COTIDIANO / Quarta, 20 Outubro 2021 09:36

'Pretas por Salvador' lança consulta pública sobre semana pelo aborto legal

A cada dez mulheres que morrem por aborto clandestino no Brasil, seis são negras; Projeto visa debate e ações voltadas para conscientização sobre a descriminalização do aborto e a defesa de uma prática segura

Texto: Redação | Foto: Divulgação

'Pretas por Salvador' lança consulta pública sobre semana pelo aborto legal
Introdução:

A cada dez mulheres que morrem por aborto clandestino no Brasil, seis são negras; Projeto visa debate e ações voltadas para conscientização sobre a descriminalização do aborto e a defesa de uma prática segura

Texto: Redação | Foto: Divulgação

O mandato coletivo 'Pretas por Salvador' (PSOL) abriu uma consulta pública virtual, que encerra nesta quarta (20), para análise do projeto de lei estadual, que tem como objetivo instituir a Semana Municipal de Conscientização pelo Aborto Legal e Seguro. Segundo o mandato, o Projeto de Lei nº 327/2021 visa coletar dados para a construção de políticas públicas de saúde para as mulheres, sobretudo as mulheres negras.

Conforme o texto, a semana será celebrada, anualmente, na última semana do mês de setembro e vai contar com a realização de eventos, debates e ações, através de órgãos municipais, voltadas para a conscientização e orientação para garantir o direito à pratica segura e legal.

“O projeto objetiva dar visibilidade ao tema, buscando garantir assim os direitos já existentes e seguir avançando por novas conquistas como a Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) 442, do PSOL, que ainda aguarda decisão para a descriminalização do aborto com até 12 semanas, junto ao STF”, ressalta a vereadora Laina Crisóstomo.

O aborto é considerado crime no Brasil desde 1940 através do Código Penal, que estabelece pena que varia de um a três anos para as mulheres que cometerem aborto. A justiça só trata o aborto legalizado para as mulheres vítimas de estupro ou em gravidez com risco de morte. O objetivo do texto é levantar discussões a cerca da descriminalização e alertar para uma prática segura e que garanta direitos de saúde básico para as mulheres.

A cada dez mulheres que morrem por aborto clandestino, seis são negras

Segundo dados do DataSUS, entre 2009 e 2018, foram registradas 721 mortes de mulheres por aborto clandestino. A cada dez que morreram, seis eram negras. Segundo levantamento feito pelo G1, no primeiro semestre de 2020, o Sistema Único de Saúde (SUS) realizou 1.024 abortos legais em todo o país. No mesmo período, mais 80 mil procedimentos foram realizados por causa de abortos malsucedidos, o que indica um número 79 vezes maior em comparação com os procedimentos de aborto legais.

Para o mandato, o projeto foi elaborado “por entender a importância da descriminalização do aborto, a fim de garantir a vida das mulheres, sobretudo com o objetivo de afirmar que a criminalização do aborto contamina o atendimento garantido por lei e, nesse contexto, mulheres negras têm mais barreiras no acesso aos serviços de saúde”.

Leia também: Legalizar o aborto no Brasil pelo combate ao genocídio da população negra

 Apoie jornalismo preto e livre!

 O funcionamento da nossa redação e a produção de conteúdos dependem do apoio de pessoas que acreditam no nosso trabalho. Boa parte da nossa renda é da arrecadação mensal de   financiamento coletivo e de outras ações com apoiadores. 

 Todo o dinheiro que entra é importante e nos ajuda a manter o pagamento da equipe e dos colaboradores em dia, a financiar os deslocamentos para as coberturas, a adquirir novos   equipamentos e a sonhar com projetos maiores para um trabalho cada vez melhor. 

 O resultado final é um jornalismo preto, livre e de qualidade.

 Acesse aqui e apoie a Alma Preta Jornalismo

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece. Se inscreva e receba nossas notícias toda semana.

VÍDEOS

melly.jpg
cafe.jpg
entrevistalazaroramos.jpg
lucaskinte.jpg