COTIDIANO / Segunda, 12 Julho 2021 11:11

Seminário realiza debates e minicursos sobre saberes africanos e tradições na diáspora

Entre os convidados (as) estão a deputada baiana Olívia Santana e o contador de histórias e ator de Burkina Faso, na África, François Moïse Bamba; Veja a programação completa

Texto: Redação | Fotos: Divulgação e Paula Vanina

Introdução:

Entre os convidados (as) estão a deputada baiana Olívia Santana e o contador de histórias e ator de Burkina Faso, na África, François Moïse Bamba; Veja a programação completa

Texto: Redação | Fotos: Divulgação e Paula Vanina

O núcleo de Pesquisas Afro-brasileiras em Artes, Tradições e Ensinagens na diáspora (CNPq/Universidade Federal do Sul da Bahia- UFRB) realiza, entre os dias 14 e 15 de julho, a primeira edição do seminário "Aldeia – Estéticas Negras Para Outros Mundos". A programação do evento conta com debates e minicursos sobre os saberes africanos e as tradições na diáspora.

O seminário, além de comemorar o primeiro ano do núcleo, também busca fomentar a produção de conhecimentos negro-africanos e negro-brasileiros com objetivo de ampliar essas vozes diante da reconfiguração das estéticas negras no contexto social. Os debates e minicursos vão contar com intelectuais e artistas comprometidos com a promoção da igualdade e no combate às discriminações raciais e violências que atingem a população negra.

No primeiro dia do evento, pela manhã, a mesa "Artes e Tradições na Diáspora" vai contar com a participação do contador de histórias e ator de Burkina Faso, na África, François Moïse Bamba; do pesquisador e cantor Dr. Tiganá Santana; e da pesquisadora das tradições africano-brasileira e também cantora, Dra. Inaicyra Falcão.

Já à noite, às 19h, o debate "AZUELA: Poéticas Negras em Roda" contará com a participação da deputada Olívia Santana, Dr. Jadir Brito e o discente do Centro de Formação em Artes e Comunicação da UFSB, Lucas Pereira.

Entre os minicursos ofertados estão: "Contos Nàgó-Yorùbá: Mitologia Afro-brasileira", "Pequena Introdução ao AfroButoh" e "Legado de Lélia Gonzalez para compreensão e interpretação do Brasil".

As mesas de conversa do seminário serão transmitidas pelo canal do Aldeia no Youtube. Já os minicursos serão ministrados por transmissão virtual e é preciso inscrição prévia. Clique aqui para se inscrever.

Confira abaixo a programação completa:

Mesas de conversa

Quarta-feira (14/07)

Mesa de Abertura: Artes e Tradições na Diáspora | Horário: 9h às 12h

Dr. Tiganá Santana (IEB-USP/UFBA)

Dra. Inaicyra Falcão (Livre Docente UNICAMP)

François Moïse Bamba (Contador de Histórias/Ator de Burquina Faso-África)

Tradução simultânea: Profa. Dra. Keu Apoema (UFSB/CJA)

Mediação: Profa. Dra. Evani Tavares (PPGAC/UFBA)

Azuela: Poéticas Negras em Roda - Celebração aos 20 anos da Conferência de Durban | Horário: 19h

Olivia Santana (Pedagoga e Deputada Estadual da Bahia)

Dr. Jadir Brito (NEPP-DH/UFRJ)

Lucas Pereira (Discente CFAC/UFSB)

Mediação: Profa. Dra. Fabiana Lima (UFSB-CJA)

Quinta-feira (15/07)

Conferência Final: Ensinagens na diáspora | Horário: 19h

Profa. Dra. Sandra Haydée Petit (PPGE/UFC)

Mediação: Prof. Dr. Tássio Ferreira (PPGER/UFSB)

Minicursos

Todos os minicursos serão ministrados na quinta (15), das 14h às 16h.

Contos Nàgó-Yorùbá: Mitologia Afro-brasileira

Ministrante: Prof. Filemon Cafezeiro Leite (Mestrando POSCULT/UFBA)

Número de Vagas: 30 participantes

Legado de Lélia Gonzalez para compreensão e interpretação do Brasil

Ministrante: Profa. Dra. Carla Liane Nascimento dos Santos (GESTEC/UNEB)

Número de Vagas: irrestrito

Pequena Introdução ao AfroButoh

Ministrante: Benjamin Abras @abrasbenjamin_oficial

Número de Vagas: irrestrito

Laboratório Experimental Cênico: “Entrelaçando Mulheres e Ressignificando Lugares”

Ministrante: Profa. Zaê Zambê (UFBA)

Número de Vagas: 30 participantes

Estéticas da Ancestralidade Afro-Indígena para criação em dança na sala de aula remota

Ministrante: Prof. Ms. Saulo Sankofa (UFSB)

Número de Vagas: 15 participantes

Leia também: Agenda coletiva do Julho das Pretas conta com mais de 300 atividades por todo país; Confira

 Apoie jornalismo preto e livre!

 O funcionamento da nossa redação e a produção de conteúdos dependem do apoio de pessoas que acreditam no nosso trabalho. Boa parte da nossa renda é da arrecadação mensal de   financiamento coletivo e de outras ações com apoiadores. 

 Todo o dinheiro que entra é importante e nos ajuda a manter o pagamento da equipe e dos colaboradores em dia, a financiar os deslocamentos para as coberturas, a adquirir novos   equipamentos e a sonhar com projetos maiores para um trabalho cada vez melhor. 

 O resultado final é um jornalismo preto, livre e de qualidade.

 Acesse aqui e apoie a Alma Preta Jornalismo

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece. Se inscreva e receba nossas notícias toda semana.

VÍDEOS

melly.jpg
cafe.jpg
entrevistalazaroramos.jpg
lucaskinte.jpg