COTIDIANO / Sexta, 21 Mai 2021 14:05

Na Bahia, pessoas negras são as que mais buscam os serviços da Defensoria Pública

De acordo com levantamento realizado pelo Grupo de Trabalho pela Igualdade Racial do órgão, ao todo, 90% das pessoas atendidas se autodeclaram pretas e recebem, mensalmente, valores abaixo de R$500; 

Texto: Redação / Edição: Lenne Ferreira / Imagem: Reprodução/Fiocruz

Na Bahia, pessoas negras e de baixa renda lideram quadro de acompanhamento pela Defensoria Pública
Introdução:

De acordo com levantamento realizado pelo Grupo de Trabalho pela Igualdade Racial do órgão, ao todo, 90% das pessoas atendidas se autodeclaram pretas e recebem, mensalmente, valores abaixo de R$500; 

Texto: Redação / Edição: Lenne Ferreira / Imagem: Reprodução/Fiocruz

Um levantamento feito pelo setor de Trabalho pela Igualdade Racial da Defensoria Pública da Bahia revela que a maioria da população que procura os serviços oferecidos pelo órgão é negra. A estatística aponta que, das 2.000 pessoas atendidas diariamente, 90% são identificadas como pretas. O estudo ainda leva em conta a disparidade na renda em relação aos demais atendimentos. Para a população que lidera, rendimentos mensais estão avaliados, em média, abaixo de R$500. 

Segundo a coordenadora do setor - instituído em 2019 -, Vanessa Nunes, há uma necessidade urgente de implementar uma politica antirracista nos órgãos para diminuir a disparidade e o racismo estrutural da sociedade, levando em conta quais são os serviços buscados e quem são.

“A política de promoção da equidade racial e enfrentamento ao racismo da Defensoria Pública deve começar em um processo interno, como exemplo de mudança cultural na instituição. Outros dois pontos importantes do funcionamento dessa política são a garantia de ocupação, nas funções de confiança, de pelo menos 50% de mulheres e 30% de pessoas negras - o que enriquece a composição da gestão e promove representatividade - e a priorização de pautas importantes dos movimentos negros para a atuação das defensoras e defensores que estão na ponta”, destaca a coordenadora. 

Leia também: Professor de Direito negro é impedido de assumir vaga na Universidade Federal de Sergipe

Na última quarta-feira (19), dia do Defensor Público, a  Associação Nacional dos Defensores e Defensoras (ANADEP) trouxe a questão racial e o olhar a outras minorias para o debate com a campanha anual - "Racismo se combate em todo lugar: Defensoras e Defensores Públicos pela equidade racial". Após diálogo sobre o tema, a categoria promete trazer, mais vezes, à tona a necessidade de equidade no acesso a direitos e às políticas públicas para, além da população negra, pessoas indígenas, quilombolas e povos tradicionais. 

A adesão ao movimento contra o racismo institucional foi feita por parte do Presidente da Associação das Defensoras e Defensores Públicos do Estado (ADEP-BA), Igor Santos. O gestor promete atuar em prol dos minorias e afirma que a ação é um dos principais papéis da categoria que, em meio à pandemia, deve ser uma tarefa ainda maior.

“No dia dedicado a nós, defensores, nada mais humano que nos voltarmos para o debate em torno dos grupos vulneráveis de nossa sociedade e seus aspectos estruturais, que ensejam a perpetuação das desigualdades”, pontua Santos.

 Apoie jornalismo preto e livre!

 O funcionamento da nossa redação e a produção de conteúdos dependem do apoio de pessoas que acreditam no nosso trabalho. Boa parte da nossa renda é da arrecadação mensal de   financiamento coletivo e de outras ações com apoiadores. 

 Todo o dinheiro que entra é importante e nos ajuda a manter o pagamento da equipe e dos colaboradores em dia, a financiar os deslocamentos para as coberturas, a adquirir novos   equipamentos e a sonhar com projetos maiores para um trabalho cada vez melhor. 

 O resultado final é um jornalismo preto, livre e de qualidade.

 Acesse aqui nosso Catarse

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece. Se inscreva e receba nossas notícias toda semana.

VÍDEOS

boletim40.jpg
boogienaipe.jpg
ileaiyeemsalvador.jpg
juventudeeracismo.jpg