COTIDIANO / Terça, 14 Dezembro 2021 14:34

Tiro que matou Kathlen Romeu foi disparado pela PM, conclui investigação

Ministério Público denunciou cinco policiais pela alteração da cena do crime; a jovem estava grávida quando foi baleada em junho deste ano

Texto: Redação | Imagem: Reprodução/Redes Sociais

Introdução:

Ministério Público denunciou cinco policiais pela alteração da cena do crime; a jovem estava grávida quando foi baleada em junho deste ano

Autor:

Texto: Redação | Imagem: Reprodução/Redes Sociais

O tiro que matou a modelo e designer de interiores Kathlen Oliveira Romeu, de 24 anos, foi disparado por um policial militar. É o que dizem as informações da Delegacia de Homicídios da Capital, por meio do laudo da reprodução simulada do caso. Com isso, o Ministério Público do Rio de Janeiro (MP-RJ) denunciou nesta segunda-feira (13) cinco policiais militares por terem alterado a cena do homicídio. Kathlen estava grávida de 13 semanas e foi morta no dia 8 de junho, no Complexo do Lins, zona norte da capital fluminense.

A suspeita é que os cabos Rodrigo Correia de Frias e Marcos da Silva Salviano efetuaram disparos contra a jovem. Um tiro a atingiu, causando sua morte no local. Na denúncia, o capitão da PM Jeanderson Corrêa Sodré, o 3° sargento Rafael Chaves de Oliveira e o cabo da PM Cláudio da Silva Scanfela também foram citados. A investigação da Polícia Civil deve ser concluída até o início de 2022.

“Integrantes do Grupamento Tático de Polícia Pacificadora (GTPP) da 3ª UPP do 3º BPM, envolveram-se nas circunstâncias da morte da vítima Kathlen ao terem os denunciados Frias e Salviano efetuado disparos de arma de fogo, com o armamento acima descrito, a partir do chamado Beco do 14, tendo sido a vítima atingida na Rua Araújo Leitão, paralela ao referido beco”, diz a denúncia do MPRJ junto à Auditoria de Justiça Militar, assinada pelo promotor Paulo Roberto Mello Cunha.

Na época, a família de Kathlen acusou policiais de efetuarem os disparos que mataram a jovem quando ela caminhava pela rua com a avó. Sodré, de acordo com o MP-RJ, poderia ter agido para preservar o local do crime e aguardar a chegada da perícia, mas se omitiu. Ele foi denunciado por fraude processual.

"Enquanto deveriam preservar o local de homicídio, aguardando a chegada da equipe de peritos da Polícia Civil (PCERJ), os denunciados Frias, Salviano, Scanfela e Chaves o alteraram fraudulentamente, realizando as condutas acima descritas, com a intenção de criar vestígios de suposto confronto com criminosos", diz trecho da denúncia.

A morte de Kathlen Romeu aconteceu um mês depois da Chacina do Jacarezinho, que também contrariou a decisão do STF (Supremo Tribunal Federal) de proibir operações policiais no Rio de Janeiro durante o período pandêmico.

Leia também: ‘Morte de Kathlen Romeu completa 100 dias e investigação continua sem conclusão’

 Apoie jornalismo preto e livre!

 O funcionamento da nossa redação e a produção de conteúdos dependem do apoio de pessoas que acreditam no nosso trabalho. Boa parte da nossa renda é da arrecadação mensal de   financiamento coletivo e de outras ações com apoiadores. 

 Todo o dinheiro que entra é importante e nos ajuda a manter o pagamento da equipe e dos colaboradores em dia, a financiar os deslocamentos para as coberturas, a adquirir novos   equipamentos e a sonhar com projetos maiores para um trabalho cada vez melhor. 

 O resultado final é um jornalismo preto, livre e de qualidade.

 Acesse aqui e apoie a Alma Preta Jornalismo

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece. Se inscreva e receba nossas notícias toda semana.

VÍDEOS

rashidfala.jpg
insdefesa.jpg
devassashow.jpg
manifestantesmarchamnacn.jpg