COTIDIANO / Quarta, 01 Setembro 2021 11:12

Raíssa Rocha conquista prata no lançamento de dardo

Baiana ficou em segundo lugar ao atingir a marca de 24m39, ficando atrás apenas da iraniana Hashemiyeh Motaghian

Texto: Redação | Foto: Divulgação/Comitê Paralímpico Brasileiro/Flickr

Introdução:

Baiana ficou em segundo lugar ao atingir a marca de 24m39, ficando atrás apenas da iraniana Hashemiyeh Motaghian

Texto: Redação | Foto: Divulgação/Comitê Paralímpico Brasileiro/Flickr

A baiana Raíssa Rocha conquistou a medalha de prata no lançamento de dardo na classe F56, voltada para atletas cadeirantes, nas provas das Paralimpíadas na madrugada da terça-feira (31). Raíssa atingiu a marca de 24m39 e ficou atrás apenas da iraniana Hashemiyeh Motaghian Moavi, que bateu o recorde mundial ao atingir 24m50.

Raíssa levou a prata após a sua terceira tentativa. No primeiro lançamento, a atleta atingiu a marca de 23,62m, e na segunda, 23,87m. Nos lançamentos seguintes fez 22,94m, 23,22m e 23,39m. Porém, foram os 24m39 que garantiram a atleta no segundo lugar no pódio.

Nas redes sociais, a atleta baiana comemorou a prata e agradeceu o apoio dos profissionais, amigos, conhecidos e familiares.

"Faltou bem pouco para o ouro vim, mas estou muito feliz e com sensação de dever cumprido com essa conquista tão esperada", escreveu Raíssa em uma rede social.

PRINT RAISSA

Além da prata das Paralimpíadas, Raíssa já tem na sua trajetória atlética uma medalha de bronze no Mundial de Dubai, em 2019; ouro nos Jogos Parapan-Americanos de Lima, no Peru, em 2019; prata nos 100m nos Jogos Parapan-Americanos Toronto em 2015; e prata no lançamento de dardo no Mundial Doha também de 2015.

A atleta, que levou o ouro nos Jogos Parapan-Americanos de 2019, em Lima, se mudou para Uberaba (MG) com 1 ano de idade para fazer uma cirurgia nas penas. Na infância, Raissa queria estudar direito, mas, por insistência de um professor de ginástica, entrou no esporte  e acabou descoberta por um olheiro do Comitê Paralímpico Brasileiro e convocada, em 2013. Em 2016, chegou à Paralimpíada do Rio.

Leia também: 

Cinco das nove medalhas nas Paralimpíadas de Tóquio são de atletas negros

Conheça os atletas negros (as) da Bahia que vão disputar as Paralimpíadas

 Apoie jornalismo preto e livre!

 O funcionamento da nossa redação e a produção de conteúdos dependem do apoio de pessoas que acreditam no nosso trabalho. Boa parte da nossa renda é da arrecadação mensal de   financiamento coletivo e de outras ações com apoiadores. 

 Todo o dinheiro que entra é importante e nos ajuda a manter o pagamento da equipe e dos colaboradores em dia, a financiar os deslocamentos para as coberturas, a adquirir novos   equipamentos e a sonhar com projetos maiores para um trabalho cada vez melhor. 

 O resultado final é um jornalismo preto, livre e de qualidade.

 Acesse aqui e apoie a Alma Preta Jornalismo

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece. Se inscreva e receba nossas notícias toda semana.

VÍDEOS

memorialdasbaianas.jpg
izabelasantos02.jpg
racismoambientaltv01.jpg
iluoba.jpg