COTIDIANO / Quarta, 20 Outubro 2021 16:29

Polícia não identifica assassinos de jornalista autor de livro sobre Marielle

Leuvis Manuel Olivero foi executado no dia 10 de outubro, no Rio de Janeiro;  o jornalista e escritor publicou 11 livros, um deles sobre as pixações anti-bolsonaristas e outro sobre a vereadora carioca assassinada em 2018

Texto: Juca Guimarães I Edição: Nataly Simões I Imagem: Reprodução

jornalista Leuvis Olivero foi executado a tiros no RJ
Introdução:

Leuvis Manuel Olivero foi executado no dia 10 de outubro, no Rio de Janeiro;  o jornalista e escritor publicou 11 livros, um deles sobre as pixações anti-bolsonaristas e outro sobre a vereadora carioca assassinada em 2018

Texto: Juca Guimarães I Edição: Nataly Simões I Imagem: Reprodução

A Polícia Civil procura pistas dos ocupantes de uma HB20 que atiram no escritor e jornalista negro Leuvis Manuel Olivero, 38 anos, por volta das 19h de 10 de outubro no bairro da Tijuca, zona norte do Rio de Janeiro. A vítima foi atingida diversas vezes e morreu. Os atiradores fugiram.

Passados 10 dias, a Polícia Civil não divulgou nenhuma informação sobre o caso e não foi feita nenhuma postagem nas redes sociais do Disque-Denúncia para pedir que testemunhas do crime colaborem com informações. Leuvis foi morto na rua Baltazar Lisboa.

“Essa falta de movimentação tantos dias após o crime dão uma tristeza muito grande”, afirma o advogado DJeff Amadeus, coordenador do IDPN (Instituto de Defesa da População Negra), em entrevista à Alma Preta Jornalismo.

Leuvis publicou livros sobre Marielle Franco e Bolsonaro

O escritor lançou em 2020 o livro “Memória Viva” sobre a vida de Marielle Franco,  assassinada em 2018. A vereadora tinha a mesma idade de Leuvis, 38 anos, quando foi executada a tiros, junto com o motorista Anderson Gomes, no bairro do Estácio, no centro do Rio.

Com cidadania americana, Leuvis Olivero nasceu na República Dominicana, no Caribe, e morava há cerca de 10 anos no Brasil. O escritor lançou outros 10 livros ao longo de sua trajetória, entre eles  “Enquanto o Ódio Governava, a Rua Falava” sobre pixações e grafites nas ruas do Rio de Janeiro e contra o governo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

“Este livro é uma extensão da exploração contínua do projeto Aerosol Carioca das culturas de graffiti e vandalismo carioca. Sua intenção é clara: servir de voz e de resistência visual à violência e ao ódio que o Brasil vive hoje”, diz um trecho do texto de apresentação da obra, que foi lançada, em novembro de 2020, pela editora Câmara Brasileira do Livro. 

O jornalista frequentava a cena do grafite e das intervenções urbanas. Em abril deste ano, Leuvis lançou também de forma independente o livro “3.085 dias e contagem”, onde registrou as notas diárias que fez sobre os primeiros nove anos de vida da filha Sophia, que agora ficou órfã por parte de pai.

Leia também: Justiça aceita denúncia contra dois policiais envolvidos na chacina de Jacarezinho

 Apoie jornalismo preto e livre!

 O funcionamento da nossa redação e a produção de conteúdos dependem do apoio de pessoas que acreditam no nosso trabalho. Boa parte da nossa renda é da arrecadação mensal de   financiamento coletivo e de outras ações com apoiadores. 

 Todo o dinheiro que entra é importante e nos ajuda a manter o pagamento da equipe e dos colaboradores em dia, a financiar os deslocamentos para as coberturas, a adquirir novos   equipamentos e a sonhar com projetos maiores para um trabalho cada vez melhor. 

 O resultado final é um jornalismo preto, livre e de qualidade.

 Acesse aqui nosso Catarse

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece. Se inscreva e receba nossas notícias toda semana.

VÍDEOS

aartedecozinhar.jpg
boletim44.jpg
umoja.jpg
boletim43.jpg