COTIDIANO / Segunda, 14 Fevereiro 2022 18:38

Ditadura militar: análise das ossadas de Perus termina após 32 anos

Pelo menos 40 desaparecidos políticos teriam sido enterrados no local; alguns corpos apresentam sinais de que foram executados pelo grupo conhecido como 'Esquadrão da Morte'

 

Texto: Juca Guimarães I Edição: Nadine Nascimento I Imagem: Karen Siqueira / Agência Queixadas

Pessoas fazem passeio turístico no local onde foram achadas as ossadas em Perus
Introdução:

Pelo menos 40 desaparecidos políticos teriam sido enterrados no local; alguns corpos apresentam sinais de que foram executados pelo grupo conhecido como 'Esquadrão da Morte'

 

Autor:

Texto: Juca Guimarães I Edição: Nadine Nascimento I Imagem: Karen Siqueira / Agência Queixadas

Após 32 anos, os trabalhos de identificação das ossadas encontradas na vala comum do cemitério Dom Bosco, em Perus, em São Paulo, chegam ao fim em abril. A vala foi descoberta no início de setembro de 1990 e os corpos seriam de pessoas perseguidas pela ditadura militar (1964 a 1985), presos políticos e vítimas da violência policial nas décadas de 70 e 80. Ao todo são 1.049 ossadas.

Desde que foi criado, em 2014, O CAAF (Centro de Antropologia e Arqueologia Forense) da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo) tem realizado o trabalho de identificação das ossadas, segundo um acordo de cooperação assinado pela Unifesp, o Ministério da Família, da Mulher e dos Direitos Humanos e a Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Cidadania de São Paulo.

Em junho, o CAAF terá que desocupar a sua sede, que fica no bairro da Vila Mariana, na zona Sul, porque o prédio foi vendido. As famílias dos desaparecidos na ditadura querem uma garantia de que as ossadas sejam levadas para um local adequado e que as análises de identificação sejam retomadas.

“Mas pra além dos presos políticos, nós discutimos o genocídio da juventude preta na época da ditadura e depois também através dessas ossadas. Porque muitos corpos, segundo a análise do CAAF, tem marca de execução de cima para baixo, movimento de defesa, com tiro na mão, o que pode indicar que foram vítimas de ‘esquadrões da morte’, grupos de policiais corruptos que aterrorizavam as periferias”, explica Camila Cardoso, da Agência Queixadas, especializada em turismo periférico e preservação da história do bairro de Perus.

O ex-deputado estadual Adriano Diogo, que foi perseguido, preso e torturado durante o regime militar, alerta para o prejuízo gerado por uma eventual interrupção dos trabalhos do CAAF.

“É o único laboratório no Brasil que faz este tipo de investigação de antropologia forense, tanto relacionado a crimes do passado como também mortes em tempos recentes, inclusive para localizar as pessoas desaparecidas”, pontua o ex-deputado estadual.

Adriano pondera que daqui a alguns anos, o próximo crime de violência do Estado na mira de investigação pode ser a atuação do governo durante a pandemia do Covid-19. “Como teve uma sub-notificação na ordem de 30%, porque as pessoas foram enterradas até sem a ‘causa mortis’, apenas com indicações vagas de moléstia infecciosa ou problemas respiratórios, muitas famílias vão pedir que seja feita a investigação para saber se houve erro no boletim de óbito. Esse tipo de investigação é feito num centro como o CAAF”, esclarece o ex-parlamentar, responsável pelo projeto de lei que determina a investigação das ossadas.

Em resposta à Alma Preta Jornalismo, a prefeitura de São Paulo informou que haverá uma reunião na próxima sexta-feira (18), com todos os representantes das entidades e grupos envolvidos com as investigações das ossadas de Perus, na sede do TRF-3 (Tribunal Regional Federal) para acertar o destino do material. De acordo com a prefeitura, em março deve ser divulgado alguns resultados do relatório dessas investigações forenses nas ossadas.

A Assessoria de Imprensa da Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Cidadania de São Paulo informou que o acordo firmado na Justiça Federal prevê ainda a construção de um memorial em homenagem aos mortos pela ditadura. Por sua vez, a Unifesp disse que tem um projeto de construção de um laboratório de Identificação Humana.

 Apoie jornalismo preto e livre!

 O funcionamento da nossa redação e a produção de conteúdos dependem do apoio de pessoas que acreditam no nosso trabalho. Boa parte da nossa renda é da arrecadação mensal de   financiamento coletivo e de outras ações com apoiadores. 

 Todo o dinheiro que entra é importante e nos ajuda a manter o pagamento da equipe e dos colaboradores em dia, a financiar os deslocamentos para as coberturas, a adquirir novos   equipamentos e a sonhar com projetos maiores para um trabalho cada vez melhor. 

 O resultado final é um jornalismo preto, livre e de qualidade.

 Acesse aqui e apoie a Alma Preta Jornalismo

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece. Se inscreva e receba nossas notícias toda semana.

VÍDEOS

novageracaoskate.jpg
temclimapraisso8.jpg
flagrapmbahia.jpg
anasanches7.jpg