COTIDIANO / Quarta, 01 Setembro 2021 12:55

Professor da UFRJ é descartado de vaga por ser considerado 'vitimista'

O historiador e cientista político Wallace dos Santos de Moraes relata ofensas sofridas durante banca de concurso no Instituto de Filosofia e Ciências Políticas (IFCS). Universidade vai apurar o caso 

Texto: Juca Guimarães I Edição: Nadine Nascimento I Imagem: Arquivo pessoal
professor da UFRJ, Wallace Moraes foi alvo de racismo
Introdução:

O historiador e cientista político Wallace dos Santos de Moraes relata ofensas sofridas durante banca de concurso no Instituto de Filosofia e Ciências Políticas (IFCS). Universidade vai apurar o caso 

Texto: Juca Guimarães I Edição: Nadine Nascimento I Imagem: Arquivo pessoal

Durante uma reunião remota entre professores do departamento de Ciência Política do IFCS (Instituto de Filosofia e Ciências Sociais) da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro), o professor Wallace de Moraes, 47, ouviu de um de seus colegas que não poderia assumir um posto, para a qual estava qualificado e foi indicado, por "constantemente se vitimizar por ser negro" e ser "desequilibrado emocionalmente". O episódio causou revolta em alunos e funcionários negros da universidade.

Moraes é cientista político e historiador, dá aulas na UFRJ desde 2012 e foi professor na UFF (Universidade Federal Fluminense). Segundo ele, foi "duro" ter que ouvir tais acusações, mas que a situação que passou talvez explique porque os alunos reclamam que o racismo é o principal problema do Instituto.

“O IFCS e a UFRJ não podem permitir isso. Esse é o fato concreto que deve ser respondido. Qualquer outro caminho é desvirtuar do real. Enquanto isso, assumo que continuarei 'brigando' contra todo tipo de discriminação disferida contra qualquer corpo, e por liberdade, igualdade e autogoverno para os povos negros e indígenas”, afirmou o professor, que entrou com uma representação na UFRJ.

As ofensas foram feitas por um coordenador do IFCS e corroboradas por outros colegas. Segundo as regras da universidade, reuniões como essa deveriam ter ata e gravação, no entanto, os docentes que fizeram as acusações contra Moraes afirmaram, em nota, que a reunião não foi gravada.

“A arrogância é tanta que os chefes do Departamento não cumpriram um dever institucional e tratam isso com naturalidade. Eles sabem que a Casa Grande vai protegê-los. Eles sabem que ao dizer isso, todos os racistas, que não assumem jamais que são, vão apoiá-los, vão ponderar, vão tergiversar. Um corpo branco não sabe a dor que é ter que provar sempre 200% de capacidade para chegar em um lugar como esse”, comentou Moraes em carta enviada, nesta quarta-feira (1º), para os membros da congregação do IFCS e para os coletivos antirracistas da UFRJ.

Segundo ele, a questão não é pessoal, mas sim o racismo que atravessa todas as classes sociais. Por isso, ele espera que a repercussão do caso aumente e qualifique a discussão sobre a branquitude e o racismo.

Moraes foi indicado por cinco colegas do departamento para a vaga, ele tem formação na área e preenche as prerrogativas acadêmicas para o cargo. Por outro lado, o professor que levantou questões subjetivas e pessoais contra ele tem um cargo adjunto, está em estágio probatório e tem menos da metade de suas publicações acadêmicas.

Na internet e na mídia o caso ganhou destaque e o historiados recebeu muitas mensagens e manifestações de apoio. O documento do abaixo-assinado teve até o dia 1º de setembro mais de 2.200 adesões.

“Agradeço ao Coletivo de Docentes Negras e Negros, à Câmara de Política Racial da UFRJ, à Frente Antirracista de Servidores Negros, Negras e Negres e a todos os coletivos negros e de aliados que me apoiam nessa luta. Também quero agradecer aos colegas do DCP que indicaram o meu nome e confiaram em mim como capaz de participar de uma banca e a todes amigos e alunos que reconhecem e respeitam o meu trabalho”, disse Moraes.

Outro lado

Em resposta à Alma Preta Jornalismo, a UFRJ informou que, no dia 27 de agosto, instaurou uma comissão de sindicância para apurar com celeridade a denúncia de possível atuação imprópria e de conotação racista perpetrada por servidores públicos docentes do departamento de Ciência Política do instituto.

A universidade tem 4.218 professores, mas não tem a informação de quantos são negros. “Há um censo em andamento para realizar esse levantamento, sendo realizado pelo Núcleo de Estudos de Políticas Públicas em Direitos Humanos (NEPP-DH)”, diz a nota da insituição, que foi fundada em 1920.

De acordo com a UFRJ, “esse levantamento [sobre o total de professores negros] subsidiará a distribuição de vagas de docentes e técnicos administrativos”.

“No IFCS, dentre 78 professores apenas dois são negros. É, realmente, não existe racismo aqui”, comentou Moraes.

 Apoie jornalismo preto e livre!

 O funcionamento da nossa redação e a produção de conteúdos dependem do apoio de pessoas que acreditam no nosso trabalho. Boa parte da nossa renda é da arrecadação mensal de   financiamento coletivo e de outras ações com apoiadores. 

 Todo o dinheiro que entra é importante e nos ajuda a manter o pagamento da equipe e dos colaboradores em dia, a financiar os deslocamentos para as coberturas, a adquirir novos   equipamentos e a sonhar com projetos maiores para um trabalho cada vez melhor. 

 O resultado final é um jornalismo preto, livre e de qualidade.

 Acesse aqui nosso Catarse

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece. Se inscreva e receba nossas notícias toda semana.

VÍDEOS

ccsp.jpg
umanobetofreitas.jpg
boletiim38.jpg
racismoemeioambientecop26.jpg