COTIDIANO / Domingo, 18 Novembro 2018 13:41

Se a escravidão ainda existisse, mais de 30 milhões estariam nessa condição no Brasil

Único censo a contabilizar a população escrava (1872) mostrou que cerca de 15% dos brasileiros estava sob aquele modelo de trabalho; porcentagem aplicada hoje chegaria em 30 milhões de pessoas

Texto / Pedro Borges
Imagem / Divulgação

 

Se o regime escravista persistisse, cerca de 30 milhões de pessoas ainda trabalhariam nessa condição no país. O número é uma estimativa baseada no único censo sobre a população brasileira, feito em 1872, a levar em consideração e identificar os negros escravizados.

De acordo com a estatística, dos 10 milhões de habitantes residentes no país na época, 15,24% eram seres humanos escravizados. A população brasileira hoje é muito maior e chega próxima das 208 milhões de pessoas. Se o escravismo ainda persistisse e fatia semelhante mantivesse o trabalho escravo, 31,2 milhões de brasileiros estariam nessas condições.

Vale destacar que o número de escravizados no fim do século XIX era menor, em percentual e em dados absolutos, se comparado com outros períodos históricos do país. Naquela altura, o tráfico de seres humanos já havia sido proibido no país, com a ratificação da Lei Eusébio de Queiroz em 1850, e a nação se aproximava do fim do escravismo, em 13 de Maio de 1888.

A quantia se torna ainda mais expressiva quando a comparação se restringe aos números populacionais da comunidade negra. Representante de 54% do continente nacional, os pretos e pardos somam cerca de 112 milhões de pessoas. Considerando as mesmas estatísticas e o fato do escravismo ter sido restrito aos grupos negro e indígena, 34,7% dos afro-brasileiros hoje trabalhariam de maneira forçada.

Apesar da comparação histórica ser impossível, devido às singularidades dos dois períodos, o número ajuda a visualizar a perversidade do regime escravista no Brasil.

 Apoie jornalismo preto e livre!

 O funcionamento da nossa redação e a produção de conteúdos dependem do apoio de pessoas que acreditam no nosso trabalho. Boa parte da nossa renda é da arrecadação mensal de   financiamento coletivo e de outras ações com apoiadores. 

 Todo o dinheiro que entra é importante e nos ajuda a manter o pagamento da equipe e dos colaboradores em dia, a financiar os deslocamentos para as coberturas, a adquirir novos   equipamentos e a sonhar com projetos maiores para um trabalho cada vez melhor. 

 O resultado final é um jornalismo preto, livre e de qualidade.

 Acesse aqui nosso Catarse

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece. Se inscreva e receba nossas notícias toda semana.

VÍDEOS