COTIDIANO / Quinta, 27 Janeiro 2022 10:33

Pactuá: iniciativa promove inclusão de profissionais negros no ambiente corporativo

“Sempre fui um dos poucos ou o único negro nos espaços que frequentei", diz o idealizador do Pactuá, Kwami Alfama, CEO da Tereos Amido & Adoçantes Brasil

Texto: Dindara Ribeiro | Edição: Nadine Nascimento | Foto: Rebrand Cities/Pexels

Imagem enquadra um homem negro e uma mulher negra. Eles usam paletós e sorriem para a foto
Introdução:

“Sempre fui um dos poucos ou o único negro nos espaços que frequentei", diz o idealizador do Pactuá, Kwami Alfama, CEO da Tereos Amido & Adoçantes Brasil

Autor:

Texto: Dindara Ribeiro | Edição: Nadine Nascimento | Foto: Rebrand Cities/Pexels

No Brasil, menos de 4% dos profissionais em cargos de liderança são negros. Além da desigualdade racial, a diferença salarial também escancara como o racismo estrutural se movimenta nos ambientes corporativos: mesmo quando contratados, os negros recebem 45% a menos do que os brancos. Entre pessoas com ensino superior completo, a diferença é de 31%.

Ao sentir na pele essa desigualdade e refletir sobre a falta de lideranças negras nos altos postos hierárquicos, o empresário Kwami Alfama, CEO da Tereos Amido & Adoçantes Brasil, decidiu que a inclusão de profissionais iguais a ele no ambiente corporativo deveria se tornar uma prioridade e decidiu criar o Pactuá, iniciativa voltada para estimular a inclusão de pessoas negras nas empresas.

Um dos poucos CEOs negros do Brasil, Kwami Alfama diz que a ideia surgiu a partir de uma retrospectiva da sua própria vida, quando percebeu uma falta de diversidade tanto no ambiente universitário e, principalmente, nas posições de liderança nas empresas nacionais e multinacionais por onde passou.

"Foi então que comecei a buscar ativamente outros executivos negros para conversar, me relacionar e inserir em meu networking. De encontros em fóruns a conversas iniciais no LinkedIn, reuni um grupo de executivos negros que acredita no poder da inclusão como objeto de transformação da sociedade. E assim nasceu o PACTUÁ. Um PACTO e um ATO pela diversidade racial. O objetivo é acelerar a inclusão de talentos negros, potencializando a ascensão nas empresas", diz o CEO.

Kwami Alfa foto ana borgato site"Sempre fui um dos poucos ou o único negro nos espaços que frequentei" | Foto: Ana Borgato

Junto com outros 11 profissionais, o Pactuá tem o intuito de conectar profissionais negros de diversos segmentos e inserir essas lideranças na direção e no conselho administrativo das empresas brasileiras. A iniciativa se dá por meio da realização de mentorias a jovens negros e negras e na elaboração de uma rede de indicações para recrutamento voltados para cargos de liderança.

Ao todo, o grupo atua em cinco pilares estratégicos: ampliar o conhecimento que o grupo tem sobre ancestralidade; retribuir à sociedade o espaço que conquistaram e abrir portas para as próximas potências; educar e informar os outros, construindo ativamente uma sociedade mais justa; aumentar a escala trazendo diversidade para todos os elos da cadeia de valor; advogar em prol de profissionais negros, removendo barreiras para o crescimento e desenvolvimento.

Uma das integrantes do grupo, Flávia Porto, diretora de RH da Yara Brasil, diz que, para além da contratação, as empresas devem ter como pilares fundamentais a consciência, educação e sensibilização para que a diversidade, de fato, seja construída nas empresas.

"Medidas que nos façam construir pontes e derrubar barreiras para a inclusão. E que isto traduza na criação de um "pipeline" de acesso à talentos ainda invisibilizados pelo mercado de trabalho".

FLAVIA PORTO site"Medidas que nos façam construir pontes e derrubar barreiras para a inclusão" | Foto: Divulgação

Para Kwami Alfama, é urgente que o mundo corporativo adote o reconhecimento das potências negras.

"Criar negócios que incluam esta população é crucial para um futuro em que todos contribuam com seus potenciais e diferentes formas de existir e pensar. Temos que olhar a população negra não sob a ótica da escassez, mas sobre a ótica da potência e suas contribuições para a construção deste futuro", pontua.

"Como grupo, acreditamos que com a nossa potência, vivência como pessoas negras em posições executivas, e vasta experiência multifuncional podemos influenciar a transformação necessária, criando pontes e removendo barreiras para organizações mais inclusivas, inovadoras e sustentáveis", completa Kwami Alfama.

Leia também: O topo tem cor: negros ainda são minoria em cargos de liderança da indústria alimentícia

 Apoie jornalismo preto e livre!

 O funcionamento da nossa redação e a produção de conteúdos dependem do apoio de pessoas que acreditam no nosso trabalho. Boa parte da nossa renda é da arrecadação mensal de   financiamento coletivo e de outras ações com apoiadores. 

 Todo o dinheiro que entra é importante e nos ajuda a manter o pagamento da equipe e dos colaboradores em dia, a financiar os deslocamentos para as coberturas, a adquirir novos   equipamentos e a sonhar com projetos maiores para um trabalho cada vez melhor. 

 O resultado final é um jornalismo preto, livre e de qualidade.

 Acesse aqui e apoie a Alma Preta Jornalismo

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece. Se inscreva e receba nossas notícias toda semana.

VÍDEOS

rashidfala.jpg
insdefesa.jpg
devassashow.jpg
manifestantesmarchamnacn.jpg