COTIDIANO / Segunda, 19 Abril 2021 17:10

Risco de morrer de Covid-19 supera o de violência em São Paulo

Mesmo diante do período mais letal da pandemia, pressionado por empresários o governo do estado anunciou novas flexibilizações nas medidas de restrição

Texto: Redação | Imagem: Altemar Alcantara

Risco de morrer de Covid-19 supera o de violência em São Paulo
Introdução:

Mesmo diante do período mais letal da pandemia, pressionado por empresários o governo do estado anunciou novas flexibilizações nas medidas de restrição

Texto: Redação | Imagem: Altemar Alcantara

Na cidade de São Paulo, o risco de perder a vida em decorrência da contaminação pela Covid-19 é 13 vezes maior que o de morrer vítima de violência, seja por briga, assalto, engano ou acidente de trânsito. Mesmo assim, o governo do estado começa a implementar novas flexibilizações das medidas de restrição vigentes.

Segundo dados coletados pelo jornal Agora São Paulo, do grupo Folha, desde o início da pandemia, em março de 2020, a Covid-19 tirou a vida de um em cada 597 paulistanos. No ano passado inteiro, homicídios, latrocínios (roubos seguidos de morte) e acidentes de trânsito provocaram 1.474 óbitos, 1 em cada 8.053.

Leia também: O quanto a vacinação está distante de grande parte dos negros brasileiros?

De acordo com o jornal, a comparação seria ainda mais assustadora se considerado o atual pico da pandemia. Em 30 dias, 5.200 pessoas morreram em decorrência da doença na capital paulista.

Aglomerações e flexibilização da restrição

Frente aos dados alarmantes das mortes provocadas pelo coronavírus, especialmente neste novo pico da doença, a Secretaria de Segurança Pública (SSP) contabilizou 22 mil ações de combate a aglomerações em todo o estado paulista, entre 12 de março e 12 de abril.

Leia também: Quem tem dinheiro vive e quem não tem é deixado para morrer, diz deputado sobre ‘fura-fila’ na vacinação

Pressionado pelo setor comercial, o governo de João Doria (PSDB) também anunciou na sexta-feira (16) novas flexibilizações das medidas restritivas vigentes no estado. Na chamada “fase de transição”, da fase vermelha para a fase laranja, serão duas semanas com retorno gradual das atividades econômicas.

Igrejas, lojas de rua e shoppings centers, por exemplo, começaram a retomar as operações no fim de semana, com atividades reduzidas. Por outro lado, a taxa de ocupação em UTIs (Unidades de Terapia Intensiva) no estado ainda é alta, de mais de 80%. O toque de recolher da população também continua vigente, das 20h às 05h.

 Apoie jornalismo preto e livre!

 O funcionamento da nossa redação e a produção de conteúdos dependem do apoio de pessoas que acreditam no nosso trabalho. Boa parte da nossa renda é da arrecadação mensal de   financiamento coletivo e de outras ações com apoiadores. 

 Todo o dinheiro que entra é importante e nos ajuda a manter o pagamento da equipe e dos colaboradores em dia, a financiar os deslocamentos para as coberturas, a adquirir novos   equipamentos e a sonhar com projetos maiores para um trabalho cada vez melhor. 

 O resultado final é um jornalismo preto, livre e de qualidade.

 Acesse aqui e apoie a Alma Preta Jornalismo

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece. Se inscreva e receba nossas notícias toda semana.

VÍDEOS

melly.jpg
cafe.jpg
entrevistalazaroramos.jpg
lucaskinte.jpg