COTIDIANO / Segunda, 13 Setembro 2021 14:52

Negros são minoria no serviço público federal e ocupam apenas 27% de cargos com ensino superior

Segundo o Ipea, o salário médio para negros com universidade corresponde a 78% da remuneração paga aos brancos no Executivo federal

Texto: Letícia Fialho | Edição: Nadine Nascimento | Imagem: Reprodução 

 

Negros em cargos de liderança
Introdução:

Segundo o Ipea, o salário médio para negros com universidade corresponde a 78% da remuneração paga aos brancos no Executivo federal

Texto: Letícia Fialho | Edição: Nadine Nascimento | Imagem: Reprodução 

 

Servidores públicos do Executivo federal autodeclarados pretos e pardos recebem salários inferiores em relação aos brancos, apesar de possuírem os mesmos níveis de qualificação profissional e formação em nível superior. De acordo com o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), o salário médio para negros com formação completa em universidades representa 78% da remuneração paga aos brancos. 

Ainda que os cargos que exigem nível superior geralmente são os de remuneração mais alta, a ocupação desses postos ocorre de forma bastante desigual. A divisão racial desse tipo de vínculo comprova que, embora a participação geral dos negros tenha crescido nos últimos anos, ela tende a se concentrar no escalão mais baixo. Em 2020, 65,1% dos cargos de ensino superior no Executivo federal pertenciam a brancos, enquanto apenas 27,3% eram ocupados por negros.

“Faz parte do mecanismo do racismo institucional que a população negra seja percebida como aquela que deve estar subalternizada e inferiorizada. O que impede os negros de assumir cargos de liderança. Deste modo, empresas geram menos oportunidades de ascensão às posições superiores. E esse é um motivo que faz com que os salários sejam mais baixos, além do próprio racismo atuando no pagamento”, afirma o advogado Daniel Bento Teixeira, diretor do Centro de Estudos das Relações de Trabalho e Desigualdades (Ceert). 

O Ceert (Centro de Estudos das Relações de Trabalho e Desigualdade) realiza censos desde 1990 que mostram dados de diversidade, igualdade e inclusão através de uma análise da população economicamente ativa, tendo em vista os recortes de classe e gênero, além de racial.  

De acordo com um estudo da instituição não governamental, dentre os desafios de jovens pretos está a falta de acesso à educação e os critérios excludentes de processos seletivos no mercado de trabalho. Segundo a pesquisa, realizada em 2020, dos 12 milhões de desempregados, 4,36 milhões são jovens negros de faixa etária de 14 a 29  anos, que buscam oportunidades de emprego. Atribuída a análise de disparidade no ensino, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) revela que, enquanto brancos com ensino superior ganham em média R$33,90 por hora, pretos e pardos recebem R$25,50 - uma diferença de 44%. 

“O trabalho executado por pessoas negras é pouco valorizado. Justamente pela desumanização dos processos. E, quando estamos defronte a um mercado de trabalho majoritariamente embranquecido, a gente também não encontra tantas oportunidades dentro de empresas que se preocupam com questões raciais, como um dos pilares de promoção de igualdade, e principalmente, de construir relações amistosas entre as pessoas que trabalham nas empresas”, justifica Wellington Lopes, Cientista Social e militante da Uneafro Brasil. 

Leia também: Quase metade dos profissionais negros não sente acolhimento no trabalho

Presença no ensino superior 

Um levantamento do IBGE indica que, entre 2010  e 2019, houve aumento de 400% no número de alunos negros no ensino superior. Dentre os matriculados, estes chegaram a 38,15% do total de ingressantes. O percentual ainda está abaixo de sua representatividade no conjunto populacional de 56% - o que também reflete na baixa inserção do grupo no mercado de trabalho quando exigida a formação em ensino superior. 

No país, 65% dos jovens que não estudam ou não concluíram a universidade são negros, segundo o IBGE. A disparidade no ensino afeta diretamente o desempenho no mercado de trabalho. Para o diretor do Ceert, há uma sobrerrepresentação de homens brancos em posições que exigem formação de nível superior. 

“Desde o início da minha trajetória universitária entendi que, no momento em que pessoas negras ingressam nesse espaço, elas lidam com a divisão racial. Quase todos os negros que conheço passaram pela escola pública e, geralmente, pessoas brancas da faculdade vêm de famílias com muito dinheiro e são facilmente contratadas, porque sempre têm aquele amigo dos pais que é empresário”, comenta William Cavalcante, estudante de Engenharia de Computação na Universidade de São Paulo (USP).  

O estudante conta que teve dificuldade ao tentar acessar às bolsas de iniciação científica, que são destinadas para uma parcela pequena dos universitários. Além disso, os valores oferecidos seriam baixos e insuficientes para quem precisa sobreviver da ajuda de custo.  

“Tive uma experiência negativa recentemente em que tentei entrar em uma vaga de estágio do Banco Itaú e só tinha mais uma pessoa negra dentre os sete candidatos. Me senti inseguro e, apesar da bagagem acadêmica que tenho, tive a sensação de estar atrás dos demais. Todos os entrevistadores eram brancos e, apesar de ter a mesma formação que a maioria, nossas trajetórias foram diferentes”, relata William.  

Para ele, parte dos universitários negros não conseguem preencher vários pré-requisitos exigidos pelo mercado de trabalho, como cursos de línguas, intercâmbios e experiências extra-curriculares.

 Apoie jornalismo preto e livre!

 O funcionamento da nossa redação e a produção de conteúdos dependem do apoio de pessoas que acreditam no nosso trabalho. Boa parte da nossa renda é da arrecadação mensal de   financiamento coletivo e de outras ações com apoiadores. 

 Todo o dinheiro que entra é importante e nos ajuda a manter o pagamento da equipe e dos colaboradores em dia, a financiar os deslocamentos para as coberturas, a adquirir novos   equipamentos e a sonhar com projetos maiores para um trabalho cada vez melhor. 

 O resultado final é um jornalismo preto, livre e de qualidade.

 Acesse aqui nosso Catarse

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece. Se inscreva e receba nossas notícias toda semana.

VÍDEOS

juventudeeracismo.jpg
boletim39.jpg
ccsp.jpg
umanobetofreitas.jpg