COTIDIANO / Quinta, 16 Setembro 2021 09:37

Número de magistrados negros sobe para 42% na Bahia

Apesar do crescimento, a média nacional ainda demonstra uma lacuna na equidade racial na magistratura

Texto: Redação | Foto: Divulgação/Ekaterina Bolovtsova/Pexels

Introdução:

Apesar do crescimento, a média nacional ainda demonstra uma lacuna na equidade racial na magistratura

Texto: Redação | Foto: Divulgação/Ekaterina Bolovtsova/Pexels

O número de magistrados (as) negros (as) - autodeclarados pretos e pardos - no Tribunal de Justiça da Bahia (TJBA) chegou a 42,1% e é considerado como o quarto índice mais alto na justiça estadual em todo o país. O resultado foi apresentado na "Pesquisa sobre Negros e Negras no Poder Judiciário", realizado pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ), e é superior aos dados registrados em 2013, quando 39% dos juízes se declararam como negros e é bem mais alto que a média nacional, que fechou em 12,1%. 

O levantamento também aponta que houve um crescimento da participação de negros em diversos estados nas últimas décadas. Na Bahia, por exemplo, em 2002, apenas 26,8% dos magistrados se declararam como negros. Em 2004, o número saltou para 30% e atingiu 48% entre os magistrados que tomaram posse no concurso de 2013.

Apesar do resultado, não é possível afirmar que o percentual representa o cenário atual já que o levantamento do CNJ não inclui os convocados que participaram do último concurso do TJBA, realizado em 2018, cujo aprovados tomaram posse em dezembro de 2020 e junho de 2021. Das 100 vagas na primeira turma, dos 50 convocados, 23 (46%) eram negros, um (2%) amarelo e 26 brancos (52%). No concurso, o TJBA já seguiu a resolução Resolução 203/2015 do CNJ, que dispõe sobre a reserva de vagas às pessoas negras, no âmbito do Poder Judiciário.

Análise nacional

Apesar do crescimento devido à política de cotas, promulgada em 2015, a média nacional ainda demonstra uma lacuna na equidade racial na magistratura. Apesar da maioria da população preta ou parda (56%, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), o número de juízes negros é de apenas 12% na Justiça Estadual.

Na análise pelos estados, os menores índices foram registrados em Pernambuco (0,5%), Rio Grande do Sul (1,9%) e São Paulo (2,4%). Em relação aos estados com maior índice, o Amapá aparece em primeiro lugar (62,7%), seguido pela Bahia (42,1%), Piauí (46,1%) e Pará (44,5%).

Leia também: Negros são minoria no serviço público federal e ocupam apenas 27% de cargos com ensino superior

A pesquisa mostra também que, conforme análise desde 2015, o percentual de juízas e juízes negros estão em início de carreira como substitutos, representando 18,1%. A representação de titulares é de 12,3%; e a de desembargadores e desembargadoras é de apenas 8,8%.

Em relação ao gênero, os homens negros representam 19,7% dos juízes substitutos que ainda não ascenderam no cargo. Como titulares, os magistrados negros representam 13,1%, e como desembargadores, 7,8%. Já as mulheres negras representam 16,3% de juízas substitutas. O percentual de juízas titulares é de 11,2% e de 12,1% de desembargadoras negras, percentual maior que o de desembargadores negros.

Conforme o CNJ, mesmo com a implementação da política de cotas, a equivalência de pessoas negras na magistratura só será atingida entre os anos de 2056 e 2059.

O levantamento foi conduzido pelo grupo de trabalho criado pelo CNJ em julho de 2020 para elaborar estudos e indicar soluções que culminem em políticas judiciárias sobre a igualdade racial. Mais informações podem ser conferidas na íntegra da pesquisa.

 Apoie jornalismo preto e livre!

 O funcionamento da nossa redação e a produção de conteúdos dependem do apoio de pessoas que acreditam no nosso trabalho. Boa parte da nossa renda é da arrecadação mensal de   financiamento coletivo e de outras ações com apoiadores. 

 Todo o dinheiro que entra é importante e nos ajuda a manter o pagamento da equipe e dos colaboradores em dia, a financiar os deslocamentos para as coberturas, a adquirir novos   equipamentos e a sonhar com projetos maiores para um trabalho cada vez melhor. 

 O resultado final é um jornalismo preto, livre e de qualidade.

 Acesse aqui nosso Catarse

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece. Se inscreva e receba nossas notícias toda semana.

VÍDEOS

ileaiyeemsalvador.jpg
juventudeeracismo.jpg
boletim39.jpg
ccsp.jpg