Negros e indígenas são os que menos têm acesso à esgoto em Belém

Estudo mostra que mudanças climáticas afetam de maneira diferente os grupos sociais e revela que mais vulnerabilizados são os mais impactados; negros e indígenas são os mais afetados na capital paraense

Texto: Flávia Ribeiro | Edição: Nataly Simões | Imagem: Pedro Guerreiro/Agência Pará

negros e indigenas
Introdução:

Estudo mostra que mudanças climáticas afetam de maneira diferente os grupos sociais e revela que mais vulnerabilizados são os mais impactados; negros e indígenas são os mais afetados na capital paraense

Texto: Flávia Ribeiro | Edição: Nataly Simões | Imagem: Pedro Guerreiro/Agência Pará

Belém é a capital brasileira com maior proporção de população negra residente em aglomerados subnormais, as populares favelas, com as piores taxas de esgoto tratado e onde negros e indígenas são os grupos com menor acesso à rede geral de esgotamento sanitário.

As informações fazem parte do estudo “Diversidade e desigualdades em tempos de mudanças climáticas: uma análise socioespacial de Belém”, que buscou conhecer o ordenamento territorial, a densidade populacional e as condições a distribuição de renda, acesso ao saneamento, água potável, energia elétrica, serviço de coleta lixo da cidade. A análise completa será divulgada no dia 8 de março e faz parte do projeto “Amazônia Legal Urbana - Análise Socioespacial de Mudanças Climática”, de iniciativa de pesquisadores da Geografia e da Epidemiologia, com apoio do Instituto Clima e Sociedade (ICS).

Segundo o geógrafo Diosmar Filho, coordenador do projeto, foi constatado que o Plano Diretor em vigência no município de Belém está longe de garantir política de adaptação e mitigação às mudanças do clima, em face aos indicadores dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentáveis (ODS) da Agenda 2030 da Organização das Nações Unidas, a ONU.

“O que se apresenta no estudo é uma Belém com nível alto de densidade de povoamento com profunda desigualdade e distante de políticas de controle da crise climática. Se pensarmos que as ações para combater as mudanças do climáticas depende de maior educação e investimento em tecnologias limpas e sustentáveis, o Censo/IBGE 2010, apresenta uma cidade com uma população que mais da metade são mulheres, majoritariamente negra (pretas e pardas), com a renda dos residentes concentrada em valores iguais ou inferiores a trÊS salários mínimos, apresentando um percentual acentuado entre os menos escolarizados - pouco mais da metade, entre os sem instrução a nível fundamental e médio incompleto - e quase 70% da população localiza-se em áreas urbanas”, explica.

Filho afirma que a população está submetida às grandes enchentes e vivendo em baixadas ao lado dos rios urbanos (transformados em canais de esgoto). “Num município com 101 aglomerados subnormais, onde vivem uma população de 758.524 mil pessoas em domicílios particulares ocupados, tendo 48,14% de homens e 51,9% de mulheres, segundo o Censo/IBGE 2010”, detalha.

Os dados levantados constatam que a população indígena de Belém é a que menos tem acesso à rede geral de esgoto (somente 13%) e também a que menor possui abastecimento de água por Rede Geral encanada (58%).

O levantamento ainda traz que as mudanças climáticas afetam de maneiras diferentes os segmentos sociais. Mulheres, ribeirinhos, negros e indígenas são mais impactados. “Os eventos adversos, tendem a piorar a condição de vida dos grupos sociais vulnerabilizados, visto que elas influenciam o acesso a recursos básicos, precarizam ainda mais a condição de vida desses segmentos populacionais, reduzem o acesso a alimentos mediante aumento dos seus preços, aumentando a insegurança alimentar, os níveis de pobreza, e piorando a sua condição de vida, aprofundando as desigualdades sociais”, reitera a epidemiologista Andrêa Jacqueline Ferreira.

Região amazônica

O projeto “Amazônia Legal Urbana – Análises Socioespaciais de Mudanças Climáticas”, busca analisar o cenário alarmante que as mudanças do clima, os impactos em décadas e em diversos lugares e territórios de densidade territorial de negros e indígenas, com o objetivo de contribuir com as políticas públicas nessas sociedades, marcada por um ordenamento territorial urbano desigual, tendo como base as condições socioeconômicas da população em diversidade racial e étnica e de gênero. Além de Belém (PA), ainda as ações ainda abrangem, Macapá (Amapá), Manaus (Amazonas), Rio Branco (Acre) e São Luís (Maranhão).

Para acessar o estudo, confira o site do projeto.

Apoie jornalismo preto e livre!

O funcionamento da nossa redação e a produção de conteúdos dependem do apoio de pessoas que acreditam no nosso trabalho. Boa parte da nossa renda é da arrecadação mensal de financiamento coletivo e de outras ações com apoiadores. 

Todo o dinheiro que entra é importante e nos ajuda a manter o pagamento da equipe e dos colaboradores em dia, a financiar os deslocamentos para as coberturas, a adquirir novos  equipamentos e a sonhar com projetos maiores para um trabalho cada vez melhor. 

O resultado final é um jornalismo preto, livre e de qualidade.

Acesse aqui nosso Catarse

Image

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece. Se inscreva e receba nossas notícias toda semana.

VÍDEOS