COTIDIANO / Quinta, 15 Abril 2021 16:32

Racistas invadem live de advogadas negras, fazem ofensas e gestos obscenos

Transmissão ao vivo reunia advogadas negras para falar sobre feminicídio e suas interseccionalidades;  Ordem dos Advogados do Brasil ainda não se manifestou publicamente sobre o crime

Texto: Juca Guimarães I Edição: Nataly Simões I Imagem: Iliescu Victor/Pexels

Racistas invadem live de advogadas negras, fazem ofensas e gestos obscenos
Introdução:

Transmissão ao vivo reunia advogadas negras para falar sobre feminicídio e suas interseccionalidades;  Ordem dos Advogados do Brasil ainda não se manifestou publicamente sobre o crime

Texto: Juca Guimarães I Edição: Nataly Simões I Imagem: Iliescu Victor/Pexels

Um grupo de hackers invadiu uma live organizada pela Comissão de Igualdade Racial da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) sobre feminicídio e suas interseccionalidades. Um dos invasores, um homem branco, chegou a mostrar o pênis e a se masturbar.

A transmissão ao vivo começou por volta das 19h do dia 7 de abril, na plataforma Google Meet, com aproximadamente 20 espectadores. A invasão ocorreu cerca de 10 minutos após o início da transmissão e dois dos hackers se identificaram como Paola e Francisco. Eles sumiram cerca de três minutos depois. 

Participavam da live a doutora Camila Lima das Neves, presidente da comissão de Igualdade Racial da subseção da OAB de Santana, na Zona Norte da capital paulista, e a advogada Lenny Blue de Oliveira, de 67 anos, co-fundadora do MNU (Movimento Negro Unificado) e integrante da Marcha das Mulheres Negras de São Paulo.

“A Camila estava falando sobre a Lei Maria da Penha. Foi uma invasão. De repente ele [um homem] apareceu falando coisas incongruentes, entrou a moça branca também com insultos e em seguida ele começou a se masturbar”, relata Lenny.

Os hackers entraram na live sem a necessidade de ‘permissão de acesso’. Além de se masturbar, o homem também tentou silenciar a fala de uma das advogadas. “Foi uma cena de extrema violência e ataque estruturado. A divulgação da live foi feita 24 horas antes”, explica Camila, que fez um ofício relatando o fato para a OAB e os membros da comissão.

A advogada disse que os hackers usaram expressões sexistas, racistas, machistas e misóginas e aparentavam ter idades entre 20 e 40 anos.  Na manhã desta quinta-feira (15) a instituição ligou para a doutora Camila e informou ter interesse em tomar as medidas cabíveis. 

“Foi uma violência contra a comissão, contra a OAB e contra a classe da advocacia. Foi um ataque a duas advogadas negras, à advocacia negra”, desabafa Camila.

Leia também: Vereadora negra e trans denuncia ataques recorrentes de vereador bolsonarista

Espectadores relembram o ataque

O advogado e economista Wilson Mandela, membro da Comissão de Ética do MNU no Rio de Janeiro, foi um dos espectadores da live e reitera que ações realizadas por pessoas negras costumam ser atacadas. “Eu cheguei a ouvir o hacker gritar ‘Cala a boca’. As iniciativas feitas por negros e negras são constantemente atacadas por brancos racistas, infelizmente no Brasil é assim”, diz Mandela, que também integra o Coletivo LGBT do Movimento Negro Unificado.

A bacharel em direito, Marina Inês do Nascimento, também acompanhava a live no momento do ataque. “Foi um crime contra todos nós. Era um assunto de extrema necessidade e sobre violência contra as mulheres, sobretudo mulheres negras”, destaca Marina Inês, que também compõe a Comissão de Igualdade Racial da OAB.

“O evento incomodou e vai incomodar mais [os racistas], porque não vamos parar, vamos estar nos lugares fazendo as nossas falas e levando informações e dados importantes”, complementa a espectadora.

 Apoie jornalismo preto e livre!

 O funcionamento da nossa redação e a produção de conteúdos dependem do apoio de pessoas que acreditam no nosso trabalho. Boa parte da nossa renda é da arrecadação mensal de   financiamento coletivo e de outras ações com apoiadores. 

 Todo o dinheiro que entra é importante e nos ajuda a manter o pagamento da equipe e dos colaboradores em dia, a financiar os deslocamentos para as coberturas, a adquirir novos   equipamentos e a sonhar com projetos maiores para um trabalho cada vez melhor. 

 O resultado final é um jornalismo preto, livre e de qualidade.

 Acesse aqui nosso Catarse

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece. Se inscreva e receba nossas notícias toda semana.

VÍDEOS

ccsp.jpg
umanobetofreitas.jpg
boletiim38.jpg
racismoemeioambientecop26.jpg