de nós mesmos. Tem um samba que eu fiz que diz ‘ser Vai-Vai é algo mais’. O algo mais somos nós. Na época nós éramos um cercadinho, sem quadra, que ensaiava na chuva. E tem escolas com quadras lindas, com todo respeito a elas, mas não tem nós”, afirma Fernando Penteado, de 74 anos, diretor cultural da escola, filho de João Penteado e neto de Frederico Penteado, fundadores do Cordão Vai-Vai, em 1930. 

Gentrificação 

Por seis anos a sede da Vai-Vai foi ameaçada por conta do início das obras do metrô. Em 2015, a Secretaria de Transportes da Prefeitura negociou com a prefeitura, sob gestão de Fernando Haddad (PT), uma nova sede na área na ladeira da memória, que fica na região do Vale do Anhangabaú. Mas esse acordo acabou não saindo do papel. 

Para membros da comunidade, há evidência da valorização imobiliária no Bixiga, que é uma região de preservação da história negra, em uma tentativa de enobrecer o bairro através do afastamento das populações mais pobres. 

Carnaval 2022

A diretoria da escola também confirmou que os ensaios serão realizados no gramado do Estádio do Pacaembu, onde recentemente foi lançado o samba-enredo do carnaval de 2022, que escolheu o enredo Sankofa, símbolo de ressignificação do passado. De acordo com o presidente, há pretensão de utilizarem também o recém-inaugurado Centro Cultural Vila Itororó, que também fica no bairro da Bela Vista. 

 Apoie jornalismo preto e livre!

 O funcionamento da nossa redação e a produção de conteúdos dependem do apoio de pessoas que acreditam no nosso trabalho. Boa parte da nossa renda é da arrecadação mensal de   financiamento coletivo e de outras ações com apoiadores. 

 Todo o dinheiro que entra é importante e nos ajuda a manter o pagamento da equipe e dos colaboradores em dia, a financiar os deslocamentos para as coberturas, a adquirir novos   equipamentos e a sonhar com projetos maiores para um trabalho cada vez melhor. 

 O resultado final é um jornalismo preto, livre e de qualidade.

 Acesse aqui e apoie a Alma Preta Jornalismo

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece. Se inscreva e receba nossas notícias toda semana.

VÍDEOS

memorialdasbaianas.jpg
izabelasantos02.jpg
racismoambientaltv01.jpg
iluoba.jpg